quinta-feira, maio 31, 2007

O jardineiro fiel?

A realidade ultrapassa a ficção?

The Washington Post 30.05.07

Pfizer Faces Criminal Charges in Nigeria
By Joe Stephens
Washington Post Staff Writer
Wednesday, May 30, 2007; A10

Officials in Nigeria have brought criminal charges against pharmaceutical giant Pfizer for the company's alleged role in the deaths of children who received an
unapproved drug during a meningitis epidemic.

Authorities in Kano,the country's largest state, filed eight charges this month related to the 1996 clinical trial, including counts of criminal conspiracy and
voluntarily causing grievous harm. They also filed a civil lawsuit
seeking more than $2 billion in damages and restitution from Pfizer, the
world's largest drug company.

The move represents a rare -- perhaps unprecedented -- instance in which
the developing world's anger at multinational drug companies has boiled
over into criminal charges. It also represents the latest in a string of
public-relations blows stemming from the decade-old clinical trial, in
which Pfizer says it acted ethically.

The government alleges that Pfizer researchers selected 200 children and
infants from crowds at a makeshift epidemic camp in Kano and gave about
half of the group an untested antibiotic called Trovan. Researchers gave
the other children what the lawsuit describes as a dangerously low dose
of a comparison drug made by Hoffmann-La Roche.
Nigerian officials say Pfizer's actions resulted in the deaths of an
unspecified number of children and left others deaf, paralyzed, blind or
brain-damaged.

The lawsuit says that the researchers did not obtain consent from the
children's families and that the researchers knew Trovan to be an
experimental drug with life-threatening side effects that was "unfit for
human use." Parents were banned from the ward where the drug trial
occurred, the suit says, and the company left no medical records in Nigeria.

Pfizer and its doctors "agreed to do an illegal act," the criminal
charges state, and behaved "in a manner so rash and negligent as to
endanger human life."

Internal Pfizer records obtained by The Washington Post show that five children died after being treated with the experimental antibiotic, though there is no indication in the documents that the drug was responsible for the deaths. Six children died while taking the comparison drug.

Suspicion stirred by news of the drug trial has been so intense in Kano,
the lawsuit says, that parents last year refused to allow their children
to be immunized against polio, frustrating a program aimed at wiping out
one of the disease's last refuges.

In a statement, Pfizer said it thinks it did nothing wrong and
emphasized that children with meningitis have a high fatality rate.

"It is indeed regrettable that, more than a decade after the meningitis
epidemic in Kano, the Nigerian government has taken legal action against
Pfizer and others for an effort that provided significant benefit to
some of Nigeria's youngest citizens," the statement said.

"Pfizer continues to emphasize -- in the strongest terms -- that the
1996 Trovan clinical study was conducted with the full knowledge of the
Nigerian government and in a responsible and ethical way consistent with
the company's abiding commitment to patient safety. Any allegations in
these lawsuits to the contrary are simply untrue -- they weren't valid
when they were first raised years ago and they're not valid today."

The criminal charges also name Pfizer's Nigerian subsidiary and eight
current or former executives and researchers. The charges could result
in fines and prison sentences ranging from six months to seven years per
count, according to Aliyu Umar, who served as Kano attorney general
until earlier this month.

Umar said he filed the charges with the backing of federal and state
authorities. He said it took 11 years to bring the action because
officials only learned details in recent years, through a series of
investigative reports in The Post. Three months ago, Umar's office
obtained a six-year-old Nigerian government report that concluded
Pfizer's actions violated international law.

"We realize we are the Third World and we need assistance," Umar said.
"But we frown on people who think they can take advantage of us,
especially if it's for profit. That's why we decided we needed to take
action against Pfizer.

"Those people responsible should be punished, whether in Nigeria or in
the United States, for what they did to our people."

Pfizer's drug trial came to public attention in December 2000, when The
Post published the results of a year-long investigation into
pharmaceutical testing in the developing world. Nigerians met the news
with street demonstrations and demands for reform.

Nigeria's health minister appointed a panel of experts to look into
Pfizer's actions, but its final report was suppressed without
explanation. Last year, The Post obtained a copy, which revealed that
the panel had concluded Pfizer's actions violated Nigerian law, the
international Declaration of Helsinki and the U.N. Convention on the Rights
of the Child.

The panel said Pfizer administered an oral form of Trovan that
apparently had never been given to children with meningitis. It said
there were no records documenting that Pfizer told the children or their
parents that they were part of a drug trial. And it said an approval
letter from a Nigerian ethics committee, which Pfizer used to justify
its actions, was a sham concocted long after the trial ended.

"The families of the children who [Pfizer] used as laboratory guinea
pigs were led to believe and in fact understood that the Defendants were
providing their children with volunteer relief, clearly focused
humanitarian medical intervention and nothing more," the lawsuit says.

Parents were not told that alternative treatments were available, it adds.

The suit charges that parents were barred from Pfizer's ward and that
the company's own lab tests had shown Trovan's life-threatening side
effects. Researchers allegedly administered the comparison drug,
Rocephin, in dangerously low doses to make Trovan look more effective.

The lawsuit contends that Pfizer researchers left the area during the
epidemic, took all medical records and "obliterated any evidence" of the
trial.

"Defendant's illegal conduct was deliberate and solely motivated by
financial considerations," it says.

Every surviving child suffered one or more disabilities, the lawsuit
says, adding that the state of Kano has incurred major costs caring for
the children and otherwise dealing with the drug trial 's repercussions.

In its statement, Pfizer said the drug was in late-stage development and
had been tested on 5,000 patients in a number of countries. "Pfizer's
doctors had solid scientific evidence that it would provide a safe and
effective treatment against the deadly disease," the statement said. The
treatment "indisputably helped save the lives of almost 200 children,"
the company said.

The U.S. Food and Drug Administration never approved Trovan for use in treating American children. After being cleared for adult use in 1997, the drug quickly became one of the most prescribed antibiotics in the United States. But Trovan was later associated with reports of liver damage and deaths, leading the FDA to
restrict its use in 1999. It remains available in the United States, but
European regulators have banned it.

/Research editor Alice Crites contributed to this report./

Etiquetas:


Coordenação Nacional desafia sector privado

CNSIDA 31.05.07

A rentabilização do negócio através de medidas de resposnsabilidade social das empresas que tenham em vista a prevenção da infecção VIH/sida foi o principal desafio lançado pela Coordenação Nacional na conferência "O envolvimento do sector privado na prevenção da infecção VIH/sida", que decorreu em Lisboa.
(...)
Contudo, Amílcar Soares, da Comunidade de Pessoas que vivem com VIH, afirma que apesar da legislação portuguesa prever o princípio da igualdade e o direito à integridade pessoal, assim como o manifesto laboral contra sida afirmar que não pode dentro dos limites legais constituir a infecção VIH motivo de despedimento, existem ainda empresas que têm práticas discriminatórias face a pessoas infectadas, conduzindo inclusivamente ao despedimento.
(...)

Etiquetas:


Reunião dos Coordenadores dos Programas Nacionais VIH/sida em Portugal

CNSIDA 31.05.07


“Dos princípios à acção”

dos Países da UE, Região OMS- Europa e Países Vizinhos

Realiza-se nos dias 12 e 13 de Outubro, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, a primeira reunião dos programas Nacionais no âmbito da Presidência Portuguesa da União Europeia. É promovida pela Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida, do Alto Comissariado da Saúde, e permitirá consolidar a colaboração com os países da Europa no combate a esta infecção.

A Comissão Europeia, a ONUSIDA a OMS, o OEDT, a OIM, a OIT, o ECDC e o Fórum da Sociedade Civil são parceiros da Presidência Portuguesa na preparação desta reunião.

Os desafios que a infecção VIH/sida coloca exigem um esforço conjunto, político e técnico, no espaço Europeu. Várias iniciativas têm sido desenvolvidas sob a égide da CE, designadamente no âmbito do Plano da Comissão Europeia de Combate ao VIH/sida na União Europeia e Países Vizinhos 2006-2009.

De forma a assegurar uma resposta consistente e sustentada, mantendo os compromissos políticos assumidos e traduzindo os princípios orientadores em acção efectiva, os Países Membros da União Europeia devem acordar na criação de mecanismos técnicos.

À semelhança de outras áreas de interesse na UE, a reunião dos coordenadores dos Programas Nacionais VIH/sida, a realizar periodicamente, pode constituir o primeiro mecanismo técnico, com o objectivo de abordar questões, tais como:

· Elaboração de relatórios de situação;

· Definição e harmonização das acções e recomendações aos Programas Nacionais;

· Monitorização da implementação das recomendações acordadas e de outros compromissos globais e regionais.

A Presidência Portuguesa e o enfoque nas Migrações

A preparação dos Países Europeus para lidar com o fenómeno das migrações tem-se revelado insuficiente e poucos desenvolveram as políticas necessárias para que a imigração constitua um processo de integração social positivo, no contexto da promoção e protecção dos direitos humanos.

Os indicadores de saúde sugerem que, em qualquer país europeu, os migrantes estão em maior risco de contraírem determinadas doenças infecciosas que as populações nacionais.

Para o desenvolvimento de políticas de saúde pública e de serviços de saúde e de prevenção adequados, particularmente no que respeita a epidemia VIH/sida na Europa, é necessário aprofundar o conhecimento do fenómeno das migrações.

O controlo da epidemia exige uma acção concertada da União Europeia no desenvolvimento de modelos comuns de vigilância epidemiológica, boas práticas e políticas de prevenção, tratamento e apoio custo-efectivas. O seu sucesso depende ainda do envolvimento das organizações da sociedade civil, incluindo migrantes e pessoas que vivem com VIH e SIDA.

A escolha das Migrações como tema central da Presidência Portuguesa, representa, na área da Saúde, uma oportunidade para discutir as questões e partilhar as respostas relativas às populações migrantes na Europa, particularmente no que respeita a prestação de cuidados de saúde, incluindo a prevenção, tratamento e apoio às pessoas que vivem com VIH/sida.

Objectivos

Programa Provisório da Reunião

Etiquetas:


quarta-feira, maio 30, 2007

Brasil oferece fábrica a Moçambique

Brazil offers drug factory to AIDS-ravaged Mozambique

Tue May 29, 5:57 AM ET REUTERS


Brazil has offered to build a $23 million pharmaceutical plant in Mozambique that will provide drugs to treat HIV/AIDS, malaria and other diseases, Mozambique's national newspaper said on Tuesday.

Brazil, a leading pharmaceutical manufacturer, will monitor quality and transfer technology to the proposed plant, which would produce a range of drugs, including generic antiretroviral drugs (ARVs) to fight HIV/AIDS, Noticias reported.

The plan was presented to the Mozambique government by Brazil's ambassador in the southern African nation.

Mozambique, one of the poorest nations on the continent, is struggling to find the money to rebuild its dilapidated health-care system, which was neglected during a 17-year civil war that ended in 1992.

The former Portuguese colony has been hard hit by the AIDS epidemic, with an estimated 1.6 million of its 18 million people infected with HIV. Only a fraction of those requiring ARVs are on treatment, with most of the drugs imported from India.

The offer to build the pharmaceutical plant was first raised by Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva during his 2004 official visit to Mozambique. Lula said he wanted drugs from the plant to be available to other African nations as well.

Brazil claims the use of generic anti-retrovirals has cut its AIDS mortality rate in half.

Mozambican Health Minister Ivo Garrido said the government would decide next month whether to approve the Brazilian proposal. "We will have to study it
very carefully," he was quoted as saying by Noticias.

Etiquetas: , ,


segunda-feira, maio 28, 2007

Status do acesso precoce ao MK-0518 em Portugal



25.05.07 - Informação da Merck:

O programa do acesso precoce ao MK-0518 (raltegravir) em Portugal já foi iniciado. Caso algum doente pense ter a necessidade de utilizar este medicamento deve de discutir este tema com o seu médico assistente para que este o posso aconselhar da melhor forma.

Caso o médico assistente deseje iniciar o tratamento com este medicamento com provas preliminares de benefício clínico, poderá solicitar informação à Merck Sharp & Dohme Portugal e ser-lhe-à facultada toda a documentação necessária para que possa solicitar à agência regulamentar a autorização de utilização especial do MK-0518. A decisão da necessidade de tratar o doente com este medicamento baseando-se nas provas preliminares de benefício clínico é da exclusiva responsabilidade do médico que o assiste.

Em Portugal o programa de autorização especial do MK-0518 não está limitado a nenhum hospital. Qualquer doente que de acordo com o médico assistente cumpra as condições para participar neste programa poderá ter acesso precoce ao medicamento.

www.msd.pt
Merck Sharp & Dohme
Quinta da Fonte - Edif. Vasco da Gama, Nº 19
P.O. Box 214 - 2770-192 Paço D' Arcos - PORTUGAL
Phone: +351 21 446 58 02 Fax: +351 21 446 57 99

The criteria for getting raltegravir through the EAP are:

1. Limited or no treatment options due to resistance or intolerance
> Resistance to 1 in each of 3 classes of drugs
> Clinically significant side effects that contraindicated use of any drug in that category
2. Not achieving adequate viral suppression on current regimen and at increased risk of clinical or immunological progression.
3. Clinically stable and on the same antiretrovirals for at least 2 weeks.

Etiquetas: , ,


sexta-feira, maio 25, 2007

JS assinalou Dia Mundial da Luta contra a Homofobia no Parlamento

Igualdade?!
Quando é que o PS/JS vai começar a ser coerente e apoiar o casamento gay?




ILGA 17.05.07

O Secretário Geral da Juventude Socialista, Pedro Nuno Santos, assinalou o Dia Mundial da Luta contra a Homofobia (IDAHO - 17 de Maio) com uma intervenção no plenário da Assembleia da República. A intervenção foi contra a discriminação com base na orientação sexual e incidiu, ainda, na necessidade de existência de boas práticas na administração pública para com as pessoas homossexuais.
ver vídeo

Etiquetas:


Entrevista com Luís Mendão sobre Hepatite C

“I’m not a medical anecdotal case. There is a large group of HCV patients in urgent need of new drugs, more efficient and with less adverse side effects”

Interview with Luis Mendão, community speaker on Hepatitis C during the 18th International Conference on the reduction of drug related Harm Warsaw, Poland


Peter: Luis, you talked in one of the mayor sessions on Hepatitis C prevention, treatment and living with HCV (hepatitis C Virus). You have been chosen to talk about this subject: what is your personal background?

Luis: My name is Luís Mendão, I am Portuguese, 48 years old, retired.

In 1996 I was diagnosed with stage C3 AIDS, with 2 CD4 cells, a viral load of over 500 000 and multiple opportunistic infections (CMV retinitis, PCP, etc.). Today I have an undetectable viral load for HIV and 800 CD4 cells.

