sábado, abril 29, 2006

Custos de ARVs no Reino Unido

Aidsmap 12.04.06

Cost of treatment and care becoming sensitive issue for UK as NHS faces spending slow-down

Funding problems for the NHS have rarely been out of the news this year, so it comes as no surprise that the cost of HIV treatment and care was mentioned in just about every session at the Twelfth Annual Conference of the British HIV Association, held in Brighton between March 30th and April 1st.

As the National Health Service struggles to cope with instructions from the Department of Health that budget deficits must be contained, and that over-spending trusts will not be bailed out, commissioners of HIV care within primary care trusts are forcing clinicians to pay increasing attention to the cost of the antiretrovirals that they are prescribing.

In addition the pace of growth in NHS spending is set to slow over the next few years, requiring further hard choices within the system, and in an editorial due to appear in the British Medical Journal on Friday, Professor Alan Maynard of York University's Departmeent of Health Sciences argues that the National Institute of Clinical Excellence, by approving technologies and drugs of marginal cost-effectiveness, has inflated NHS spending. NICE needs to be more stringent, he argues, and should have the power to negotiate prices with drug companies. He highlights recent proposals from health economists that NICE should reduce its threshold for cost-effectiveness from £30,000 per quality adjusted life year saved (QALY) to £15,000 per QALY, a level at which some aspects of HIV care as currently priced wouyld be under threat in the UK.

Various studies looking at the cost-effectiveness of particular antiretroviral drugs and regimens have been conducted, often with unrestricted financial backing from drug companies. Although these studies often appear to show that one antiretroviral drug is cheaper than others, they tend to look only at the raw costs of treatment, and do not take into account other potential benefits and risks associated with treatment such as side-effects and the cost of their treatment, the risk of resistance and the further cost implications of this, and the quality of life -implications of side-effects.

Nevirapine – cheap and effective

Dr Anton Pozniak told the Boehringer Ingelheim satellite session at last month's BHIVA conference how the appropriate use of the non-nucleoside reverse transcriptase inhibitor (NNRTI) in first-line therapy would not compromise potency or safety, and could save HIV clinics substantial amounts of cash. Data were presented from the 2NN study showing that nevirapine (Viramune) is as potent as its competitor NNRTI, efavirenz (Sustiva), can be safely dosed once a day, and that skin rash and hepatic toxicity, its main and most concerning side-effects, can be avoided if the “black box” warning regarding its prescription to individuals with higher CD4 cell counts (400 cells/mm3 for men and 250 cells/mm3 for women) were observed.

Combivir - not perfect, but a good and cheap drug and in 2006, cheap matters

In a balloon debate in the GSK satellite on the virtues of fixed dose nucleoside/nucleotide backbones of first-line therapy, Dr Nelson emphasised that Combivir was significantly cheaper than its competitor backbone combination pills Kixeva and Truvada. He acknowledged that Combivir (which includes AZT and 3TC) did have limitations compared to the two alternative combination pills, including twice-daily dosing and the risk of lipoatrophy from AZT. However, he said that cost may mean a choice between the best, but most expensive treatment and very good, but cheaper options, adding that cost was a factor that no clinic could ignore in 2006.

It’s perhaps worth noting that the 2005 treatment guidelines of the British HIV Association caution against the use of AZT and AZT-containing products (such as Combivir) in first-line therapy because of the risk of lipoatrophy, and also recommend that people already taking AZT or AZT-containing products should have this risk explained to them and be offered the opportunity to switch to an alternative drug.

T-20 – cost-effective, but evidence that not being prescribed on grounds of cost

T-20, the only injectable antiretroviral has been licensed for use in people with extensive experience of antiretroviral therapy since 2004, however its manufacturer Roche, and some UK HIV physicians have expressed concern that the drug is being under-used in the UK and that patients who may benefit from its use are not being offered it because doctors over-estimate their patients' reluctance to use it.

Cost also featured in the Roche satellite, when Dr Mike Youle mentioned that the use of the most expensive antiretroviral, the fusion inhibitor T-20 (enfuvirtide, Fuzeon) was cost-effective, but drew attention to evidence that at least one HIV pharmacy in the UK had refused to prescribe it on grounds of cost and suggested that fears about price and “laziness” meant that doctors were often not prescribing the drug to patients with very limited treatment options who could benefit from it.

Cost and durability of first-line treatment

Research was also presented to the conference looking at the cost of first, second and third-line antiretroviral combinations, showing that the median duration of first-line treatment was seven years, costing approximately £112,000 per patient and that second- and third-line therapy each lasted for a median of four years each costing in the region of £70,000.

Protease inhibitors and NNRTIs cost-effectiveness in first-line therapy compared

In a separate study, presented as a poster to the conference, investigators looked at the cost-effectiveness of NNRTI versus protease inhibitor-containing first-line treatment used between 1996 and 2002 at UK HIV clinics. They estimated cost-effectiveness per life year gained. The study was funded by an unrestricted educational grant by the drug companies Gilead Sciences, who make tenofovir (Viread) and FTC (emtricitabine, Emtriva) which are also available in the combination pill Truvada, and Boehringer Ingleheim, manufacturers of nevirapine (Viramune) and tipranavir (Aptivus).

A total of 3,647 patients taking first-line antiretroviral therapy were included in their analysis. They found that individuals taking first-therapy including an NNRTI had the longest estimated time to treatment failure and the lowest annual hospital costs compared to protease inhibitor, or boosted protease inhibitor-containing regimens.

“Given the increasing number of people living with HIV and their increasing life span from time of infection, cost and cost-effectiveness of regimens are becoming important criteria for deciding which particular regimen to use for first-line HAART”, conclude the investigators.

Cost of salvage regimens also explored

It’s not just first-line therapy where cost is an issue. Another poster presentation to the conference looked at the relative costs of different late salvage regimens. In particular investigators calculated the costs per patient of achieving an increase in CD4 cell count of at least 25 cells/mm3, a 0.5 log10 reduction in viral load, or a reduction in viral load to below 50 copies/ml. Eleven separate clinical trials involving 4,000 heavily treatment-experienced patients were analysed. The study was conducted by investigators at the Royal Free Hospital in London, the University of Liverpool and the pharmaceutical company Tibotec, the manufacturer of the experimental protease inhibitor TMC114.

The cost of achieving a reduction of 0.5 log10 in viral load varied from £733 per patient with TMC114 boosted by ritonavir with optimised background (the POWER studies) to £10,385 for T-20 plus optimised background (TORO-1). The cost of achieving a 25 cell/mm3 increase in CD4 cell count also varied widely, from £1,276 for TMC114/ritonavir and optimised background in the POWER studies to £28,929 for T-20 plus optimised background in the TORO-2 study.

The NAM Clinical Symposium on May 25th is concerned with optimising HIV care and will include an analysis of how issues such as cost may impact on patient care in the future. To download an application form for a free place click here.

quinta-feira, abril 27, 2006

Novo Kaletra continua inacessível


New York, April 27, 2006 – Abbott Laboratories is failing to make an important new AIDS drug formulation available to people in developing countries, according to the international medical humanitarian organization Doctors Without Borders/Médecins Sans Frontières (MSF).

MSF urges the Chicago-based drug company to take immediate steps to make the heat-stable tablet version of lopinavir/ritonavir, marketed as Kaletra, available outside of the United States. MSF also calls on Abbott to fill an order for the medicine for 400 MSF patients in nine countries that the organization placed over one month ago on March 15, 2006.

Lopinavir/ritonavir is a boosted protease-inhibitor and a crucial component of antiretroviral (ARV) therapy for patients that need to be switched to “second-line” treatment regimens after resistance naturally develops to a first combination of medicines. The new formulation is heat-stable, making it well-suited for developing countries where refrigeration is not readily available.

World Health Organization experts recommend the drug for use in second-line AIDS treatment in developing countries and the US Food and Drug Administration approved it in October 2005.

“In resource-poor countries where refrigerators are a luxury, the new heat-stable formulation of lopinavir/ritonavir is urgently needed by patients switching to second-line AIDS treatment,” said Dr. Rowan Gillies, International President of MSF.

“How can Abbott continue to drag its feet in filing for registration in most African countries? They hold the patent which gives them a monopoly on the drug until a generic version is available, but they have not even agreed to fulfill our order for 400 patients. Are they content to allow patients in developing countries towait indefinitely?”

HIV/AIDS researchers and clinicians, investor groups, treatment advocates, and policy-makers from around the world co-signed a letter with MSF on April 5 to Abbott’s CEO calling for the company to take immediate steps to make heat-stable lopinavir/ritonavir available to patients in developing countries.

Although Abbott has announced that it would charge $500 per patient per year for the new lopinavir/ritonavir in African and least-developed countries, no one can buy the medicine yet because the company has not taken steps to make it available in any of these countries except South Africa. In addition, they have not published a price for middle-income countries such as Thailand.

“We see this again and again: drug companies make an announcement about a special price but don’t register the drug in eligible countries, so the price remains virtual and the announcement is meaningless for patients in need of these medicines,” said Dr. Gillies.

The current inability to procure heat-stable lopinavir/ritonavir underscores the ongoing challenge of access to medicines in developing countries. Generic competition has led to the dramatic decrease in price and increase in availability of first-generation ARV medicines. The price of newer drugs, however, which are likely to be patented, remains much higher. The case of the new formulation of lopinavir/ritonavir which costs as much as $10,000 per patient per year in the United States – the only place it is currently available – illustrates the danger of having only one source for a life-prolonging medicine.

If access to needed drugs depends on the marketing policies of pharmaceutical companies, then the lives of millions of people with HIV/AIDS remain at risk.

Petição Prémio Nobel da Paz para Stephen Lewis

This is a link to a petition asking The Nobel committee to consider Canadian statesman and humanitarian Stephen Lewis for the 2007 Nobel Peace prize.

Stephen Lewis is the UN Secretary General's special envoy for HIV/AIDS in Africa. He is working to obtain drugs for the treatment and prevention of this devastating disease and for financial assistance for those that are left to care for the children of those taken by it.

Stephen Lewis has visited those people. He has wept with the children that have been orphaned by HIV/AIDS. He has consoled and supported the grandmothers that are attempting to rear these children. He has advocated for women's rights ... and for the rights of workers in the sex trade ...and for the provision and use of condoms ... and for medications needed for their treatment. He advocates constantly with tenderness, intelligence and a saintly zeal that is profoundly moving.

Stephen Lewis merits recognition. It would be a benefit not for him but for his cause. This well deserved recognition would put him and Africa in the media spotlight and give added visibility and vigour to this worthy campaign for change in the lives of the poor and marginalised people on the continent of Africa.

We ask the committee to seriously consider Stephen Lewis for the Nobel Peaceprize in 2007.

Please sign this petition ... and share this with all your friends and colleagues.

Propriedade intelectual e saúde

Portugal, através do Alto Comissário para a Saúde, Prof. Pereira Miguel, participará na reunião do 28 de Abril na OMS. Esperamos que Portugal apoie fortemente a resolução do Quénia e do Brasil mas temos sérias dúvidas...

