sábado, fevereiro 05, 2005

Hospital Amadora-Sintra fecha serviço de infecciologia


"Aristóteles contemplando o busto de Hipócrates" - Rembrandt van Rijn, c.1650

Quem é que tem culpa pelo tratamento escandaloso das pessoas seropositivas neste hospital?
1. O governo que decidiu privatizar o hospital, deixando as leis do mercado (evitar custos com patologias caras) sobreporem-se ao serviço público?
2. A administração do hospital que decidiu, friamente, desinvestir nos recursos humanos deste serviço e que não tem nenhuma vergonha em passar a batata quente (neste caso, os doentes) para outros hospitais?
3. Ou os dois médicos do serviço que decidem, dum dia para outro, entrar em greve técnica e utilizar os seus doentes como reféns?
Hipócrates, ajudai-nos!

Expresso 05.02.05

Administração de Saúde considera a situação irregular

O Hospital Amadora-Sintra, o único hospital público gerido por uma entidade privada, não vai atender novos doentes no Serviço de Infecciologia a partir de segunda-feira.

O facto de, desde o princípio de Fevereiro, estarem a trabalhar apenas dois médicos neste serviço - quando deviam ser, pelo menos, cinco - levou os clínicos a considerar não terem condições para continuar a funcionar normalmente. Nesse medida, novos doentes (por exemplo, com sida), deixarão de ser atendidos, devendo mesmo encerrar grande parte das consultas externas.

De acordo com um documento enviado à administração do hospital por um dos dois clínicos do serviço, «cerca de 500 doentes ficam sem médico assistente», os quais serão «seriamente prejudicados».

Contactada pelo EXPRESSO, a administração do Amadora-Sintra reconheceu a existência do problema, tendo explicado que «a direcção clínica está a tentar resolver a situação, pedindo apoio a serviços de outros hospitais». A ideia é conseguir que os novos doentes, assim como aqueles que não consigam ser atendidos, sejam encaminhados para outros hospitais. «O Santa Maria e o Egas Moniz já se mostraram receptivos a isso», diz Lopes Martins, da administração do hospital.

Mas a Administração Regional de Saúde de Lisboa, informada ontem da situação, pediu «imediatamente explicações» ao hospital, porque «nenhum serviço público pode deixar de receber doentes». De acordo com fonte oficial da instituição, o Amadora-Sintra «não pode voltar a alegar falta de recursos humanos para reduzir a sua capacidade assistencial» - como aconteceu em Dezembro com o fecho da urgência da maternidade por falta de médicos. Essa situação poderá dar origem a «um novo processo, por incumprimento do contrato», disse a mesma fonte.

Quanto à solução preconizada pelo hospital, a Administração de Saúde entende ser de execução difícil, uma vez que «todos os hospitais de Lisboa estão sobrelotados, inclusive as camas para doentes infecto-contagiosos», por causa, por exemplo, do aumento das pneumonias.

Comments:
Bem não fosse o dramatismo da situação esta noticia tem uma parte que até dá para rir e ficaria um pouco tranquilo com a actitude dos outros hospitais não fora o simples facto de conhecer por dentro a realidade de um dos hospitais para o qual pertendem trasferir os doentes o Santa Maria.
Pois bem ainda a semana passada alguem a quem recentemente naquele hospital foi detectado o virus do hiv foi impedido de continuar a ser seguido ali porque estava fora de zona.
Falssa desculpa e grande mentira pois o hospital de Stª Maria está a sobrepor á constituição normativas internas que lhe estão a premitir recusar atender doentes com HIV o que é ilegal face ao SNS que primite o atendimento e a segunda opinião assim como a escolha de Hospital em que ser seguido .mas isto são promenores constitucionais todos os dias esmagados por normativas internas e haja quem tenha a coragem de se quexar que logo vai ver o que é ter a maquina do estado toda bem oliada para tramar um cidadão que teve a coragem de por em causa a sapiencia do DR's do nosso tempo
Cinceramente sou daqueles que ao ver a evolução das coisas nos ultimos 18 anos,e principalmente dos ultimos 3 que acha que isto já não vai lá só com converssa mol e que algo de efectivo tem que ser feito para que se veija o que se passa a nivel de assistencia hospitalar no nosso Portugal .
Sobre este assunto poderia dizer tanto que por escrito nem me atrevo a começar
um abraço
Nuno Fernandes
 
Nuno, estamos aqui para fazer valer os nossos direitos constitucionais enquantos cidadãos e enquanto pessoas seropositivas.
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Enter your email address below to subscribe to Blog do GAT!


powered by Bloglet