In 1996 I was also diagnosed with hepatitis C, 1a genotype with a viral load of 6 millions. I smoke (a lot) but I do not drink alcohol.

In 2002, after a liver biopsy showed grade 4 fibrosis, I took pegylated interferon and ribavirin for 12 weeks with no results whatsoever but with serious side effects.

I have no credible treatment options at present for hepatitis C. My death risk from liver disease progression is much higher than from AIDS.

I would like to point out that I’m not a medical anecdotal case. There is a large group of HCV patients in urgent need of new drugs, more efficient and with less adverse side effects.

Peter: how did you get involved into community work on HIV and hepatitis C?

Luis: My social commitment begun with the student movement against the Portuguese fascist regime. During the eighties we started a group aiming at drug policy reform (later the NGO Soma-APA) in which I’m still involved. I currently work as a volunteer with the community patients based organisations GAT on HIV/AIDS issues and with SOShepatites, both organisations are based in Portugal. At European level I work with the European AIDS Treatment Group.

Peter: What is the benefit of community involvment? Why is it important that people living eth the disease speak up?

Luis: Well, I tend to dislike speaking about my personal life. But I do recognise the importance of personal testimonies. It is very important that people living with the disease are taking the opportunity to talk about themselves and to presen some of the concerns and proposals from the community of affected and infected HCV people.

I very much believe that we must be part not only of the problem but of the solution as well.

I am convinced that the meaningful involvement of People Living with HCV is crucial.

Peter: how should this involvment look like? And why is it crucial?

Luis: Our involvment should include all levels of public health policies and programs to tackle down the incidence and to control the epidemic. Our integration as peers should involve program planning, designing, implementation, program monitoring and evaluation.

How crucial the involvment of people living with the disease is obvious when we look at the self help structures created by people living with HIV/Aids in many European countries. In comparison the Hepatitis C movement seems me to be way behind of this.

I would like to commend WHO-Europe for being, in recent years, an example for including patient representatives in their work. For us this is very empowering.

Peter: this does have a lot to do with health policies …

Luis: Sure. Living in Europe, in 2007, we can not accept proposals for solutions that don’t respect the values of democracy and freedom. Health policies and designed programs have to have respect of human rights and of patients. The right to universal, to health care and treatment, the right to confidentiality of personal health data and the right to protection against persecution, discrimination and stigma has to be secured. Again, the involvment of people living with the disease is crucial to reach these goals.

Peter: What are currently the main obstacles people Living with Hepatitis face? What exactly should be done?

Luis: There is a lack of political leadership to put Hepatitis C on the public agenda. We have to raise awareness in the societies. We need a global European Commission Strategy to fight hepatitis in the European Union and neighbouring countries. This strategy has to be evidence based, using the best scientific knowledge in epidemiology, public health, behaviour and treatments. Again, Civil Society and community has to be included - because we have meaningful knowledge, our expertise based on living with the disease is of high value, nobody else possesses this experience.

Public powers, who ignore the best knowledge available in defining public policies when addressing existing problems, will fail to deliver good governance answers.

Peter: Are there gaps in research?

Luis: It is crucial to plan and fund research to answer the knowledge gaps we have in transmission, in treatment for people using drugs. We need more research for treatments for people using drugs, to explore side effects etc. There is little known about side effects with intravenous cocaine and amphetamine like use, etc.

Peter: HCV Infection rates among active intravenous drug users are very high. Some sources estimate 80–95%. What about treatment for drug users?

Luis: We have to provide full access to hepatitis care and treatment for all those in need without discrimination. This of course includes people using drugs. In reality, people using drugs are very often excluded in treatment programs. There are many wrong assumptions and prejudices about the possibility to treatment people using drugs “on the marked”. Doctors and health personnel believe that their compliance rate would be insufficient etc. Results of studies indicate clearly that this is not the case if people using drugs are enrolled in drug treatment programs and in contact with health workers without judgemental attitudes.

Peter: what about prevention activities among people using drugs?

Luis: we have to be aware of the fact that, unlike other viral hepatitis forms, we don’t have a vaccine for HCV. Re-infection is always possible. The vast majority of incidence of infections with HCV is now acquired trough injection drug use unsafe practices. We have to train people how to prevent HCV. Needle and syringe exchange programmes are very much needed, especially in places where many people are living with the disease, for example in prisons. But I am not an expert on this.

Peter: Why don’t you focus on hepatitis C and drug use?

Luis: (laughing) … many, in the community I represent, firmly believe that the use of addictive and psychotropic substances exists and always did exist in all human societies. That prohibition and criminalisation of the use or abuse of illicit drugs not only didn’t eradicate production, trade and use but did lead to the growth of a huge, criminal black market, harming democracy, economies, justice systems and public and individual health. The fact that people using drugs are often excluded from hepatitis treatment correlates with their criminalisation, and, to go further: it might be one aspect of it.

We believe that together with efficient prevention of drug use campaigns, providing universal access to drug addiction treatments, our societies must also learn how to live with drugs in a less harmful way.

Peter: what else needs to be addressed to get universal access to prevention and treatment in order to tackle down the HCV epidemic?

Luis: Interventions of primary prevention directed to IDUs in situation of vulnerability are fundamental to the reduction of HCV transmission rates. These programs must answer the specific needs of the people they are directed at, they should not be judgemental and integrate Harm reduction services.

People using drugs need complete and rigorous information about the use of injectable drugs, on how to avoid contracting the virus and must make adequate means of prevention available (complete injecting paraphernalia and information for use). For these populations, we must not mix dissuasion campaigns about drug use with HCV transmission prevention messages.

Again, the message must be clear, not moralistic and provide information on how not to get infected.

Campaigns, programs and interventions should not contribute to a rise in discrimination, stigmatisation and marginalization of the people they are aimed at. They must have the exact opposite effect to be effective. Lack of coverage in syringe distribution, rationing, incomplete injection paraphernalia are having devastating effect on hepatitis C incidence. We see this on the high infection rates at places where low threshold interventions don’t exist and programs are based misbelieves on IDUs.

Interview by Peter Wiessner from EATG


Etiquetas: , ,


quinta-feira, maio 24, 2007

15 anos Abraço



Abraço

Petição G8: Keep the promise!



Clicar aqui.

Etiquetas:


AHF ataca GSK sobre publicidade negativa

Yahoo news 23.05.07

AIDS Healthcare Foundation Counters GlaxoSmithKline Ads That Promote Fear of HIV Treatment

AHF Says GSK Ads Are a Veiled Attempt to Maintain Market Share for One of Its Blockbuster HIV Treatments; Calls on Drug Companies to Advertise Responsibly, Asks FDA to Step Up Oversight

(...)
The initial focus of AHF's new awareness campaign is a series of GlaxoSmithKline (LSE: GSK.L - news) 's (GSK) so-called "help seeking" print advertisements that have appeared in national publications over the past year. The GSK ads purport to alert the public to awareness of kidney disease as a possible side effect of HIV disease and its treatment. This series of ads feature a single, presumed HIV patient, seated on a bus bench with text that reads, "He knows he has HIV. He doesn't know his HIV puts him at risk for kidney disease." Underneath, in smaller print, the ad states, "Ask your doctor about your risk factors and the impact that HIV and its treatment may have on your kidneys." The image also includes two shapes or figures placed on the bus bench to suggest or represent the individual's kidneys.