GENEVA Wednesday April 26th 2006

On the occasion of World Intellectual Property Day, Médecins Sans Frontières (MSF) urges governments meeting at the World Health Organization on Friday April 28th to discuss the Commission on Intellectual Property, Innovation and Public Health (CIPIH) report published earlier this month "Commission on Intellectual Property Rights, Innovation and Public Health Public health: innovation and intellectual property rights." WHO: Geneva; 2006. Available from: http://www.who.int/intellectualproperty/documents/thereport/CIPIH23032006.pdf.

MSF wishes to ensure that the report’s analysis on the impact of intellectual property on access to medicines is not lost to follow-up, and that its conclusions and recommendations are acted upon in a determined manner.

The CIPIH report presents a wealth of evidence in support of the view that the current system of drug development, because of its reliance on patents and commercial incentives for the priority setting and financing of medical research and development (R&D), is fundamentally flawed. The system leaves huge health needs unmet.

As an international humanitarian organisation, Médecins Sans Frontières is well placed to see how these shortcomings hit people in developing countries hardest, particularly those patients suffering from neglected diseases for which diagnostic,treatment, or prevention tools are lacking.

The report concludes that intellectual property (IP) is irrelevant in stimulating innovation for many of the diseases affecting people in developing countries, where patients have limited purchasing power.

Further, the report draws attention to the fact that patents can actually hamper innovation, by blocking follow-on research or access to research tools. It also points out that even in regions with strong IP, innovation results are declining. In the USA for example, medical R&D spending has doubled between 1995 and 2002, while the registration of new products has declined, as well as the therapeutic significance of products reaching the market.

Crucially, the report also warns against trade agreements that include excessive IP protection –so-called “TRIPS plus” measures - “that may reduce access to medicines in developing countries”, and analyses the various tools at governments’ disposal, such as compulsory licensing, to counter this crisis of access to medicines.

The CIPIH report clearly signals that innovation is meaningless if the people who need it do not have access to it,” said Ellen ‘t Hoen, Director of Policy and Advocacy at MSF’s Campaign for Access to Essential Medicines. “One message that comes through loud and clear from the report is that governments have to be proactive and ensure that health R&D does meet the needs of patients, and that newly developed products are accessible and affordable to those that need them”. Only with comprehensive reform of the current system for R&D for essential health tool will that be possible.

The WHO meeting on April 28th provides a first opportunity to do this, as a group of Member States will be discussing the CIPIH report and how to build on its recommendations and conclusions.

One immediate way to ensure that the work of the CIPIH will have solid follow-up is for governments and WHO to promote the proposals made by Kenya and Brazil for a “Global Framework for Essential Health R&D”.

The proposal, submitted to the WHO Executive Board in January, will be debated at the World Health Assembly in May. It calls on WHO to facilitate talks between interested governments, on establishing new international mechanisms that ensure that medical R&D is driven by health needs, and delivers products that are appropriate, affordable and accessible.

Such time bound discussions are necessary if governments are serious about acting on their responsibility to ensure greater access to medical innovations for all.

Sugar Baby Love

Clip a não perder!

quarta-feira, abril 26, 2006

Fundo Global: "Round 6 Now!"

Llamado a las Comunidades para la Ronda Sexta en la 13va Reunion del Consejo Directivo del Fondo Global en Ginebra, Suiza.

“Esperando que se cumplan las promesas... esperando por tratamientos... esperando mientras morimos”

Nosotros, como la delegacion de las comunidades de mas de 50 millones de personas en extrema necesidad de los recursos que salvan nuestras vidas provistos por el Fondo Global para la lucha contra el SIDA, la TB y la Malaria, llamamos para que se realice el lanzamiento de la sexta ronda y esto se decida en la proxima 13va reunion de la junta.

Nuestras bases estan profundamente preocupadas con la falta de entusiasmo demostrado por algunos de los paises donantes, representados en la junta del fondo global, de cumplir sus compromisos economicos tendientes a honrar las metas acordadas internacionalmente (Metas del Milenio y UNGASS) y no cumpliendo el compromiso asumido de asegurar al menos una ronda al anio.

Nosotros compartimos los miedos de las personas de los paises a los que se sugirio re-aplicar luego de las propuestas no aprobadas del 2005 y que mas retrasos significaran sufrimiento y muertes evitables. Nuestras bases estan llenas de ansiedad que los nuevos recursos no solo seran demorados hasta el ano 2007/8, sino que las subvenciones que estan por concluir y deben ser reenviadas pronto estaran tambien afectadas por esta decision.

Hacemos este llamado por la Sexta Ronda porque el futuro de millones de huerfanos y ninios vulnerables estan en juego, hasta ahora los recursos del fondo han sido utilizados para proveer apoyo social, medico y educativo aproximadamente a 400.000 huerfanos. Esto ha hecho un cambio dramatico en las vidas de estos ninios y otros ninios vulnerables que necesitan desesperadamente los mismos cuidados.

Luego de 5 anios productivos, el Fondo Global se ha transformado en un “faro” de esperanza e inspiracion. El hasta ahora, desarrollo sostenido y ampliacion de cobertura logrado se perderia junto con el retraso de la ronda seis.

Seis millones de nosotros mueren todos los anos de las tres enfermedades. Mas demora en el anuncio dela proxima ronda es inmoral e inaceptable.

La Delegacion de Comunidades urge al Consejo Directivo que anuncie el Llamado a la Ronda Sexta, Ahora!!

Registrese en apoyo, envie su nombre y pais a: info@community-delegation.org

Acesso Universal?

What is "Universal Access"?

Universal Access is the idea that everyone has a right to the prevention, care, support and treatment related to HIV and AIDS. The term was coined at the G8 Summit at Gleneagles in 2005 when the G8 leaders pledged $50 billion towards AIDS and agreed that "[we will work to] significantly reduce HIV infections and, working with WHO, UNAIDS and other international bodies to develop and implement a package for HIV prevention, treatment and care, with the aim of as close as possible to universal access to treatment for all those who need it by 2010." $25 billion of this money was pledged to Africa.

Since the G8 met, many people have been talking about the next phase of AIDS activism. There is consensus that the world must now focus on scaling up towards Universal Access. Civil society organisations agree with the broad principle of Universal Access " that all people in the world must have access to health, education, clean water, shelter and a range of other services."

However, it is also clear that Universal Access will only be achieved if leaders agree on specific targets to measure progress towards universal access. It has been suggested that targets should be developed at a national level.

However, many civil society groups do not want governments to set targets
a) without their involvement and;
b) without a broad global goal to guide them.

Therefore civil society groups want 10 million people to be on treatment by 2010. These groups also want to ensure access to Prevention of Mother to Child Transmission (PMTCT) programmes for all pregnant women living with AIDS by 2010.

terça-feira, abril 25, 2006

O genocídio

The Huffington Post 24.04.06

Peter Rost, M.D., former Vice President for the drug company Pfizer became well known in 2004 when he emerged as the first drug company executive to speak out in favor of reimportation of drugs.

The White House. The Drug Industry. Genocide.

Peter Rost
April 24, 2006
Huffington Post

I'll start off giving you some background. A few years ago I attended a closed meeting with consultants for Ernst & Young. They told the gathered drug executives that the industry was in trouble. Ernst & Young had added together the sales forecasts the drug industry had given to Wall Street and they told us, "if you are going to meet those numbers, you need twice as many drugs as you have in your pipeline. Your stock is going to tank during the next ten years." Of course, no drug executive ever told Wall Street and their investors about this data.

Today, the prediction has come true. Drug company stocks have tumbled. The biggest drug company, Pfizer, has lost 40% of its value in the last five years. Revenue for the first quarter in 2006 came in at $12.7 billion, down 3% from the first quarter of 2005. Growth suddenly went "poof."

IMS Health, an industry research firm, estimates prescription drugs worth $121.5 billion will come off patent between 2006 and 2011. That's half of U.S. drug sales. So the drug industry is in a panic, because they don't have enough new drugs to fill the gap. The CEO's are trying to sound optimistic, to pump up their stock options, but they know that the "perfect storm" is coming. The good news for consumers is that drug prices will drop and many more generics will be available at low cost.

So what's going on here, could the drug industry really be in for a rough ride? And, what is the drug industry doing about this? Simple: Just like a bad student might contemplate cheating, the drug industry plans on big scale cheating.

Number one on the cheat sheet is to stop generics from coming on to themarket. According to the Washington Post, "The brand-name drug industry is aggressively working to keep blockbuster drugs widely used by the elderly from being sold in cheaper generic versions when their patents expire."

"There's an agenda to prevent generics from getting to the market as soon as they could," said Mark Merritt, president of the Pharmaceutical Care Management Association. Pfizer's CEO, Dr. Hank McKinnell, in his book "A Call to Action" is very clear on his objective: He calls for a doubling of drug patent life [page 185] which would result in a drastic reduction of new, low-priced generic drugs. And according the International Herald Tribune, the White House is pushing bilateral and regional trade agreements in which poor countries are forced to enact "superpatents" that prolong U.S. drug makers' monopolies and limit the circumstances under which the patents can be broken.

The International Herald Tribune quotes Pedro Chequer, the head of Brazil's national AIDS program: "If you prevent countries from using generic drugs, you are creating a concrete obstacle to providing access to drugs. You are promoting genocide, because you're killing people."

The trade deals are often negotiated in secret and attract little notice. But they have already been signed with poor countries overwhelmed by AIDS, among them six in Central America. And negotiations are now beginning with several nations that also are overwhelmed by the AIDS virus, from Thailand to five southern African countries, including South Africa and Botswana.

When a life-saving industry cheats, people may die. When the White House, through bullying, helps the cheaters, the result may be genocide, according to a quote in the International Herald Tribune.

segunda-feira, abril 24, 2006

Colóquio Internacional "Tudo sobre Drogas e Saúde Pública nas Prisões"

Organização e Informações:
SOMA Associação Portuguesa Anti-Proibicionista
Travessa do Noronha, 5 - 4º Dto.
1250-169 Lisboa
T/F: 21 395 75 45
e-mail: soma.apa@netvisão.pt


II Reuniões Teórico Práticas

Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Joaquim Urbano

02.Maio.2006 - SIDA
05.Maio.2006 - Zoonoses
12.Maio.2006 - Hepatite

Roche Farmacêutica Química, Lda
Estrada Nacional, 249-1 / 2720-413 Amadora
Tel: 351.21 425 71 30 / Fax: 351.21 425 76 20
E-mail: maria_cecilia.fiens@roche.com


sexta-feira, abril 21, 2006

Novo tratamento contra a malária começa a ser utilizado na próxima semana

Lusa 19.04.06

O Ministério da Saúde de Angola vai apresentar oficialmente quinta-feira um novo tratamento contra a malária, baseado na artimizina, cuja aplicação terá início na próxima semana para combater esta doença, que é a principal causa de morte no país.

"Vamos realizar a cerimónia quinta-feira, no Hospital dos Cajueiros, em Luanda, para que todo o país saiba que temos que abandonar a cloroquina porque há muita resistência e têm ocorrido mortes desnecessárias", afirmou hoje o ministro angolano da Saúde, Sebastião Veloso.
Segundo o ministro, "uma investigação científica realizada em vários hospitais permitiu concluir que há uma resistência do plasmódio (agente transmissor da malária) à cloroquina, que é o medicamento com que se trata actualmente a malária".

Sebastião Veloso especificou que a taxa de resistência ao tratamento com cloroquina chega a atingir 60 por cento em algumas regiões do país, recordando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a mudança de tratamento quando a resistência for superior 25 por cento.

terça-feira, abril 18, 2006

GAT quer que medicamentos experimentais estejam disponíveis aos doentes com VIH/sida

CNSIDA 13.04.06

O Grupo Português de Activistas sobre tratamentos de VIH/sida (GAT) quer que os novos medicamentos anti-retrovíricos estejam mais depressa disponíveis aos doentes, mesmo antes da autorização de comercialização.

O tema foi debatido esta semana nas primeiras jornadas terapêuticas do GAT, que decorreu em Lisboa, tendo sido feita alguma pressão para que o tempo para autorização de comercialização dos medicamentos experimentais seja acelerado.

No mesmo encontro foram ainda discutidas questões sobre a falência terapêutica.

OMS tem novo dirigente para a área da infecção VIH/sida

CNSIDA 17.04.06

A pasta relativa à infecção VIH/sida na Organização Mundial de Saúde (OMS) tem um novo dirigente. O Dr. Kevin de Cock é belga, especialista em doenças infecciosas e tomou posse recentemente para gerir o trabalho da Organização Mundial de Saúde na área da infecção VIH/sida, bem como auxiliar os países em desenvolvimento a melhorar a prevenção, tratamento e rede de cuidados.

Depois de seis anos como director do U.S. Centers for disease Control and Prevention (CDC) no Quénia, o Dr. de Cock foi a pessoa escolhida, atendendo à sua vasta experiência na área da infecção VIH/sida, tuberculose e doenças tropicais, como a febre amarela.

O Dr. Kevin de Cock participou já vários comités científicos e inclusivamente na estratégia da OMS para a infecção VIH/sida, participou também no grupo de trabalho que elaborou a estratégia de controlo da tuberculose, bem como deu relevantes contributos na elaboração de dados e monitorização na ONUSIDA.

segunda-feira, abril 17, 2006

O que fazer quando dá aquela vontade de comer doce

Saber viver 17.04.06

De repente, bate aquela vontade irresistível de devorar um doce. Essa sensação não surge do nada e deve ser tratada com atenção. O açúcar é muito perigoso para pessoas que têm altos índices de triglicerídeos no sangue, que é o caso de alguns seropositivos. Por outro lado, fazer dieta frequentemente, sem orientação de um nutricionista, pode deixar o organismo “sedento” por um docinho.

Especialista em atendimento a seropositivos, a nutricionista Marlete Pereira, do Hospital Clementino Fraga Filho (UFRJ) - BR, explica que essa vontade de comer doce pode estar associada também à falta do mineral boro, considerado uma fonte de energia física e fundamental para o desenvolvimento dos ossos. O boro pode ser encontrado em leguminosas (feijões, soja, ervilhas etc) e em frutas como maçã, pêra, figo e uva.

Maneiras de saciar esse desejo
Uma maneira de saciar o desejo por um “docinho”, sugerida pela nutricionista, é consumir frutas secas, que também são capazes de nutrir o organismo: “Além de doces e gostosas, essas frutas fornecem vitaminas e minerais, repondo a energia do organismo rapidamente. Sugiro ameixa e damasco, para quem não estiver com diarréia, e passas, banana passa e figo. Elas são práticas até no armazenamento, dispensando refrigeração, e ainda fazem muito bem à saúde, evitando o envelhecimento precoce. Mas nunca deixe essas frutas guardadas na bolsa por mais de um dia. Elas podem dar fungos”, aconselha a especialista.

sexta-feira, abril 14, 2006

Jovens pedem a "Nino" Vieira que seja "ponta-de-lança" no combate à SIDA

Lusa 13.04.06

A juventude da comunidade lusófona pediu hoje ao chefe de Estado guineense que seja o "ponta-de-lança" no combate ao vírus HIV/SIDA junto dos seus homólogos a Comunidade de Países de Língua Portuguesa CPLP).

O pedido a João Bernardo "Nino" Vieira foi transmitido por Carla Diogo, presidente do Fórum da Juventude da CPLP, que hoje encerrou, em Bissau, a primeira conferência da organização dedicada sobre o SIDA.

A também presidente do Conselho Nacional de Juventude (CNJ) apelou a "Nino" Vieira para transmitir a preocupação da juventude lusófona aos restantes chefes de Estado da CPLP que no próximo mês de Julho se reúnem em cimeira na capital guineense.

Na ocasião, Carla Diogo prometeu que a juventude da CPLP não só estará atenta às decisões que os chefes de Estado irão tomar a favor da questão do HIV/SIDA, mas também vai entregar as resoluções saídas da primeira conferência que hoje terminou.

Durante três dias (10 a 13) cerca de 130 jovens guineenses, cabo-verdianos, angolanos, portugueses, são-tomenses e moçambicanos debateram, no Centro Cultural Franco Guineense, a problemática do HIV/SIDA ao nível dos países da CPLP, com particular enfoque nas acções de combate que estão a ser levados a cabo em cada Estado membro.

O Brasil e o Timor-leste não se fizeram representar na cimeira por razoes que a organização disse desconhecer.

O momento marcante do encerramento foi o discurso do jovem Pedro M., portador do HIV/SIDA, que em nome da Associação Nova Vida (da Igreja Católica) enalteceu a importância da abordagem da doença ao nível da organização da juventude dos países de expressão oficial portuguesa.
O jovem pediu que a CPLP e outras organizações ajudem os infectados com a doença e solicitou apoios para a divulgação dos riscos de contaminação do vírus.

Por seu lado, o representante residente da CPLP, o brasileiro Carlos Moura, sublinhou a iniciativa dos jovens lusófonos, destacando o facto de durante as abordagens não terem sido defendidos "métodos radicais" de combate ou prevenção do HIV/SIDA.

O presidente "Nino" Vieira não respondeu ao repto dos jovens, mas frisou ser um "combatente pela lusofonia". Destacou, por outro lado, que foi e será duplamente honroso o facto de a Guiné-Bissau ser palco da primeira conferência da juventude lusófona sobre o SIDA num ano em que o país vai ser palco da cimeira de chefes de Estado e de governos da CPLP.

OMS pede que prevenção da SIDA seja "uma realidade" em Angola

Lusa 13.04.06

A representante da Organização Mundial de Saúde (OMS) em Angola, Fatoumata Diallo, apelou hoje aos angolanos para que façam da prevenção da SIDA uma "realidade" no país e não apenas uma "mera afirmação".

"Somos todos chamados a fazer com que a prevenção da SIDA não seja uma mera afirmação, mas uma realidade no país", afirmou Fatoumata Diallo, no discurso que proferiu em Luanda na cerimónia que assinalou a declaração de 2006 como o ano da aceleração dos esforços de prevenção da SIDA em todo o continente africano.

Para a representante da OMS em Angola, é também necessário que "os centros de aconselhamento e testagem voluntária se tornem uma realidade a curto prazo". Fatoumata Diallo apelou ainda ao Governo, à sociedade civil, aos parceiros nacionais e internacionais e à população em geral para que dê "todo o apoio necessário ao Ministério da Saúde para a prevenção da SIDA".

Para a representante da OMS em Angola, existem cinco tarefas básicas para a prevenção da doença, entre as quais "a melhoria do diálogo e dos mecanismos de coordenação entre parceiros para optimizar recurssos e obter resultados mais tangíveis".

O reforço da resposta institucional de promoção da saúde e o aumento dos esforços de prevenção no contexto epidemiológico, cultural e sócio económico do país foram outras medidas consideradas necessárias para melhorar os níveis de prevenção.

Este objectivo passa ainda pela melhoria da resposta social, através da criação de capacidades comunitárias, envolvendo organizações não governamentais, pessoas portadoras do VIH/SIDA, associações de juventude, organizações religiosas e a comunicação social, e pela promoção da investigação no domínio da prevenção da SIDA.

Em declarações aos jornalistas à margem da cerimónia, Lúcia Furtado, directora-geral adjunta do Instituto Nacional de Luta contra a SIDA (INLS), afirmou ter começado em Setembro a aplicação de um plano estratégico para acelerar a prevenção da doença, que começou em Setembro.

"Temos três grandes objectivos no plano estratégico nacional para o período 2003/2008 que consistem na redução do crescimento da epidemia, através do corte da transmissão vertical, o tratamento com antiretrovirais e a prestação de cuidados paliativos e apoio às pessoas infectadas", afirmou.

Lúcia Furtado assegurou que, "numa primeira fase, até Setembro deste ano, todas as capitais provinciais terão uma unidade sanitária de referência para tratar as pessoas com SIDA", acrescentando que, posteriormente, serão também dotadas as sedes municipais.

A capital angolana, Luanda, dispõe de sete unidades sanitárias para pessoas infectados com o vírus, enquanto a cidade de Benguela tem duas.
Lúcia Furtado salientou a especial situação da província do Cunene, no sul do país, que passou de uma taxa de prevalência de nove por cento em 2004 para 10,4 por cento em 2005.

Para esta responsável sanitária, o alastramento da epidemia naquela região do país está relacionado com a sua localização geográfica, junto à fronteira com a Namíbia, país que tem uma taxa de prevalência da SIDA de cerca de 20 por cento.

"Outra razão é o nível de pobreza que aquelas populações enfrentam, o que as leva a fazer quase tudo para sobreviver, incluindo a prática de sexo não seguro", acrescentou, salientando, por outro lado, a existência de "tabus e mitos tradicionais" que contribuem para o alastramento da doença.

Os últimos dados oficiais divulgados em Luanda referem que foram registados em Angola mais de 19 mil casos de SIDA desde 1985, altura em que foi registado o primeiro caso no país. Os casos existem em todo o território, mas as províncias mais afectadas são Cabinda, Cunene, Lunda Norte, Lunda Sul, Uíge e Cuando Cubango, que fazem fronteira com países onde existe um elevado nível de prevalência da doença.

A província de Luanda também apresenta um dos níveis mais elevados de prevalência da SIDA em Angola, devido às suas características especiais enquanto capital do país.

No início de Novembro, a ONUSIDA, agência das Nações Unidas para o combate à doença, admitiu que a SIDA poderá ser responsável, em 2010, pela existência de mais de 330 mil crianças órfãs em Angola.

As autoridades angolanas estimam que perto de cinco por cento dos cerca de 13 milhões de angolanos que vivem no país estejam infectados com o vírus da SIDA, sendo o combate à doença uma das prioridades nacionais em termos de saúde pública.

Angola possui a mais baixa taxa de prevalência de SIDA entre os países da região da África Austral, mas vários responsáveis do sistema das Nações Unidas têm vindo a alertar para a necessidade de adoptar medidas que permitam aproveitar esta situação para combater o alastramento da doença.

Governo moçambicano reconhece fracasso no combate à Sida

Lusa 13.04.06

O Conselho Nacional de Combate à Sida de Moçambique reconheceu quarta-feira o fracasso no combate à doença no país apesar da gigantesca mobilização de fundos nacionais e internacionais.

Falando no acto de entrega de um montante de 364.000 euros ao ministro do Interior, José Pacheco, para o reforço do combate à Sida na polícia, a secretária executiva do CNCS afirmou que, apesar da injecção de milhões de dólares, o país não conseguiu conter a propagação da doença.

Segundo Joana Mangueira, a gigantesca mobilização de fundos nacionais e internacionais contra o HIV/SIDA não impediu que a prevalência desta doença disparasse de cerca de 14 por cento para 16,2 por cento, em 2005.

Para este ano, o CNCS prevê necessidades orçadas em cerca 12,4 milhões de euros para o combate à doença, uma verba quase igual à despendida pelo mesmo organismo em 2005.

O reconhecimento do fracasso no combate a uma das doenças que mais mata em Moçambique por parte do órgão do governo que coordena a luta contra a Sida corrobora críticas anteriormente feitas por vários doadores internacionais sobre a ineficácia das acções do executivo nessa matéria.

Referindo-se ao apoio concedido ao Ministério do Interior, a secretária executiva do CNCS indicou que o dinheiro destina-se aos polícias infectados, crianças órfãos de agentes vitimados pela doença e outros quadros do Ministério do Interior.

Segundo o ministro José Pacheco, a sua corporação perdeu no ano passado 416 polícias e 52 técnicos, devido à Sida, "uma situação que se tem reflectido de forma negativa na instituição".

"É evidente que com a perda de efectivos e com o estado de saúde debilitado de outros, a nossa missão de garantir a ordem e a tranquilidade públicas fica afectada, exigindo um maior esforço da grande maioria dos funcionários e agentes da polícia", disse.

quarta-feira, abril 12, 2006

Bases e recomendações para o relatório da ONUSIDA sobre Acesso Universal

Tradução: Clarissa Carvalho /GESTOS- Soropositividade, Comunicação e Gênero

14 de Março de 2006

Delegação da Sociedade Civil para o Global Steering Committee sobre acesso universal

1. Direitos Humanos

1.1 De acordo com a Declaração de Compromisso de 2001, países irão revisar e assegurar a implementação de legislação e políticas públicas existentes e, quando necessário, promover legislação adicional e políticas públicas– e estabelecer mecanismos coercitivos eficazes – que apóiem a igualdade de gênero e a não-discriminação observando as pessoas que vivem e/ou convivem com HIV/AIDS, assim como aqueles/as que são particularmente vulneráveis à infecção do HIV, incluindo homens que têm sexo com homens, trabalhadores/as sexuais, usuários/as de drogas injetáveis, prisioneiros/as e migrantes, e facilitar a prevenção, cuidado e tratamento, até Dezembro de 2007.

a. O Fundo Global, o Banco Mundial e outros doadores - com assistência técnica da sociedade civil – aumentarão os fundos para programas de eliminação do estigma e da discriminação, incluindo campanhas de mobilização social em níveis nacional, destritais e comunitários, até Dezembro de 2006.

b. Os Estados promulgarão e reforçarão reformas legais para proteger PVHA e outras populações marginalizadas (em particular trabalhadores/as do sexo, usuários/as de drogas injetáveis, homens que têm sexo com outros homens, jovens, órfãos e crianças em situação de vulnerabilidade, migrantes e prisioneiros/as) de discriminação, -- estenderão proteção para profissionais outreach provendo serviços em HIV/AIDS (por exemplo, agulhas limpas ou descartaveis, camisinhas, metadona, etc.) e respeito e advogados de defesa para os direitos das PVHA e dos grupos mais vulneráveis.

c. Estados irão avançar na execução e reforço dos direitos das mulheres quanto à propriedade e herança, e criminalizar violência doméstica, agressões sexual e práticas tradicionais danosas , as quais acarretam em maior vulnerabilidade à infecção do HIV e impedem o acesso à prevenção, cuidado e tratamento.

d. Estados irão eliminar políticas e práticas que impedem o acesso universal à prevenção, cuidado e tratamento, incluindo aquelas que discriminam na base da moradia/cidadania, idade, gênero, comportamento de risco, e raça/etnia.

1.2 Um/a –Relator/a- Especial em HIV e Direitos Humanos será nomeado/a e empossado/a (incluindo salário e equipe) sobre os auspícios do novo ConselhoDireitos Humanos das Nações Unidas.

a. O/a Relator/a Especial irá trabalhar com os estados, sociedade civil, governos regionais, e agências da ONU para promover o respeito aos direitos humanos como o princípio central dos programas de HIV/AIDS.

b. O/a Relator/a irá, em particular, se engajar no exame de “gênero e a epidemia da AIDS” e assegurar a inclusão de PVHA, mulheres e pessoas socialmente marginalizadas – incluindo pessoas usuárias de drogas, trabalhadores/as sexuais, transgêneros, HSH, e migrantes – em ações de revisão nacional e internacional.

c. Entre outros esforços, o/a Relator/a Especial irá investigar as necessidades de prevenção, cuidado e tratamento de prisioneiros/as como população que é amplamente negligenciada, e irá contribuir para análise baseada nos direitos humanos e recomendações sobre os direitos de todas populações que incluem as informações e serviços sobre HIV para vários espaços das Nações Unidas e outros ( por exemplo, o UNGASS - Drogas em 2008).

d. Os Estados irão monitorar e reportar os progressos quanto à realização dos compromissos acordados na Declaração de Compromissos da UNGASS com atenção especial à eliminação de discriminação contra pessoas que vivem e/ou convivem com HIV/AIDS e relembrando a Recomendação nº 1 acima, e irá submeter um relatório anual para esse/a Relator/a Especial sobre HIV/AIDS no que tange o progresso conseguido para concretização desse objetivo.

e. A preparação do relatório anual mencionado acima será apresentado como uma checklist contra os compromissos dos governos e progressos sobre reformas legais chave e sobre o realização de leis e proteções anti-discriminação, ao mesmo tempo que identificará barreiras atuais ao acesso universal. O relatório deve ser preparado com a participação direta e ativa de PVHA, pessoas que são particularmente vulneráveis à infecção do HIV, e sociedade civil.

1.3 Os países irão promover, através de campanhas nacionais, o direito de cada pessoa a saber o seu status sorológico, a ter informações básicas sobre HIV e AIDS, e a ter teste de HIV, aconselhamento e serviços relacionados prontamente disponíveis e acessíveis à eles/as. A expansão de programas de testagem de HIV deve permanecer voluntário, não mandatório, e incluir aconselhamento, consentimento e confidencialidade.

a. Os países irão estabelecer programas de testagem de HIV e um ambiente social e legal, incluindo serviços legais na comunidade, os quais apóiem e sejam seguros para testagem e descoberta do status sorológico, incluindo programas específicos para mulheres, pessoas que são vulneráveis à infecção do HIV e seus/suas parceiros/as, e que seja interligado com outros serviços relativos à AIDS.

1.4 Os Estados irão se comprometer com o direito das PVHA, e pessoas vulneráveis ao HIV/AIDS a ter acesso a serviços em HIV/AIDS. Serviços em HIV/AIDS incluem não somente tratamento anti-retrovirais e testagem de HIV, mas também tratamento para infecções oportunistas, Tuberculose, hepatite C e DST, e todos os serviços de prevenção incluindo PMTCT, acesso a preservativos e equipamentos injetáveis limpos, informação e educação e profilaxia pós-exposição.

1.5 Estados irão endossar, e incluir em seus programas nacionais de AIDS, a revisão do International Guidelines on HIV and AIDS and Human Rights (OHCR/UNAIDS).

2. Populações

2.1. Todo programa nacional de AIDS crível e sustentável deve incluir um consistente planejamento de política pública que inclua:

a. o compromisso de fortalecer o fornecimento em nível comunitário de prevenção, cuidado e apoio, incluindo medidas eszpeciais que possibilitem “task shifting” (e.g. prescrição de drogas, testagem de HIV e consulta, comunicação para mudança de comportamento para enfermeiros/as educadores/as, trabalhadores/as comunitários e sociedade civil. Incluindo pessoas que vivem com HIV.

b. um compromisso pelos países que enfrentam severo déficit de recursos humanos para adaptar alternativas e simplificar e padronizar modelos, e promulgar leis e regulamentos assegurando que profissionais do setor de saúde e social possam tomar paras si as máximas responsabilidades pelo fornecimento de serviços de AIDS para comunidades dentro de suas competências, até Dezembro de 2006.

c. o desenvolvimento de novos grupos de trabalhadores de saúde da comunidade, delineados pela rede da sociedade civil, como também locais mais tradicionais de cuidados de saúde, ser apoiados com treinamento e remuneração apropriadas.

d. um compromisso pelo Fundo Global, Banco Mundial, e outros doadores e governos nacionais para melhorar os salários, moradia, benefícios e condições de trabalho onde for necessário para ajudar a segurar e motivar a equipe de trabalho do setor de saúde e de serviços sociais, educadores e trabalhadores comunitários que provêm os serviços em AIDS.

2.2 Promover a integração entre os Programas de HIV com outros serviços, incluindo compromissos para:
a. a integração de programas de HIV com serviços de saúde sexual e reprodutiva para aumentar o acesso das mulheres aos serviços de HIV, enquanto são atendidas pelos serviços de saúde sexual e reprodutiva.
b. a integração de tuberculose, hepatite C e outras co-infecções para o tratamento, cuidado e apoio do HIV.
c. a integração do tratamento e cuidado do HIV com serviços básicos de saúde, particularmente em países com epidemias generalizadas.
d. a integração dos programas de tratamento e prevenção de HIV.
e. sociedade civil, incluindo, mas não limitada às pessoas vivendo com HIV/AIDS e representantes de grupos vulneráveis, deve estar centralmente envolvida no planejamento e delineamento dos programas nacionais de AIDS, na implementação e realização desses serviços, advocacy, e monitoramento e avaliação. Os representantes da sociedade civil devem ser selecionados através de um processo de consulta às bases, democrático e transparente.

· Números de PVHA, representantes de grupos vulneráveis em lugares estratégicos de tomada de decisão, envolvidos nos delineamento e implementação dos programas.
· Até 2008, todos os países devem iniciar uma revisão independente e externa e uma avaliação do envolvimento da sociedade civil na tomada de decisão e na administração e efetivação dos programas de AIDS.

