sexta-feira, Dezembro 30, 2005

Sondagem: um milhão de portugueses são homossexuais

Diário Digital 30.12.05

Cerca de um milhão de portugueses (9,9) são homossexuais, mas apenas cerca de 50% assume socialmente a sua orientação, segundo uma sondagem realizada este mês pela Eurosondagem para o semanário Expresso.

O estudo, realizado com questionários anónimos e confidenciais, revela que no conjunto dos portugueses com mais de 15 anos, 7% afirmam ser homossexuais, 2,9% bissexuais e 90,1% heterossexuais.Entre os que indicam a sua orientação homossexual ou bissexual, não há diferenças significativas entre os homens (7,3% e 2,8%, respectivamente) e as mulheres (6,8% e 3%).

A sondagem sobre os hábitos sexuais dos portugueses revela ainda que 52,8% dos inquiridos mantém relações sexuais não se preocupando com os riscos da sida e que um terço (33,5%) nunca usa preservativo.

Por outro lado, 6,3% admite usar produtos como o Viagra e 27,1% das mulheres já fez uma interrupção voluntária da gravidez ou mais, com a maioria (82%) a praticá-lo em Portugal, ilegalmente.

Farmacêuticas escondem informação importante sobre ensaios clínicos


Medical Journal:
Drug Studies Hide Key Data
By SUZANNE SATALINE
Staff Reporter of THE WALL STREET JOURNAL
December 29, 2005; