sábado, dezembro 02, 2006

GAT critica Ministro da Saúde



RR 01.12.06

O Governo pretende reduzir em 25% a incidência dos casos de SIDA e a mortalidade causada por esta doença em Portugal, até 2010. A intenção foi expressa esta noite pelo ministro da Saúde, Correia de Campos, na apresentação pública do novo Programa Nacional de Prevenção e Controlo da SIDA, que decorreu em Lisboa.
(...)
O ministro Correia de Campos aproveitou esta sessão para reafirmar a intenção do Governo de, a titulo experimental, tornar acessível os medicamentos para a SIDA nas farmácias.

Uma intenção que suscita fortes reservas do grupo de activistas para o tratamento do VIH/SIDA, explica Pedro Marques, que duvida dos benefícios da medida.

Outra crítica feita pelo presidente desta Associação prende-se com a falta de alguns medicamentos que podem fazer a diferença entre a vida e a morte. Pedro Marques alerta que há pessoas que esperam mais de seis meses pelo medicamento injectável T20, por exemplo.

No entanto, esta é uma crítica que o ministro da Saúde não aceita: “As informações clínicas que eu tenho é que não há nenhuma falta de acesso a medicamentos que façam a diferença entre a vida e a morte”, sublinhou.

Comments:
O Sr. Ministro anda muito mal informado, na quarta feira dia 29 do corrente mês o Hospital de Stª Maria, não tinha em stock para entrega aos doentes pelo menos 2 medicamentos para entrega aos doentes, um era o Atazanavir e o outro é o Ritonavir, medicamento este indispensável para a maior parte dos esquemas com IP, estavam a espera que o laboratório fizesse chegar o Ritonavir,depois de ter assistido a doentes a serem mandados regressar ao hospital na segunda feira resolvi por sob a ameaça de tornar de imediato publica a situação, em 5 minutos apareceu uma responsável da farmácia a fazer-me querer que afinal já tinham chegado, só que em tempo real tal era impossível, pois a referida funcionaria apareceu com uma embalagem com 5 caixas de Ritonavir, já devidamente arranjadas, ou seja as caixas chegam do laboratório com 84 comprimidos e as caixas que me foram mostradas e entregues já só tinham os 60 comprimidos que o Hospital entrega, logo o que se passou efectivamente foi que os outros doentes foram para casa com um papelinho para voltarem na segunda e a mim foram-me entregues caixas do stock do internamento.
Espero sinceramente que com isto não tenham ficado doentes internados sem medicação.
Quanto ao Atazana não obtive mais informação a não ser que estava em falta e que na segunda feira já haveria.
A táctica actual é ocultar a verdade, e quando não é possível resolver de qualquer forma as situações que possam trazer publico tais defeciencias.
Outro assunto tem a ver com o Duranavir, também no Stª Maria.
Foi feito um pedido em Agosto por parte de quem de direito, para ser possível administrar, em doentes para isso indicados o Duranavir ( TMC-114 ), por via de de EAP, ainda não foi resolvida a situação e não existe resposta que indique para quando a situação fica solucionada.
Ou o Sr. Ministro da Saúde anda muito mal acessorado e aconselhado, ou aquilo que diz não corresponde ao que se sabe ser a prática, por motivos meramente políticos e economicos.

Nuno Fernandes
 
é que este ministro é o mesmo que acha que há um importante tráfico de anti-retrovirais, tipo andar a fazer análises em diferentes hospitais e em consultas umas atrás das outras para vender os medicamentos distribuidos ad-hoc, tanta é a abundância no nosso sistema de saúde
 
O ministro anda mal informado. Tentaremos informá-lo correctamente durante a reunião (finalmente) marcada para este mês.
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Enter your email address below to subscribe to Blog do GAT!


powered by Bloglet