3. Recursos Financeiros

3.1 Doadores internacionais definirão mecanismos flexíveis e sustentáveis de financiamento até Dezembro de 2006 para prover diretamente suporte técnico e financeiro para a sociedade civil prover os serviços às comunidades, e estar envolvida na formulação de estratégias contra a AIDS, monitorando atuações incluindo alocações de recursos e despesas.

3.2 Para o Fundo Monetário Internacional estabelecer, até Dezembro de 2006, um programa para trabalhar com países de baixo e médio rendimento a fim de apoiar os governos nacionais a adotarem mais políticas fiscal e monetária expansionistas, assim os gastos com serviços em AIDS podem aumentar. Essas necessidades devem ser acompanhadas e apoiadas por um diálogo transparente entre doadores, governos e sociedade civil.

3.3. Os países devem estabelecer um processo inclusivo e transparente para gerenciamento financeiro público e acompanhamento de gastos em todos os níveis, incluindo PRSP/ desenvolvimento de planos; FMI e encontros ministeriais; orçamentos (nacional e setoriais and sectoral); gastos/implementação (incluindo distribuição dos recursos para distritos e níveis locais); verificação de demandas – serviços de distribuição e impacto.

3.4 UNAIDS deve facilitar um processo externo e independente, envolvendo todos os tomadores/as de decisões, desenvolver um critério e um mecanismo de vigilância para definir a credibilidade e sustentabilidade dos programas nacionais de AIDS, até Setembro de 2006.

3.5 Os governos nacionais devem assegurar que o acesso a um pacote de serviços relacionados à HIV/AIDS não seja dependente da capacidade de pagar. Em particular, taxas de usuários – incluindo, mas não limitado à, co-pagamento para ARV e taxas escolares – devem ser eliminadas quando esses tiverem o potencial de limitar o acesso a tais serviços.

3.6 Governos nacionais devem prover, e doadores apoiarem, medidas de proteção social que suavizam alguns dos impactos econômicos da AIDS nos indivíduos, famílias e vizinhança. Medidas de proteção social incluem pagamentos em dinheiro para pessoas que cuidam de órfãos, pagamentos em dinheiro para cuidado nutricional e custos de transporte para atendimento nas clínicas de saúde, e pagamento de taxas escolares e outros custos associados à educação.

3.7 O tamanho da lacuna dos recursos globais para AIDS devem ser reduzidos para 50% até 2008, e para 100% até 2010. Em particular, o Fundo Global deve ser apoiado para permitir o lançamento e a aprovação de uma novo rodada de propostas até o fim de 2006 e nova rodada de propostas em 2007 até 2010.

4. Comércio e commodities

4.1 OMS/UNAIDS- em consulta com a sociedade civil, governos nacionais e doadores internacionais – definir até Setembro de 2006 um pacote essencial de commodities de AIDS, como medicamentos anti-retrovirais ( para tratamento e prevenção da infecção do HIV); drogas para tratar e prevenir infecções oportunistas, DSTs e co-infecções; kits de testagem de HIV e outras tecnologias de diagnóstico; substituto de leite materno; camisinhas femininas e masculinas, e ; equipamentos injetáveis limpos. UNAIDS deverá compilar as demandas nacionais, regionais e globais estimadas para essas commodities até Dezembro de 2006.

4.2 Um compromisso dos países em desenvolvimento de empregar as flexibilidades oferecidas pelo Acordo TRIPS para assegurar o acesso sustentável ao fornecimento de medicamentos caros e outras tecnologias de saúde essenciais. Países desenvolvidos devem ceder e desistir de impugnar esses países que procuram utilizar essas medidas. A OMS deve desenvolver um guia operacional para assistir países na implementação desses compromissos.

4.3 Países e doadores devem remover leis que restringem ou criminalizam o uso ou a promoção das commodities e serviços contra o HIV incluindo, mas não limitado à, camisinhas, equipamentos injetáveis seguros, e terapias substitutas.

4.4 Os países devem reformar suas legislações e regulamentos quando necessário, para que a pré-qualificação da OMS permita aprovação para comercialização temporária ou ínterim possibilitando o imediato acesso a medicamentos de HIV salva-vidas prioritariamente ao completo registro pelas autoridades nacionais reguladoras de medicamentos, até Dezembro de 2006.

4.5 OMS, UNAIDS e doadores governamentais devem trabalhar com países produtores de genéricos e governos sem capacidade de produção para estabelecer precedentes para o uso de licença compulsória para exportar a primeira e a segunda linha de anti-retrovirais. Além disso, países com baixo e médio rendimentos com capacidade farmacêutica nacional de produção devem ter legislação apropriada e estágios de execução até dezembro de 2006 para encorajar e facilitar a produção local de produtos farmacêuticos genéricos. OMS deve identificar drogas e fixar uma combinação de dosagem que são prioritárias para produção a preços razoáveis e em quantidades suficientes para atingir a necessidade global.

Pedido de Contribuições das ONGs e Activistas na área do VIH/SIDA

RELATÓRIO REGIONAL [Europa]: Pedido de Contribuições das ONGs e Activistas na área do VIH/SIDA

Caros Colegas,

Como é do vosso conhecimento, a ONUSIDA – Programa Conjunto das Nações Unidas para o VIH/SIDA é a Organização que lidera as estratégias de resposta a um nível global face ao VIH/DIDA.

Incluído nas iniciativas para aumentar a participação e voz da sociedade civil, Delegados das cinco regiões [África, Ásia/Pacifico, América Latina/Caribe, Europa e América do Norte] estão presentes no Programa de Coordenação da ONUSIDA.

O Programa de Coordenação da ONUSIDA é um Conselho Consultivo ao mais alto nível composto por representantes de 22 Governos, 10 Agências da ONU e 10 Delegados das ONGs.

Todos os anos os Delegados das ONGs preparam um Relatório Global para ser submetido na Reunião Anual do Programa de Coordenação, que este ano terá lugar nos dias 27 e 28 de Junho de 2006 em Genebra, Suíça.

Trata-se de uma oportunidade estratégica de comunicar a perspectiva da sociedade civil não só aos representantes dos Governos mas também a pessoas chave, ligados às diferentes Agências das Nações Unidas.

O Relatório, tem como objectivo principal transmitir a perspectiva das ONGs da Epidemia VIH/SIDA nas diferentes Regiões, tal apenas poderá ser alcançado com a participação da Comunidade.

Pedimos que disponibilizem um pouco do vosso tempo e procurem responder às questões apresentadas em baixo. Poderão responder em inglês ou em português se assim se sentirem mais confortáveis (poderei efectuar a tradução posteriormente).

Devido ao pouco tempo, gostaria que as respostas fossem enviadas até 18 de Abril, para: paulojvieira@gmail.com. Desta forma teremos algum tempo de trabalhar o documento e apresentá-lo para comentários antes da versão final.

Aguardo pelos contributos sobre a situação em Portugal.

Encontro-me disponível para o fornecimento de informações adicionais ou esclarecimento de dúvidas que possam surgir.

Até breve,

Paulo Jorge Vieira
E. paulojvieira@gmail.com T. (+351) 966 591 751
NGO Alternate for Europe
Programme Coordinating Board of UNAIDSYouAct – European Youth Network on Sexual and Reproductive Rights www.youact.org


1. Quais são as maiores preocupações na sua comunidade em relação à prevenção do VIH/SIDA, tratamento e prestação de cuidados?

2. Quais são as questões centrais relacionadas com o estigma e a discriminação ligados ao VIH/SIDA?

3. De que forma o actual contexto político Europeu está a afectar o seu trabalho? Que mudanças seriam necessárias?

4. Quais são as questões chave no campo das parcerias, participação e estabilidade relacionadas com o seu trabalho? Por favor, partilhe preocupações ligadas à sustentabilidade, recursos, desenvolvimento e implementação de programas na área do VIH/SIDA.

5. Aproveite este espaço para partilhar assuntos que acredita que não foram cobertos nas questões em cima e que não podem ser excluídos devido à sua pertinência [ é preciso não esquecer que o objectivo deste relatório passa por dar destaque às principais preocupações em cada uma das Regiões de uma forma concisa].

Estudo alerta baixo índice notificações de reacções adversas medicamentos

Lusa 11.04.06

Uma especialista da Faculdade de Medicina do Porto alertou hoje os profissionais de saúde portugueses para os baixos índices de notificação de reacções adversas a medicamentos e defendeu a realização de acções de formação para alterar a situação.

Segundo um estudo elaborado por aquele estabelecimento de ensino, a taxa de notificação de reacções adversas a medicamentos em Portugal é de cerca de metade dos valores alcançados em países como Espanha ou Holanda e um quarto dos registados no Reino Unido e França.

Os resultados da investigação indicam que a indiferença é uma das principais razões por que muitos profissionais de saúde não notificam esse tipo de reacções.

De acordo com o estudo da FMUP, efectuado por Teresa Herdeiro entre 2002 e 2005, a indiferença (presunção de que a notificação não contribui para o conhecimento médico) e a falta de confiança (presunção de que só deve ser notificada uma reacção quando há certeza de uma relação causa-efeito) são as principais razões pelas quais os médicos não notificam as reacções adversas a medicamentos (RAM).

No mesmo estudo constatou-se, porém, que após acções de educação e sensibilização os profissionais de saúde demonstravam um empenho substancialmente maior na notificação das RAM.

Após um conjunto de acções de sensibilização junto de uma amostra de médicos e farmacêuticos seleccionados, constatou-se que a notificação espontânea aumentou 9,7 vezes na primeira categoria profissional e 5,9 vezes na segunda, o que leva Teresa Herdeiro a constatar que "as estratégias evolutivas podem contribuir para melhorar de forma relevante a vigilância das RAM".

Segundo o estudo, as reacções adversas a medicamentos são "um importante e persistente problema de saúde pública em termos de morbilidade, mortalidade e custos" e "a maioria das RAM graves é difícil de detectar nas fases de investigação clínica e pré-comercialização, pelo que a notificação destas reacções pelos profissionais se reveste de maior importância".

"Num momento de recentes retiradas de medicamentos do mercado, que conduziram a uma crise na monitorização da segurança dos medicamentos, é fundamental a participação activa dos profissionais de saúde, através da notificação espontânea das RAM", referem os autores do estudo.

Indústria farmacêutica acusada de fabricar doenças para vender mais

DN 11.04.06

O receio instintivo da morte e da doença está a ser aproveitado pela indústria farmacêutica para aumentar as suas vendas, denuncia um relatório divulgado ontem.

Segundo o estudo de David Henry e Ray Moynilhan, apresentado numa conferência médica que decorre até quarta-feira na Austrália, as grandes empresas são responsáveis por muitas prescrições desnecessárias de medicamentos. Mas, mais grave do que isso, chegam ao ponto de promover tratamentos para doenças cuja existência nem sequer está comprovada.

As consequências destas práticas vão desde o desperdício de recursos financeiros, que poderiam ser utilizados no combate a doenças verdadeiramente graves, a problemas de saúde motivados pelo uso indevido de medicamentos.