"At first glance, these GSK ads appear to warn HIV patients -- and HIV-infected individuals who may not yet be on treatment -- of the potential for kidney disease among people living with HIV/AIDS," said AHF President Michael Weinstein. "In fact, while kidney disease may be a consequence of HIV and its treatment, these GSK ads are a thinly-veiled attempt to maintain market share for one of GSK's own AIDS treatments [Combivir] by scaring patients away from competing treatments [tenofovir da Gilead] which are associated with a slightly higher risk of kidney disease.

Targeting risks associated with a competing company's products does nothing to educate the patient about the potential efficacy and safety of the company's own drugs. This kind of underhanded negative advertising creates fear of HIV treatment in general, which could dissuade people from seeking treatment at all. This tactic only elicits and amplifies fears and doubts patients may already have about anti-retroviral therapy in general, making it harder for their doctors to treat them."
(...)

Etiquetas: ,


Governo trava hemorragia financeira na Saúde

DN 24.05.07

(...)
O terror para os últimos ministros da pasta da Saúde - e também dos titulares das Finanças - são as compras com os medicamentos. Aqui parecem existirem sinais de "garrote" financeiro. Nas compras de produtos farmacêuticos para consumo hospitalar e em "material de consumo clínico", foram escoados 69 milhões de euros, um aumento de dois milhões de euros em comparação com o ano passado.
(...)

Etiquetas: ,


quarta-feira, maio 23, 2007

Sampaio sobre TB (2)

Entrevista com Jorge Sampaio.

Etiquetas:


segunda-feira, maio 21, 2007

José Gomes Temporão, a costela esquerda do Governo Lula

Público 21.05.07

O luso-descendente José Gomes Temporão marca a política brasileira com a defesa do direito ao aborto, o ataque à indústria farmacêutica e acusações de ineficiência aos hospitais públicos
(...)
A última "polémica" causada pelo ministro surgiu quando criticou o desconto de dois por cento feito por um laboratório em medicamentos de controlo do HIV. "Não gostaria nem de adjectivar o que é isso." Por estes dias, vários laboratórios apressaram-se a apresentar ao Governos descontos superiores. "Temporão levou a dele avante, uma vez mais", remata Francisco Diniz.
(...)
Na agenda do novo ministro da Saúde estão já registadas intenções de encontros com o homólogo português, António Correia de Campos. "Tenho uma óptima relação com o António. Pretende estreitar laços e fazer parcerias, importar algumas ideias de gestão de hospitais públicos de Portugal." E pretende também "exportar" algumas componentes dos programas brasileiros de combate à sida e ao tabagismo, elogiados pela Organização Mundial de Saúde.

Etiquetas:


Abriu a caça à origem das doenças infecciosas

Público 17.05.07

Há muitas doenças que continuam a desafiar a medicina, como a sida ou a malária. Sabemos muito pouco sobre elas, e temos urgência em desvendar os segredos que permitem aos micróbios conquistar os humanos.
(...)

Atrasos no EAP do TMC114 (2)

Email enviado na semana passada ao Ministro da Saúde acerca dos atrasos no EAP (AUE) do TMC114:

Caro Dr. Correia de Campos

Lamento voltar a incomodá-lo sobre o mesmo assunto mas, três semanas depois da entrevista que concedeu ao GAT, o assunto da autorização da dispensa do Duranavir a doentes em falência terapêutica continua bloqueado.

Não só no Hospital de Egas Moniz mas, também agora, segundo chegou ao nosso conhecimento, nos Hospitais Pulido Valente e Distrital de Faro.

Se alguma coisa evoluiu foi o nosso espanto em relação ao pedido, feito pelo Direcção da Economia do Medicamento do INFARMED, de repetição dos testes de resistência – aparentemente por serem antigos!

Como se as resistências, uma vez verificadas, pudessem desaparecer. Se alguma coisa se alterou terá sido a sensibilidade aos fármacos que ainda estão a ser utilizados e que só poderá ter diminuído.

Não duvido da qualidade, como farmaco-economistas, dos membros do Departamento que fizeram tal pedido. Mas os seus conhecimentos e informação em relação ao vírus, às suas mutações e ao aparecimento de resistências face aos medicamentos parecem deixar muito a desejar.

Lamento ter de ser eu a avaliar esta situação. Naturalmente que o INFARMED dispõe de suficientes competências científicas e técnicas que poderiam ter evitado que este pedido fosse feito. Competiria, mais adequadamente, e nem que fosse com objectivos pedagógicos, às administrações, direcções clínicas ou de serviços dos hospitais referidos, ou mesmo à Coordenação Nacional para o VIH, tomarem a iniciativa de explicar, a quem o fez, o despropósito de tal pedido e a ignorância que revela.

Mas, qualquer que seja a razão, não se vê nenhuma destas entidades tomar tal iniciativa institucionalmente. Com manifesto prejuízo para os doentes e, até, incorrendo-se em custos desnecessários.

Torna-se cada vez mais premente a institucionalização de um mecanismo de alerta e informação para estes e semelhantes casos, como falámos na reunião do dia 24 de Abril.

Não só porque a análise das situações tem de ter credibilidade e sustentação científica, não podendo ser invocados argumentos que demonstram a ignorância de quem os utiliza, mas, sobretudo porque os obstáculos colocados no acesso a estes medicamentos podem significar a diferença entre a vida e a morte das pessoas.

Com os meus melhores cumprimentos pessoais

Pedro Silvério Marques

Membro do Conselho Consultivo do GAT

Etiquetas: , , ,


sábado, maio 19, 2007

Michael Moore exibe novo filme, Sicko, em Cannes



Estadão 19.05.07

(...)
Moore vai ao Canadá, à Inglaterra e a França para mostrar como nestes países, onde o sistema de saúde é gratuito, não apenas as pessoas são bem (muito bem) atendidas como a expectativa de vida da população é maior. Um bebê nascido em El Salvador tem mais chance de sobreviver do que outro nascido em Chicago, você acredita nisso? Moore tem a fama de manipulador e, certamente, continua manipulando seu público, mas o que ele cita são pesquisas da Organização Mundial de Saúde.
(...)

Etiquetas:


sexta-feira, maio 18, 2007

Sangue infectado nas transfusões?

CM 18.05.07

Apesar dos avanços tecnológicos e dos investimentos em equipamentos de análises ao sangue e nos cuidados técnicos com as recolhas na hora da dádiva, o Instituto Português do Sangue (IPS) admite que ainda ocorrem casos de transfusão de sangue infectado em Portugal, em especial com os vírus das hepatites B e C. Nos últimos quatro ou cinco anos não há registo de transfusão de sangue infectado com o vírus da sida (VIH).

Para garantir uma maior qualidade e segurança no sangue humano e dos componentes sanguíneos, assim como as respectivas exigências técnicas, requisitos de rastreio e notificação das reacções adversas graves, o Conselho de Ministros aprovou ontem um decreto-lei que transpõe para a legislação portuguesa quatro directivas comunitárias.

(...)

Etiquetas:


Polícia com 'kit' para condutores com drogas

DN 18.05.07

Dois anos depois de terem sido anunciados os kits de despistagem de substâncias psicotrópicas (canabinóides, cocaína e seus metabilitos, opiáceos e anfetaminas e derivados) estão finalmente regulamentados e vão passar a ser utilizados pelas forças de segurança.
(...)