Os autores deste trabalho, um médico e um jornalista especializado, denunciam a existência de uma verdadeira teia de influências não oficial, montada entre a indústria farmacêutica e grupos de media e publicidade. A estratégia consiste em criar a necessidade e depois apresentar a solução milagrosa.

"Esta prática é demonstrada muito explicitamente nas campanhas de sensibilização sobre as doenças financiadas pela indústria", indica o relatório publicado na School of Medical Practice and Public Health. "É mais frequente estas serem destinadas a vender medicamentos do que a iluminar, informar ou educar sobre a prevenção de doenças ou a manutenção da saúde".

Entre os exemplos de situações alegadamente empoladas pela indústria conta-se a "síndrome das pernas irrequietas" (RLS). Desde 2003, a multinacional GlaxonSmithKline tem promovido a ideia de que o que muita gente encara como um simples tique nervoso, habitual em situações de tensão, é afinal "uma síndrome comum mas ainda não reconhecida" para a qual, naturalmente, já existe um medicamento: o Ropinorole.

Outra doença dos tempos modernos é a disfunção sexual feminina (FSD). Alguns especialistas descrevem-na como a versão feminina da disfunção eréctil, e garantem que afecta 44% das mulheres, Outros, garantem que as descrições desta condição são, no mínimo, vagas. No entanto, já há empresas a trabalhar na solução.

Mais frequentes, segundo os autores deste estudo, são os diagnósticos errados de doenças verdadeiras , devido às campanhas que convidam os médicos e os consumidores a estarem "atentos" a sinais. Nesta lista incluem-se desde comportamentos normais das crianças, que são confundidos com hiperactividade e perda de atenção, aos problemas erécteis de homens com mais de 40 anos.

Doentes querem usar medicamentos em fase experimental

Enfim, a cobertura mediática das I Jornadas Terapêuticas do GAT é o que é...

SIC Online 10.04.06

As associações de doentes com Sida querem que as novas descobertas de tratamento contra o VIH cheguem mais depressa aos doentes. Para isso, propõem que os que sofrem da doença possam utilizar medicamentos que ainda não são comercializados.

Muitos dos medicamentos destinados a doentes com Sida demoram vários anos a entrar no mercado. Por este motivo, as associações de luta contra o VIH pedem ao Governo e à União Europeia que permitam a utilização de medicamentos que já provaram a sua eficácia clínica mas que aguardam por uma assinatura que os coloque nas farmácias.

Em casos excepcionais já é possível ter acesso a alguns medicamentos em fase experimental, mas a lei não estipula as regras de acesso, o que deixa o processo sujeito a critérios pessoais de médicos e de direcções hospitalares.

Se a proposta das associações de luta contra a Sida avançar, qualquer doente sem mais possibilidades terapêuticas pode recorrer aos produtos que estão em fase experimental.

terça-feira, abril 11, 2006

Global AIDS Week of Action - 20-26 May, 2006

One week. One voice

Want to have a say in how AIDS in your world will be shaped over the next five years?
Join a groundswell of civil society voices from across the world during the week of 20-26 May to demand a stronger response, more accountability and more resources in the fight against HIV/AIDS.

The Global AIDS Week of Action is the single, defining moment for influencing decision-makers before they walk into the halls of UN for the UNGASS Review meeting. They will analyse the small gains, the big losses and make new promises to contain the epidemic. They will decide what the priorities are, and how much money will be spent on what. The Global AIDS Week of Action is the glue for civil society to stand together, generate political pressure and influence decision-makers making choices that affect our lives.

Here's how: Between now and the end of May in your country, it's time for action. There is no global coordinating body, no chief organiser. You choose what action, how and where. And if you come up with bright ideas that work, share them with friends and colleagues in other countries. Here's a sample of choices: Expose what AIDS promises haven't been kept, make a noise about what you think are priority AIDS issues in your country. Ensure that your government delegation understands the concerns and needs of people living with HIV, knows who the marginalised affected groups are and has a list of the most urgent needs of frontline health workers before they catch the plane to New York.

The success of the Global AIDS Week of Action depends entirely on committed people, networks and organisations that recognise the strategic opportunity the week offers. It depends on how we link up internationally while setting in motion our own national plans and advocacy activities during the 20-26th May 2006.

One week that can change the next five years. Let's make a big noise.
If you are ready to take the initiative in your country, send an email to aidsweek@ungasshiv.org and we will add yours to the list of active countries at www.ungasshiv.org

Join the Global AIDS Week of Action
20-26 May, 2006

A global strategic moment
The week of 20-26 May, 2006 offers a key opportunity to express collective alarm at the lack of progress our governments have made in tackling the AIDS epidemic.
Because this week spans the World Health Assembly, the HIV/AIDS UNGASS+5 review and the forthcoming G8 summit, it sets the stage for civil society-led demands/actions in each country, and mobilising a wider coalition against HIV/AIDS.
The week is a great opportunity to influence policy-makers and generate national media attention and coverage of the unique perspectives and priorities of people living with HIV and civil society before national delegations head to New York for the UNGASS review.
It presents the key strategic AIDS advocacy moment of the year.

The aim
At the risk of stating the obvious… the litany of promises to reverse the spread and impact of HIV and AIDS rings hollow against the unrelenting advance of the epidemic throughout the world.
In 2001, world leaders made the most significant and specific political promises on fighting the epidemic when they adopted the Declaration of Commitment (DoC) on HIV/AIDS at a Special Session of the UN General Assembly (UNGASS). Leaders will gather again, from 31 May to 2 June 2006 in New York, to review the progress made on these commitments during the past five years. In 2005, world leaders set another target for themselves: to strive for universal access to treatment, prevention and care by 2010.
The Global AIDS Week of Action is an essential chance to convey our disappointment with government performance against previous commitments and declarations on HIV/AIDS. The time has come for a meaningful, and not a tokenistic, involvement of people living with HIV. Let us demand urgency from world leaders in tackling the epidemic.
The proposal is for each country to bring together a wide coalition of people living with HIV/AIDS, civil society organisations including NGOs, movements and individual people, who would then be inspired to take action and jointly plan national Global AIDS Week of Action activities (see below). The coincidence of several simultaneous national actions makes it a global week of action.

Potential benefits/outcomes
Working together more closely and consistently in each country, and the greater national advocacy coherence and coordination that will result, will help to:
Generate more national pressure and political influence, including on your government's UNGASS participation, position and statement(s);
Generate a larger critical mass/louder voice;
Increase unity and solidarity at this (and future) strategic moments;
Align along non-negotiable HIV & AIDS demands and benchmarks;
Strengthen national HIV & AIDS campaigns and action;
Advocate on controversial issues in `sensitive' countries.
And the various country actions would reflect a unified global mobilisation by:
Helping different countries to focus on similar goals;
Being co-ordinated during the same week throughout the world;
Ensuring that each country knows about what other countries are doing;
Communicating the details of other country actions in any of our meetings/press releases.

How should I start things moving now in my country?
There may already be an effort in your country to hold a consultative meeting of people living with HIV, other relevant movements and organisations to discuss this idea. If not, any group could initiate such a meeting with the aims of building a wide coalition, agreeing on the collective demands for your government and planning action/s to suit your national context.
The specific action(s) chosen in each country are not as important as the process of involving a larger coalition in discussing the realities of turning the tide against HIV/AIDS and clearly communicating to our governments key national priorities and demands, as well as essential roles for civil society in the HIV/AIDS response. Partners will vary from country to country. However, this is an opportunity to involve groups who may not have yet joined the AIDS movement in each country, such as faith-based organisations, women's organisations and trade unions, as well as strengthening existing networks of people living with HIV/AIDS and community groups.

You may wish to consider appointing an organisation/individual to take responsibility for communicating your planned national actions and updates to other countries via the supporting website.

How is the Global AIDS Week of Action being coordinated globally?
In short, it isn't! The success of the Global AIDS Week of Action depends entirely on committed people, networks and organisations recognising the strategic opportunity the week offers. Then, to set in motion their own national plans and advocacy activities during the 20-26th May 2006.
Some support structures are being put in place at a global level, mostly focused on providing systems for sharing information, plans and experiences from one country to another.
It will then be up to each country coalition to make their impact felt at a global level by following three simple steps:

- Sharing/Posting details about their action/s through the supporting website;
- Mention that this action/s are part of a global mobilisation during the Global AIDS Week of Action as part of any public statement or press release or meeting with politicians;
- Use the examples from other countries posted on the supporting website in your own statement/release – mention the range of countries/actions and/or highlighting an action from other countries.

Further information about supporting systems and country plans for the Global AIDS Week of Action will be posted on the www.ungasshiv.org website.

We urge you to share your plans with other countries by ensuring that your activities are listed on the website. Please send details of your actions as well as contact organisations in your country to aidsweek@ungasshiv.org and we will ensure that these are added to the website.
If you have a specific question at this stage, please send it to the above email and we shall try to forward your message to relevant organisations/individuals.

domingo, abril 09, 2006

Sida em Moçambique

É revoltante que não se fala na terrível falta de medicamentos antiretrovirais em Moçambique.

CM 02.04.06

Moçambique é um caso gravíssimo de propagação do VIH/SIDA. Segundo a Igreja Católica, a taxa de infecção é de 30 por cento. Crónica de uma tragédia.

Quando há seis anos escreveu o ‘Pátria Amada’ e espalhou pela partitura as notas que deram melodia a versos como “Moçambique nossa terra gloriosa” – assim começa o hino, Faustino Charruti, então professor na Escola de Cultura de Maputo e um dos mais prometedores compositores de Moçambique –, estava longe de imaginar que em tão curto espaço de tempo seria votado à clausura de quatro paredes pela doença que castiga o sexo sem protecção.

A casa é um rés-do-chão, sem divisórias e com três aberturas, sem portas nem janelas. É em bloco e cimento e sem qualquer revestimento. Começou a fazê-la quando ainda trabalhava e foi a sua sorte, porque assim tem pelo menos um tecto. A maior parte dos que caíram na teia da síndrome da imunodeficiência adquirida vivem na rua ou em barracas imundas, ou camas de degradados sanatórios e indescritíveis hospitais.

Na casa do maestro, na Matola, cidade industrial satélite de Maputo, mal se entra aparece, dando a sensação de ser a única peça de mobiliário, a cama onde o compositor, inactivo, passa quase todas as horas e quase todos os dias. Não é por acaso que faz sempre um apelo, quando aparece alguém por lá, para que lhe arranjem uma televisão, “nem que seja a preto e branco”, de modo a que as horas infinitas de solidão passem mais depressa e pareçam menos sós e menos amargas.

No quintal jaz uma carrinha de 9 lugares, com a frente toda desfeita, ao pé de uma mangueira que já teve melhores dias e folhas mais viçosas. É da seca, porque o clima tem sido padrasto para esta terra e para esta gente. À esquerda, duas capulanas lisas tapam o buraco da latrina.