Etiquetas:


quinta-feira, maio 17, 2007

Pioneiro holandês apadrinha associação portuguesa de consumidores

Lusa 10.05.07

O pioneiro dos programas de troca de seringas para toxicodependentes, o holandês Theo van Dam, apadrinhou hoje no Porto os primeiros passos para a criação de uma associação portuguesa de defesa dos consumidores de droga.

"Os seres humanos devem ser tratados com dignidade", disse à agência Lusa Theo van Dam, lamentando que tenha encontrado em Portugal toxicodependentes a viver em "condições horríveis", idênticas às que continua a presenciar um pouco por todo o Mundo, nomeadamente em Espanha, França, Holanda e Estados Unidos.

Theo van Dam é membro da Junkiebond, a associação holandesa de utilizadores de droga que em 1984 implementou o primeiro programa de troca de seringas.
(...)

Etiquetas:


World AIDS Vaccine Day

18 May, World AIDS Vaccine Day


Get involved in the campaign:

www.tenemossida.org/vacuna/vacunaen.html

More information in www.tenemossida.org/enterate_en.php

Thank you for your participation

Etiquetas:


Assinala-se hoje o Dia da Internet

Público 17.05.07

Assinala-se hoje, no Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, o Dia da Internet, uma iniciativa que pretende promover a reflexão sobre as potencialidades das novas tecnologias na vida dos cidadãos.
(...)

Educação Sexual nas Escolas Portuguesas

O movimento de Jovens pelo Sim Norte realizará com enorme satisfação a sua segunda iniciativa, dentro das Jornadas sobre a Educação Sexual, intitulada :

"Mudança de Conversa – Educação Sexual nas Escolas Portuguesas".

Decorrerá no próximo dia 18 de Maio, 21h30, sexta-feira, no Auditório do ISPGAYA.
Com a presença de :

Bárbara Figueiredo – Investigadora UMinho

Cândida Ramoa – Professora

Carla Silva – APF: Associação para o Planeamento da Família

Ilda Taborda – Professora

Nuno Gradim – CIDM: Comissão para Igualdade e para os Direitos das Mulheres

Paula Antunes – Rede Ex-Aequo

Compareça, Participe e Divulgue. Informações através do email: jovenspelosim.norte@gmail.com ou para Laura Mesquita (96 280 73 66)

Etiquetas:


Entrevista com o primeiro-ministro cabo-verdiano

AidsPortugal 16.05.07

Confira a entrevista com o Primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, também presidente do Comité Nacional de Combate ao HIV/Sida.
(...)

Artigo: Sol, mar e sexo - o boom turístico pode espalhar o HIV.

Etiquetas: ,


3as Jornadas de Reflexão sobre a Educação dos Jovens

AidsPortugal 17.05.07

3as JORNADAS DE REFLEXÃO SOBRE A EDUCAÇÃO DOS JOVENS EM PORTUGAL SETÚBAL - 23 de Maio de 2007 - Auditório Municipal Charlot - Rua Dr. António Manuel Gamito




Ficha de Inscrição (pdf)



Etiquetas:


Workshop Trans Formação

ILGA 15.05.07

Perspectivar a Transsexualidade no Activismo LGBT

No Portugal de hoje, as pessoas transsexuais – pessoas que sentem que a sua identidade de género não coincide com o papel de género que lhes foi atribuído ao nascimento – vivem problemáticas sociais, legais e clínicas que representam um desafio pessoal considerável, e que, muitas vezes, lhes afecta o dia-a-dia de maneira profunda. Sentindo-se incompreendidas e negligenciadas pela sociedade à sua volta, são também, muitas vezes, ainda desconhecidas para o próprio movimento LGBT. Tanto as suas necessidades e reivindicações, como o que é a própria transsexualidade, ainda permanecem por explorar no panorama do activismo português.

Nesse sentido, pode-se afirmar que a população transsexual tem mais um desafio que o resto das comunidades LGBT – para além das suas problemáticas sociais, ainda não alcançou um lugar definitivo no associativismo português.

Com o objectivo de dar visibilidade a esta temática dupla, o GRIP – Grupo de Reflexão e Intervenção do Porto da Associação ILGA Portugal – e a rede ex aequo – associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e simpatizantes – irão organizar uma “workshop” subordinada ao tema Perspectivar a Transsexualidade no Activismo LGBT, a ter lugar na cidade do Porto, e que estará aberta aos movimentos associativos de todo o país. Serão abordadas as diferentes percepções da transsexualidade, o percurso histórico da comunidade, estereótipos e preconceitos, as problemáticas da vivência transsexual, e as reivindicações legais, clínicas e sociais da comunidade.

Serão intervenientes:
Filipe Tisco (rede ex aequo)
Luísa Reis (GRIP)
A moderação ficará a cargo de Telmo Fernandes (GRIP)

A “workshop” terá lugar no dia 2 de Junho, sábado, com início às 16:00h, no espaço Maria Vai com as Outras, na Rua do Almada, nº443, Porto (tel: 22 0167379).
A participação é livre mas é necessária pré-inscrição, até ao dia 31 de Maio, para o endereço grip.ilga@gmail.com, devendo indicar o nome e contacto.

Contacto telefónico GRIP: 912 461 591. Contacto telefónico rede ex aequo – ex aequo porto: 917 913 966.

Contamos com a sua presença!

Etiquetas:


quarta-feira, maio 16, 2007

Sobre o aumento de preço (400%) do Norvir

Ver vídeo de 2004.

Etiquetas: ,


OMS propõe medidas para travar emigração de médicos

Lusa 16.05.07

Um grupo de peritos da Organização Mundial de Saúde (OMS) apresentou hoje um projecto para desenvolver um código de práticas internacionais que mitigue a emigração de médicos formados nos países pobres para Estados mais desenvolvidos.

A responsável da Iniciativa para a Migração de Pessoal da Saúde, Mary Robinson, assinalou terça-feira, numa conferência de imprensa, que regiões pobres como África, "não podem reforçar a sua assistência de saúde se os seus trabalhadores emigrarem".
(...)

Etiquetas:


Sangue de homossexuais é 'bom' ou 'mau' conforme o hospital

DN 16.05.07

"Ser homossexual, só por si, não é critério de exclusão da dádiva de sangue", garante Gabriel Olim, presidente do Instituto Português do Sangue (IPS). "O importante são os comportamentos individuais." Olim chega mesmo a apelar a que qualquer cidadão que se sinta discriminado em termos de dádiva de sangue por causa da sua orientação sexual efectue uma reclamação. Mas, no decorrer da conversa, acaba por admitir que essa exclusão "ocorre em todos os bancos de sangue do mundo e não pode ser dirimida só num país. Ainda não se pode dizer que este grupo deixou de ser grupo de risco ".

Quanto à fundamentação para esta exclusão, Gabriel Olim também não é muito claro. "Trata-se de um critério estatístico", admite. Olim só pode estar a referir-se à incidência de HIV/sida entre homossexuais masculinos, que há mais de vinte anos, quando a epidemia foi detectada, surgiu como muito elevada. Mas a verdade é que, estatisticamente, e como o seu antecessor, Almeida Gonçalves, reconheceu, a infecção por HIV/sida em Portugal (e na maior parte do mundo) está a aumentar sobretudo entre heterossexuais.
(...)