A única companhia é a mãe, uma senhora na casa dos 70 anos, que passou a viver em função do drama do filho. “Isto aqui não há nada, ele não tem apoio nenhum e se eu não lhe tivesse deitado a mão, ele já tinha morrido à fome”, disse Adélia de Jesus, sem comoção aparente porque, de tanto chorar, “já secaram as lágrimas.”

Os dois voluntários dos ‘Médicos do Mundo’ que, dia sim, dia não o visitam, fazem a mesma pergunta de sempre: “Está melhor, senhor maestro?”, a que ele responde invariavelmente: “Sim, sim, estou muito melhor.” Mas o termómetro não engana e marca 39,2º de febre. Para além disso não tem tomado os medicamentos, pelo que não é de esperar grandes melhoras.

O voluntário João Paulo, que faz dupla com a Francisca, começa a rotineira ‘inspecção’ com a observação da língua. O maestro, que se deixou degradar até ao nível de um qualquer sem-abrigo, é obediente e cooperante.“Eu estou bom, tenho-me sentido muito bem. O que eu queria era mesmo uma televisão”, diz o maestro a todas as interpelações. E jornalistas, coisa rara por estas bandas, arrabaldes profundos da grande metrópole, onde o asfalto ainda não chegou às ruas, são um alvo privilegiado das tentativas, tantas vezes goradas, do maestro: “Se vocês pudessem arranjar-me uma televisão, eu agradecia muito.”

A trabalhar no distrito da Matola desde o ano 2000, com projectos de educação para a saúde e formação de profissionais sanitários, os ‘Médicos do Mundo – Portugal’, iniciaram há três anos, em Fevereiro de 2003, um projecto de cuidados domiciliários para pessoas portadoras de VIH/SIDA, com o objectivo de combater a situação de discriminação e de isolamento social em que vivem os portadores do vírus, em especial as mulheres.

Este projecto tem várias vertentes: proporcionar cuidados paliativos e tratamentos médicos básicos; melhorar as condições nutricionais do doente, através de uma parceria com o Programa Mundial de Alimentação; contribuir com a prevenção, diagnóstico precoce e tratamento de doenças oportunistas (a mais problemática é a tuberculose); capacitar com conhecimentos básicos de saúde os familiares dos portadores de VIH/SIDA, promover a auto-sustentação e dar apoio legal e social.

Em 2005, ao abrigo deste projecto, foram realizadas mais de 7300 visitas domiciliárias aos 244 utentes e seus familiares. A partir deste ano, vai ser dado especial enfoque ao tratamento de grávidas seropositivas e seus filhos. Esta orientação preferencial para as grávidas passa pela introdução da chamada PTV, a prevenção da transmissão vertical.

A enfermeira Nydia Pinzón Fernandes, líder da equipa da Matola, composta por mais de duas dezenas de colaboradores, diz que o projecto “destinava-se ao apoio domiciliário de 150 pessoas. Só que os casos são tantos que, quando ainda estamos a meio, já temos uma lista de 244.” O facto de, para além da questão da saúde, este projecto possuir uma forte componente social, nomeadamente o apoio alimentar, faz com que tenha uma procura fora do vulgar.

“Normalmente as pessoas tendem a fugir aos tratamentos e a tudo o que diga respeito à saúde. Muitas vezes até preservativos recusam. Mas como, graças à colaboração do Programa Mundial da Alimentação, damos apoio alimentar, através do fornecimento gratuito de vários produtos essenciais, temos uma enorme lista de espera”, disse a enfermeira Nydia Fernandes.

Aliás, afirma esta responsável, “depois de integrarem o projecto, as pessoas não querem ter alta. Já temos dado várias altas porque temos de abrir vagas para os casos mais graves, mas é sempre uma batalha muito difícil, já que as pessoas não têm emprego nem dinheiro e sabem que, tendo alta, vão deixar de usufruir do apoio alimentar.”

Para o coordenador dos ‘Médicos do Mundo’ em Moçambique, Aurélio Floriano “a extrema pobreza que afecta a esmagadora maioria do povo moçambicano é o principal entrave no combate ao VIH/SIDA.”

Um dos aspectos mais curiosos deste projecto é o apoio ao cultivo, em pequenas machambas (hortas junto às casas), de vários frutos e legumes, com o objectivo de promover a ocupação do doente e, ao mesmo tempo, ajudar à sua subsistência.

Francisco Luís tem 49 anos, vive sozinho e está, há cerca de um ano, a ser acompanhado pela equipa dos Médicos do Mundo da Matola. Atirado para a desgraça pelas invisíveis teias da sida, já lá vão cinco anos, este pedreiro pesou várias vezes em desistir e pôr termo à vida.

Doente, sem família e afogado pela bebida, Francisco Luís era o antónimo da esperança. Até que um vizinho contou o seu caso aos Médicos do Mundo e tudo mudou. “Eles chegaram cá e perguntaram se eu não queria fazer uma plantação de feijão verde, cenoura, alface e beringela aqui mesmo em frente à minha casa. Fazer uma machamba. Eu apenas ri porque não tinha dinheiro nem para comprar uma sachola. Aí, eles disseram que davam tudo, até as plantas e o adubo; eu só tinha de fazer o trabalho e sujeitar-me aos tratamentos médicos. Não foi fácil porque estava muito mal, fisicamente, mas a força de vontade foi superior e hoje estou muito contente”, contou à nossa reportagem este novo agricultor da Matola. E a verdade é que Francisco Luís é, por assim dizer, um caso de sucesso. A doença está controlada (ele toma, com rigor, os medicamentos contra as oportunistas) e a pequena horta devolveu-lhe a alegria de viver. E até já lhe permitiu ganhar algum dinheiro, com a venda de vinte molhos de cenouras.

“Vinte contos (vinte mil meticais, o que dá cerca de 80 cêntimos). Não é muito dinheiro, mas já dá uma ajuda”, afirma Francisco Luís, reforçando a convicção de que “o caminho é para a frente.” Só no distrito da Matola, os Médicos do Mundo apoiam 30 pequenas hortas como a de Francisco Luís. E em cada machamba há uma nova esperança.

O problema é que nem todos têm a mesma força de vontade. Aliás, a esmagadora maioria deixa-se esmagar pelo peso desta doença maldita.

Três mulheres, com filhos pequenos às costas, dão uma pequena corrida para ver mais de perto a visita do João Paulo e da Francisca ao jovem Agostinho Macambé. É que desta vez há gente estranha e os ‘médicos’ chegaram de carro.

A presença dos repórteres atrai a curiosidade. Mas não a de Agostinho, que mal tem forças para falar. A camisola do Manchester United, que já foi motivo de grande alegria para este rapaz de 25 anos, tapa hoje um corpo inerte e acamado. “Este está à espera da sua hora”, diz Beta Lima, uma rapariga que mora ao lado e que até já andou perdida de amores pelo rapaz da camisola vermelha. “Ele era um moço bonito, simpático e cheio de vida. Gostava de jogar futebol e de namorar”, afirma Beta, com a maior naturalidade do mundo. É que o VIH/SIDA já faz parte do dia-a-dia desta gente, como se fosse uma fatalidade, algo de inevitável. “Isso passa de pessoa para pessoa e ele teve azar”, sublinha Beta, realçando “a sorte” que tem tido pelo facto de ainda não estar infectada.

O Agostinho, aquele rapaz que adorava jogar futebol, passa os dias deitado na cama de um quarto pouco iluminado, paredes-meias com uma capoeira de galinhas. Como vive só, à mercê de cuidados de uma vizinha idosa, que tem “muita pena dele”, os compartimentos da palhota a que chamam casa são usados em funções utilitárias: ao lado do quarto do doente está o galinheiro e onde funcionou uma cozinha guardam-se três ovelhas com ar esfomeado.

“Isto aqui está cheio de gente assim”, diz a jovem Beta, apontando para três casas, ali bem perto, onde também estão acamadas pessoas com sida. “Esta doença é terrível e a pobreza em que o povo vive não ajuda nada”, afirma a jovem que gostava de ser médica “para ajudar todas estas pessoas.”

Agostinho tem o destino traçado. Dentro de alguns meses, um ano, na melhor das hipóteses, fará parte das estatísticas que mancham de morte Moçambique e todos os países da ‘África negra’. Diz a Organização Mundial de Saúde (OMS) que, até 2010, só nesta região do globo, mais de 18 milhões de crianças ficarão órfãs por causa do VIH/SIDA. Diz também a OMS que, a curto prazo, a sida fará mais mortos, em África, do que a fome e as guerras.


Os ministros da Saúde de 15 países africanos decidiram solicitar a ajuda dos curandeiros na prevenção e combate à propagação do VIH/SIDA. Na declaração final, os governantes consideraram “preponderante” o papel que a medicina tradicional poderá ter na luta contra a doença. Sabendo-se que mais de 60 por cento da população dos países africanos a sul do Sahara recorre com frequência a curandeiros, que quase sempre produzem os medicamentos a partir de ervas e plantas, os ministros concluíram que o combate à sida só tem a ganhar em ter a medicina tradicional como aliada.

A decisão foi bem aceite pelos defensores da medicina tradicional, que se dizem “cansados” de serem considerados charlatães pelos médicos “convencionais”. Kenet Mudine, médico tradicional de Moçambique, refere que “é melhor tentar cooperar com a medicina tradicional do que estigmatizá-la.”

A ideia dos governantes passa pela sensibilização e, até, formação dos curandeiros, de modo a que incentivem os pacientes a utilizarem todos os meios de prevenção da doença, nomeadamente o preservativo.“A maior parte das pessoas não liga às campanhas institucionais, mas segue à risca tudo o que lhes é dito pelos curandeiros das suas aldeias”, disse Luís Sambo, director regional da Organização Mundial de Saúde em Moçambique. Ora, muitos dos praticantes das medicinas tradicionais defendem que as plantas curam todas as doenças e, como tal, também curam a sida.


O actual presidente da Conferência Episcopal de Moçambique pede ao Mundo ajuda contra o flagelo.

Como é que a Igreja Católica encara o alastrar sem controlo do VIH/SIDA em Moçambique?
Estamos muitíssimo preocupados. Trata-se de uma epidemia sem controlo, que alastra a uma velocidade impressionante, ao ponto de as estatísticas oficiais pecarem sempre por defeito.

O problema é ainda mais grave?
Muito mais. Pelo que nos revelam as instituições da Igreja que trabalham no terreno, a doença afecta cerca de 30 por cento dos moçambicanos, ou seja, perto de cinco milhões de pessoas.

O que é que se deve fazer para travar a epidemia?
Por razões de ordem cultural, social e económica, a tarefa não é fácil. Também a Igreja tem participado em diversas acções e tem muitas instituições a trabalhar no combate, na prevenção e até nos cuidados aos doentes, mas a missão é assustadoramente gigantesca. Muitas pessoas não acreditam na gravidade da doença e, por razões culturais, colocam as tradições à frente de qualquer coisa.