Etiquetas:


terça-feira, maio 15, 2007

Ministério da Saúde e OMS assinam acordo

DN 15.05.07

A migração, habitação e as distinções por sexos ao nível da saúde são algumas das prioridades assumidas pelo Ministério da Saúde e Direcção Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Europa. Segundo o protocolo assinado ontem entre o ministério e a OMS, foram definidas cinco áreas prioritárias de colaboração para os próximos dois anos.
(...)

Etiquetas:


Atrasos no EAP do TMC114




Fax enviado ontem ao INFARMED acerca dos atrasos no EAP (AUE) do TMC114:

Exmo. Senhor Dr. Hélder Mota Filipe

O GAT teve conhecimento que no decorrer do processo de Autorização de Utilização Especial (AUE) para o fármaco Duranavir (TMC114), foram requisitados aos hospitais Egas Moniz, Pulido Valente e Hospital Distrital de Faro, novos testes de resistência dos doentes que necessitam do medicamento.

O GAT gostaria de pedir esclarecimentos a V.Exa. sobre este procedimento, pois parece-nos que isto atrasa um processo que é urgente e apresenta custos adicionais desnecessários. A situação dos doentes que potencialmente podem vir a beneficiar do Duranavir, não pode certamente ter progredido para melhor. Pelo contrário, a eventual sensibilidade à terapêutica que estão a fazer só pode ter diminuído pelo que necessitam urgentemente deste medicamento para evitar uma falência terapêutica total, que os colocará em perigo de vida.

Apesar de não termos conhecimento das motivações que originaram este requisito por parte do INFARMED, desejamos que no futuro deixe de fazer parte do processo por manifestamente desnecessário.

Com os nossos melhores cumprimentos,

A Direcção do GAT

Etiquetas: , , ,


Acção pública contra a proibição de sangue por dadores homossexuais

Panteras Rosas 15.05.07

Amanhã, quarta-feira, 16 de Maio, 13h, MINISTÉRIO DA SAÚDE:

HOMOSSEXUAIS VÃO ENTREGAR SANGUE AO MINISTRO DA SAÚDE

Na véspera, e para assinalar, o Dia Mundial contra a Homofobia(a 17 de Maio), o movimento PANTERAS ROSA - Frente de Combate à LesBiGayTransfobia, vai realizar uma acção pública contra a proibição de sangue por dadores homossexuais pelo Instituto Português do Sangue (IPS).

A acção consiste na entrega simbólica de sangue por dadores homossexuais ao ministro da Saúde, e terá lugar na próxima quarta-feira, dia 16 de Maio, pelas 13h00, frente ao Ministério da Saúde, Av. João Crisóstomo, 9, em Lisboa, insistindo na entrega de sangue que o sistema está a excluir deliberada e discriminatoriariamente, e na falta que este faz nos Hospitais.
(...)

Etiquetas:


segunda-feira, maio 14, 2007

Um em cada oito infectados com VIH em Portugal tem mais de 50 anos

Público 14.05.07

Uma em cada oito pessoas infectadas pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) em Portugal tem mais de 50 anos de idade, uma percentagem que tende a aumentar, revela um estudo coordenado pelos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Os dados do estudo vão ser apresentados no congresso Pandemias na Era da Globalização, que terá lugar esta quinta-feira em Aveiro.

De acordo com os autores do estudo, "os idosos são o grupo etário onde se verifica o maior aumento da incidência" de HIV/Sida nos países desenvolvidos.
(...)

Etiquetas:


Tamiflu ou o marketing do medo

FT 07.05.07

N
ever in the field of human pharmaceuticals has so much been spent by so many on a disease that affects so few.

When Roche of Switzerland launched the antiviral drug Tamiflu to treat influenza in 1999, the science was ground-breaking but the product was almost killed at birth by low demand.

An unusually low incidence of influenza worldwide was matched by widespread health payers’ reluctance to reimburse for a costly medicine with limited effect to treat an illness perceived as no great threat.

Tamiflu has since become a “blockbuster”. The drug is now one of Roche’s best-sellers, with fast-increasing sales that exceeded SFr2.6bn ($2.1bn£1.1bn) in 2006 and are likely to generate a further SFr2bn this year.

The story illustrates the secrets of drug industry marketing, taken to extremes by preparations for a potentially dangerous – but so far “virtual” – pandemic flu strain.
(...)

Etiquetas: ,


domingo, maio 13, 2007

Petição Brasil - Efavirenze

Agência Aids 12.05.07

Petição Apoio Licença Compulsória

As organizações abaixo assinadas vem externar seu apoio e reconhecimento à emissão da licença compulsória no Brasil do medicamento Efavirenze, cujas patentes pertencem a transnacional farmacêutica Merck, Sharp & Dohme. Trata-se de uma decisão histórica e pioneira na América Latina e deve-se também a um forte processo de mobilização social de resistência aos abusos cometidos pelas transnacionais, amparadas pelo atual sistema de proteção intelectual. A licença compulsória do medicamento permite a produção de versões genéricas a preços mais acessíveis, ampliando o acesso da população e diminuindo o impacto causado pelos monopólios patentários das empresas.

Ressaltamos a legalidade e a legitimidade do instrumento utilizado, tanto na legislação nacional, quanto nos acordos internacionais de comércio. A propriedade intelectual não impacta somente a saúde pública, mas também a segurança e soberania alimentar, a biodiversidade, a manutenção da cultura dos povos, o acesso à informação e o direito à comunicação. As emissões das recentes licenças para medicamentos essenciais patenteados no Brasil e na Tailândia, reforçam a ideia de que o actual modelo de protecção do conhecimento, estabelecido pela OMC, não serve aos nossos países e aos nossos povos.

Somos enfáticos em afirmar que um sistema que aprofunda a divisão entre países ricos e pobres e entre produtores e consumidores de bens tecnológicos, não é um sistema justo nem viável. O conjunto de nossas assinaturas demonstra que estamos unidos no apoio a medida tomada pelo governo brasileiro e na crítica à naturalização da inserção do conhecimento no rol das mercadorias.

Rede Brasileira pela Integração dos Povos (REBRIP)
E-mail: clarisse@rebrip.org.br

Etiquetas: , , ,


350 mil precisam urgentemente de ARVs em Moçambique



Agência Aids 10.05.07

O jornal Mail & Guardian, da África do Sul, divulgou que mais de 350 mil pessoas vivendo com HIV/Aids precisam de tratamento anti-retroviral em Moçambique, mas apenas uma parte deles está realmente recebendo os medicamentos.

O coordenador do Movimento de Acesso ao Tratamento Anti-retroviral (MATRAM), Cesar Mufanequico, falou à Rádio Moçambique que apenas 53 mil seropositivos recebem os remédios, de um total estimado de 1,4 milhão infectados. Ele contou que a expectativa do governo era aumentar o número de tratamentos para 90 mil no final de 2006. O UNAIDS estima que, pelo menos, 230 mil portadores do vírus precisam das drogas anti-retrovirais em todo o país.

O governo moçambicano espera receber este ano mais de US$ 300 milhões do Fundo Global de Luta Contra a Aids, Tuberculose e Malária, do Banco Mundial e da Fundação Clinton. Em setembro de 2006, o governo norte-americano, por meio do Plano de Emergência do Presidente para o Alívio da Aids (PEPFAR), doou US$ 94 milhões em resposta ao apelo de ajuda contra a Aids de Moçambique.