Não acha que a Igreja devia apoiar as campanhas de promoção do uso do preservativo?
Não nos opomos a essas campanhas, mas defendemos a nossa posição de princípio: a sida não se combate com o preservativo, mas com a monogamia e a abstinência sexual.

Mas tem de haver combate efectivo ao alastrar da doença...
O vírus da sida está a matar a África. É, sem dúvida, nesta altura o nosso maior problema de saúde pública. Temos de apelar à ajuda do Mundo, para que nos ajudem nesta missão.

20 mil funcionários públicos vão morrer até 2010 devido ao vírus da Sida
O Governo de Moçambique estima que, até 2010, vão morrer, vítimas de sida, mais de 20 mil funcionários públicos, entre professores, polícias e técnicos de saúde. Segundo o ministro da Saúde, prevê-se que 9200 professores, 5 mil polícias e 6 mil profissionais de saúde, incluindo enfermeiros, morram nos próximos cinco anos em resultado da doença que afecta 18 por cento da população adulta.

- 147 mil moçambicanos morreram de sida em 2004
- 95% das infecções devem-se a relações sexuais
- 1,4 milhões de mulheres infectadas com sida

Activistas indianos contra a patente do combivir

Agência Aids 31.03.06

Vários grupos de combate à aids condenaram hoje na Índia o registro de patente do remédio Combivir, solicitado pela farmacêutica Glaxosmithkline, argumentando que isso tornaria o tratamento inacessível para pacientes infectados com o HIV.

Várias organizações, representadas pela ONG Coletivo de Advogados, apresentaram hoje em Calcutá suas alegações contra a patente do Combivir, baseadas em questões sanitárias e técnicas.

"Somos contrários à patente. Em primeiro lugar, porque não é uma nova invenção, mas simplesmente a combinação de duas drogas já existentes", afirmou K. K. Abraham, presidente da Rede Indiana de Portadores da Aids.

"Mas rejeitamos o pedido principalmente porque a concessão de patentes deste tipo representa um aumento nos custos dos tratamentos anti-retrovirais para pacientes com a aids em muitos países em desenvolvimento", acrescentou Abraham.

Segundo um comunicado divulgado hoje pelo Coletivo de Advogados, o genérico do Combivir é utilizado por muitas ONGs que trabalham na luta contra a aids em países da África, Ásia e América Latina.

"A decisão do escritório de patentes indiano é uma questão de vida ou morte para quem tem aids e depende dos remédios mais baratos produzidos pelos laboratórios de genéricos", afirmou na nota Anand Grover, diretor da organização.

A Índia aprovou há um ano uma nova lei de patentes que permite registrar os remédios. No entanto, Denis Brown, diretor da agência para a aids das Nações Unidas (Unaids) na Índia, afirmou esta semana que "o efeito da legislação, por enquanto, foi nulo"."É possível que haja algum efeito nos produtos que surgirem durante os próximos anos. Mas, por enquanto, não houve o grande prejuízo que se temia. Os preços não sofreram impacto", disse Brown.

Laboratórios indianos, como o Ranbaxy e o Cipla, são os principais fornecedores de remédios anti-retrovirais para países em desenvolvimento. Eles não poderão fabricar drogas que venham a ser patenteadas no país devido à nova legislação, cuja adopção foi um compromisso assumido pela Índia quando entrou para a OMC.

Quebra de patentes

Agência Aids 07.04.06

Em 1994, foi criada a Organização Mundial do Comercio (OMC) onde vários países, incluindo o Brasil, assinaram diversos acordos comerciais. Um deles, o Acordo sobre Direitos de Propriedade Intelectual Relacionado ao Comercio (TRIPS em inglês), trata de questões vinculadas a patentes, marcas e direitos autorais. Para as patentes, ficou garantida ao fabricante, a exclusividade de comercialização do produto por um prazo de 20 anos e a autonomia sobre os preços. O custo disso sai caro, obriga o consumidor a pagar qualquer preço pela manutenção do monopólio, pois não havendo concorrência, não há necessidade de reduzí-los.

Em 2001, os países membros da OMC assinaram um documento, talvez reconhecendo a dureza daquele acordo, que ficou conhecido como Declaração de Doha, em Catar, flexibilizando um pouco mais, admitindo que, em situações de ameaça a saúde pública, ou quando estiver em risco o interesse público, a vida passa a ser reconhecida como um bem maior sobre a propriedade intelectual. Nestas situações, o licenciamento compulsório de um medicamento, eufemismo usado para dizer quebra de patentes, passa a ser procedimento legal.

Imediatamente após a África do Sul permitir então o licenciamento para fabricação de medicamentos contra o HIV, onde o número de mortes devido a Aids é um dos mais elevados do mundo, nada menos que 39 empresas farmacêuticas entraram com processos contra o país. No mesmo ano, o governo norte-americano entrou com uma notificação na OMC contra o Brasil, quando o ministro da Saúde na época ameaçou quebrar a patente de alguns anti-retrovirais. Os Estados Unidos recuaram mediante a promessa do então presidente Fernando Henrique Cardoso obrigando a sempre consultar aquele país antes de solicitar o licenciamento compulsório.

Apesar do governo brasileiro estar desde 2001 liberado para conceder a patente de um medicamento de laboratório estrangeiro para um fabricante nacional, até hoje nunca o Brasil permitiu qualquer medida neste sentido.

Iniciado no início da década de 90 com a distribuição do AZT, o Brasil garante desde 1996, através do SUS, o acesso gratuito e universal dos medicamentos a todas as pessoas convivendo com o HIV, e hoje já são 140.000 que usufruem deste benefício. Como resultado, observou-se uma redução significativa na mortalidade e no número de internações, com reconhecimento mundial e promovendo o Brasil a um dos centros mundiais de referência para o tratamento do HIV.

O Brasil produz 8 daqueles 15 medicamentos distribuídos, sendo que somente 3 deles, protegidos pela lei de patentes, consomem 65% de todo o orçamento destinado a compra dos anti-virais. Caso fosse aplicada a legislação vigente, com o licenciamento compulsório destes 3 fármacos, o programa faria uma economia de R$ 200 milhões já no primeiro ano, que poderiam ser aplicados à pesquisa, qualidade da assistência, etc.

Nos últimos anos, sempre que o governo brasileiro ameaçou usar o direito de quebrar patente, a industria farmacêutica baixa os preços rápida e vigorosamente, mostrando que há sempre bastante gordura para ser queimada... Mesmo assim, a verba destinada para a compra dos medicamentos anti-retrovirais vem aumentando ano a ano: em 2004 foi de R$ 592 milhões contra R$ 945 milhões em 2005.

Se mantivermos a dependência da industria farmacêutica multinacional regendo preços conforme seus interesses e se não transferirmos o direito de fabricação para os laboratórios brasileiros, que em um ano estariam perfeitamente adaptados para a produção, corremos sério risco de, em momento muito próximo, não ser mais possível a sustentação do programa de distribuição gratuita pelo SUS. Isso sem levarmos em conta que a cada ano entram para o programa cerca de 20.000 novos casos e não há perspectiva de aqueles que já se beneficiam sair, pois a doença está se tornando crônica, o tratamento é bem sucedido e oferece perspectivas de sobrevida cada vez maiores.

Caio Rosenthal é médico infectologista.

Homossexuais portugueses já podem dar sangue

DD 25.03.06

Os homossexuais portugueses já podem dar sangue, depois de o Instituto Português do Sangue (IPS) ter retirado a homossexualidade dos critérios de exclusão, avança o Diário de Notícias este sábado. O presidente do organismo, Almeida Gonçalves, explica a decisão com a existência de uma nova geração de análises, mais fiável no despiste de doenças infecciosas como a SIDA ou as hepatites.

Falando ao DN, Almeida Gonçalves adianta que «a tendência actual é de igualdade de critérios para todas as orientações sexuais, há uma recapitulação em termos internacionais nesta matéria». Segundo o responsável, já foi retirado do site do Instituto o critério de exclusão «homens que têm sexo com homens».

A decisão foi tomada no fim de 2005, mas até ao momento, nem as associações de defesa dos direitos dos homossexuais tinham conhecimento. A alteração da política foi explicada com a existência de um novo tipo de análises, os testes de ampliação de ácidos nucleicos – TAN. «Pelo seu grau de fiabilidade muito superior aos antes utilizado, estes testes permitem despistar com muito mais segurança a existência de infecções como a do HIV/sida ou das hepatites», afirma Almeida Gonçalves.

Questionado durante anos sobre a validade desta interdição o responsável admite agora que se tratou de uma estigmatização sem fundamento científico. «Penso que isso se deveu ao facto de o problema da sida ter começado na comunidade gay americana. Hoje, em Portugal e em quase todo o mundo, a principal via de infecção do HIV é heterossexual», disse.

OMS estima que há falta de quatro milhões de médicos

DD 07.04.06

A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que a escassez de médicos no mundo seja de quatro milhões, segundo um relatório divulgado esta sexta-feira pela organização.

De acordo com este documento, pelo menos 1,3 mil milhões de pessoas em todo o mundo não tem acesso aos cuidados médicos mínimos.

A organização adianta ainda que os países mais pobres da Ásia e África necessitam urgentemente de mais dois milhões de médicos e enfermeiros para lidar com doenças como tuberculose, malária e sida.

Testes às grávidas

DN 07.04.06

Uma em cada cinco grávidas faz ecografias a mais. O excesso de consumo de tecnologias de diagnóstico, com os custos inerentes para a Saúde, é um dos problemas já detectados pelo programa Geração XXI, da Universidade do Porto. Um projecto único em Portugal que quer seguir 10 mil bebés até à idade adulta, de forma a identificar precocemente os factores determinantes da saúde e da doença.
Foram revelados outros números preocupantes: 15% das gestantes são fumadoras, um número que, afirma Henrique de Barros, o coordenador do projecto, "é seguramente o dobro de alguns anos atrás". Mais: 3% das grávidas admitiram ter consumido drogas em algum momento da vida.

Mas as informações sobre a realidade da gravidez em Portugal não se ficam por aqui: mais de 11% das gestantes não fez qualquer consulta de acompanhamento no primeiro trimestre da gestação. E dessas, 15% afirmam que não o fez por não ter tido "marcação mais cedo", o que é, afirma o coordenador do projecto, um dado "muito significativo" e a merecer alguma atenção.

Henrique de Barros salientou ainda que, apesar de todas as recomendações, o exame ao HIV continua a não ser feito como rotina normal. Uma em cada dez grávidas nunca tinha feito o teste na vida e para 16% não houve indicação médica para o fazer durante a gravidez.

Aliás, há vários problemas nas rotinas de acompanhamento de grávidas. Um inquérito feito em 42 hospitais, mostrou que, explica Nuno Montenegro, um dos responsáveis, "os procedimentos para consultas pré-natal são diferentes nos hospitais, o que não se entende quando há orientações internacionais e normas da Direcção-Geral da Saúde".

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Enter your email address below to subscribe to Blog do GAT!

powered by Bloglet