Etiquetas: , ,


MSF apoia licença compulsória do EFV

Agência Aids 09.05.07

A organização não governamental Médicos Sem Fronteiras divulgou na terça-feira, 8, uma nota oficial apoiando a decisão do governo brasileiro de emitir a licença compulsória para o Efavirenze. A nota ressalta que “diante do cenário actual, em que os medicamentos sujeitos à protecção patentária apresentam preços exorbitantes e inacessíveis para a grande maioria dos países em desenvolvimento, a medida adoptada pelo governo brasileiro revela um compromisso com a sustentabilidade do acesso a medicamentos para o tratamento do HIV/Aids de sua população.” A ONG ainda revela que realizou estudos comparando dados relativos às suas compras de anti-retrovirais que “mostraram que os preços dos medicamentos de segunda linha sujeitos a patente são entre sete e 12 vezes superiores aos preços de anti-retrovirais de primeira linha podendo essa diferença chegar a 40 vezes em países de renda média.”

Leia a nota na íntegra.

Etiquetas: , , ,


Clinton anuncia ARVs mais baratos

Agência Aids 09.05.07

O ex-presidente americano Bill Clinton anunciou na terça-feira, 8, acordos com empresas farmacêuticas que permitirão que 66 países em desenvolvimento contem com 16 tipos de remédios contra a aids a preços baixos. "Cerca de sete milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento precisam de tratamento para o HIV/Aids e nós estamos tentando suprir estas necessidades com os melhores remédios disponíveis a um preço acessível", declarou Clinton em um ato em Nova York.
(...)

Etiquetas:


Durão destaca importância da livre circulação

DD 24.04.07

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, sublinhou hoje a importância da livre circulação de pessoas para tratamentos, lembrando que a saúde não é uma mercadoria, mas sim um direito social.

«A CE segue o princípio de não discriminação, pelo que quer garantir que nenhum paciente seja discriminado no acesso aos serviços de saúde. É por isso que uma das nossas principais preocupações é o direito da livre circulação, para que todas as pessoas tenham exactamente os mesmos direitos no acesso à saúde», disse Durão Barroso.

O presidente da CE falava durante a sessão de abertura do Fórum Europeu de Associações Médicas e da Organização Mundial de Saúde (OMS), que começou hoje em Lisboa.

Sobre a possibilidade de os tratamentos feitos por cidadãos de um Estado-membro em outro Estado poderem ser descontados nos sistemas do país de origem, Durão Barroso adiantou que se está a trabalhar nesse sentido.

Ressalvou, no entanto, que é preciso ver de que forma se poderá garantir esse direito, «uma vez que coloca questões complexas e sensíveis e levanta dificuldades práticas em alguns países».

Barroso assegurou que a CE está a trabalhar para permitir que o espaço europeu seja também um espaço de garantia de saúde.

Apontou a saúde publica como uma das prioridades e principais preocupações da Europa e lembrou que problemas de Saúde como as pandemias de VIH Sida, da tuberculose e da malária ultrapassam cada vez mais as fronteiras.
(...)

Etiquetas: ,


VIH tem novo mecanismo para evitar sistema imunológico

DD 13.05.07

O vírus HIV consegue evitar a activação do sistema imunológico quando interage com as células dendríticas, um tipo de célula de imunização que se encontra habitualmente sob as mucosas e que se encarrega de vigiar a entrada de agentes patogénicos no organismo.

Segundo revela um estudo publicado hoje pela revista científica britânica Nature, a interacção entre o HIV e as dendríticas impede que estas células, que representam 1% do total de linfócitos e desempenham um papel crucial para iniciar a resposta imune, possam activar o sistema imunológico.

Dirigida por Alison Simmons, do Instituto de Medicina Molecular Weatherall, da universidade inglesa de Oxford, a pesquisa avaliou o efeito da interacção entre o HIV e o DG-SIGN, um receptor proteínico que se encontra na superfície das células dendríticas.
(...)


Linha para dependentes de droga passará a ser paga

DN 09.05.07

A Linha Vida (14 14), um serviço que faz aconselhamento telefónico gratuito e confidencial a consumidores de droga, deverá passar a ser paga. O cenário é admitido pelo presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência, João Goulão, justificando este pagamento como a solução para os 80% de chamadas de brincadeira atendidas pelo serviço.
(...)

Etiquetas:


Sexo oral aumenta probabilidades de cancro

DN 11.05.07

As pessoas que, ao longo da sua vida, praticaram sexo oral com mais do que cinco parceiros têm 250% mais hipóteses de sofrer de cancro na garganta do que aquelas que não praticam sexo oral.

De acordo com um estudo realizado na Escola de Saúde Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos, isto deve-se ao facto de o Papilomavirus Humano (PVH) poder ser transmitido também através do sexo oral. O papilomavírus é responsável por infecções em cerca de 80% das mulheres sexualmente activas e está implicado na maioria dos cancros cervicais (no útero).
(...)

Portugal não atingiu meta e inflacionou contribuições

Público 11.05.07

Portugal faz parte do grupo de Estados-membros que não cumpriram a contribuição mínima individual traçada para 2006, juntamente com Grécia e Itália. Porém, realça a Concord, se se excluísse os fundos "ilegitimamente" contabilizados como Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD), também França, Áustria e Alemanha falhariam as suas promessas. Ao contrário, Suécia, Dinamarca, Holanda e Luxemburgo são elogiados pelo "elevado montante global da ajuda".

A meta portuguesa para a APD era de 0,33 por cento do rendimento nacional bruto, mas ficou-se pelos 0,21 por cento: 312 milhões de euros. Mas, destes, 16 milhões representam "ajuda inflacionada", avalia a Concord.

A plataforma de ONG critica a cooperação portuguesa por apostar essencialmente em "ajudas bilaterais" direccionadas para os países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), alinhando-as pela "política externa e interesses comerciais".
(...)

Etiquetas:


Novos fármacos anticancro podem levar entre 3 meses a 3 anos a chegar a Portugal

Público 10.05.07

Uma selecção de 82 medicamentos inovadores no tratamento contra o cancro demorou uma média de cerca de três meses a chegar ao mercado português desde a sua aprovação, mas no pior dos cenários chegou a demorar três anos, segundo um estudo hoje divulgado na revista científica Annals of Oncology.
(...)

terça-feira, maio 08, 2007

De 30 comprimidos para um em apenas sete anos

DN 08.05.07

Há sete anos, um doente com HIV/sida em tratamento antiretroviral chegava a tomar mais de 30 comprimidos diários para controlar a replicação do vírus. Hoje, a evolução das terapias reduziram este número para duas cápsulas e, durante este ano, deverá surgir um novo remédio que implica apenas uma toma.

Para Ricardo Camacho, médico especialista em HIV, esta tem sido uma das grandes evoluções no combate à doença. Até porque uma das dificuldades para tratar estes pacientes é a adesão à terapêutica - quanto mais medicamentos têm de tomar, mais difícil é o cumprimento da medicação. Mesmo assim, o médico sublinha que, em Portugal, a adesão tem vindo a subir desde 2001, de acordo com um estudo recente do qual é um dos autores. "Ao contrário do que se pensa, os níveis actuais de adesão estão ao nível dos grandes hospitais pela Europa", afirma o especialista do centro de virologia do Hospital Egas Moniz.

Para este ano, há três inovações esperadas no tratamento, com a introdução de novos fármacos de classes terapêuticas diferentes daqueles que existem actualmente no mercado.
(...)

Etiquetas:


Testes realizados subiram 40% num ano

DN 08.05.07

Os testes ao HIV realizados nos Centros de Aconselhamento e Diagnóstico (CAD) existentes no País aumentaram 40% no último ano. O valor é adianta pelo coordenador Nacional de Luta contra Sida, Henrique Barros, e é uma das conclusões do relatório que a estrutura responsável pelo combate à doença se prepara para lançar.
(...)
"Temos hospitais como Santa Maria, em Lisboa, ou Santo António, no Porto, que seguem entre 1500 a dois mil pessoas, outros não passam dos 5o pacientes", refere. A ideia é colocar as unidades menos diferenciadas e com menos recursos para acompanhar estes doentes a beneficiar da experiência dos hospitais de maior dimensão. A rede está ainda a ser estudada, mas terá de estar acabada "até ao final de 2008", diz Henrique Barros.
(...)

Etiquetas: ,


Mineral selénio pode melhorar vida de infectados com VIH

DN 08.05.07

Custa apenas dez euros por mês, mas pode melhorar significativamente a vida dos doentes com HIV/sida que estão em tratamento. Um estudo da Universidade de Miami, nos Estados Unidos, concluiu que a simples toma de um suplemento mineral, o selénio, atrasa a progressão da doença e diminui a carga viral nestes pacientes. Uma ajuda que tem a grande vantagem de ser fácil e barata, em doentes cujo tratamento tem um preço muito alto.

Publicado na revista de especialidade Archives of Internal Medicine, o estudo realizou-se em 174 doentes a receber tratamentos anti-retrovirais. Ao longo de nove meses, 91 deles tomaram uma cápsula de 200 microgramas de selénio, enquanto outros 83 receberam apenas placebo. Os resultados mostram que os primeiros apresentavam uma carga viral mais reduzida e um maior número CD4 - as células de defesa do organismo contra a infecção. "Este é um modo simples, barato e seguro de potenciar a terapêutica", afirma um dos autores da investigação, Barry Hurwitz, "face aos desafios decorrentes do uso das terapias farmacológicas convencionais para reduzir e manter estável a carga viral". Os resultados não foram tão promissores nos doentes com problemas digestivos sujeitos. Um dos efeitos comuns dos anti-retrovirais é a diarreia crónica, que impede a absorção do selénio.
(...)

Etiquetas: ,


Brasil quebra patente do Efavirenze e vai importar genérico da Índia



Força Brasil!!


Público 06.05.07

O Brasil quebrou, pela primeira vez, uma patente farmacêutica, para poder comprar medicamentos mais baratos para o tratamento da sida. O Presidente Lula da Silva decretou, sexta-feira, o "licenciamento compulsório" do anti-retroviral Efavirenze, da farmacêutica Merck. Com a medida, o Brasil poderá importar um genérico mais barato, produzido na Índia.
O Governo brasileiro diz que a iniciativa é necessária para a manutenção do seu programa nacional de combate à sida. O Efavirenze é utilizado por 75 mil dos 200 mil doentes abrangidos pelo programa, que cede gratuitamente os medicamentos.

Cada doente que utiliza o Efavirenze custa ao Estado brasileiro o equivalente a 427 euros por ano. Com os genéricos da Índia, o custo diminui cerca de 70 por cento. Até 2012, quando expira a patente do Efavirenze, a poupança seria de 174 milhões de euros, segundo o Ministério da Saúde.

A medida foi aplaudida por associações humanitárias e por organizações representativas dos doentes. Mas a indústria farmacêutica reagiu mal. "O valor do medicamento praticado no Brasil é um dos mais baixos do mundo", argumentou a Merck, num comunicado. O valor de cada pílula no Brasil (equivalente a 1,16 euros) é apenas mais caro do que na África subsariana e na Tailândia, segundo a farmacêutica.

A Merck tinha proposto ao Governo brasileiro uma redução de 30 por cento no preço. Mas o Governo não aceitou, encerrou as negociações e declarou o interesse público do Efavirenze, para permitir o licenciamento compulsório. Para a Interfarma-Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, a decisão do Governo vai afugentar "empresas e tecnologia para outras nações em desenvolvimento que respeitam a propriedade intelectual".

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse, porém, não temer a fuga de empresas.
O Governo brasileiro diz que a medida respeita as normas internacionais na matéria e que a Merck receberá os royalties pelo medicamento.
O Brasil já esteve perto de tomar medidas semelhantes em outros momentos. Em 2001, o então ministro da Saúde, José Serra, ameaçou quebrar a patente do medicamento Nelfinavir, do laboratório Roche, de modo a fabricar um genérico no país. A acção foi suspensa quando a empresa aceitou cortar 40 por cento do preço do remédio. Em 2003 e 2005, houve outras iniciativas similares, que resultaram, mais uma vez, na redução do preço dos medicamentos anti-retrovirais.

Etiquetas: , , ,


Marcha mundial pela 'cannabis'

DN 04.05.07

Legalizar a cannabis e todas as suas utilizações - "recreativas, relaxantes, medicinais, sacramentais, religiosas ou em rituais de outra natureza". É com este objectivo que, amanhã, os manifestantes de um movimento internacional vão sair para a rua, simultaneamente em 220 cidades de todo o mundo, incluindo Lisboa e, pela primeira vez, o Porto.
(...)
Quase 200 nomes que reivindicam também a legalização da produção e "compra em estabelecimentos autorizados e regulados" e "encorajar o estudo das utilizações benéficas da planta". É o caso da médica Maria José Campos. "Já há um medicamento autorizado, de produção sintética, mas tem efeitos mais pesados. A legalização permitiria a investigação farmacêutica, hoje impossível por ser uma substância ilegal". Lembrando as experiências na Catalunha, diz que há efeitos benéficos em doentes com sida, glaucoma ou doenças reumáticas - diminui as náuseas, aumenta o peso e alivia o sofrimento e ansiedade. E, por isso, há todo um mundo de possibilidades terapêuticas a explorar.
(...)

Etiquetas:


segunda-feira, maio 07, 2007

Brasil decreta o licenciamento compulsório do efavirenze

04.05.07

Após longas negociações com o laboratório Merck, o Governo Federal recusou a oferta de redução de apenas 30% do Efavirenz e decretou o licenciamento compulsório do Efavirenz. Com a medida, o Brasil está livre para importar e produzir o Efavirenz genérico.

Na cerimônia que marcou a assinatura do decreto, o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, ressaltou que o país fez o possível nas negociações, mas que a redução oferecida pela Merck foi muito inferior a oferecida a outro países.

A fala do ministro foi apoiada pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que acrescentou: "As pessoas não podem enriquecer as custas das desgraças dos outros. Se em alguma outra ocasião precisarmos pedir o Licenciamento Compulsório de qualquer medicamento essencial para a saúde da população, nós o faremos". Apoiando a medida, o Grupo de Trabalho em Propriedade Intelectual da Rede Brasileira Pela Integração dos Povos (GTPI/REBRIP) redigiu uma nota (clique aqui para ler a nota) reafirmando posições defendidas pelo grupo e propondo o debate sobre os próximos passos.

O Liceciamento Compulsório certamente reforça o acesso aos medicamentos e contribui para o desenvolvimento tecnológico do país. Tal medida, longe de ser o final de um processo, significa um estímulo à luta por um comércio mais humano e em acordo com uma saúde pública apoiada na justiça, na equidade e universalidade.

Etiquetas: ,


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Enter your email address below to subscribe to Blog do GAT!


powered by Bloglet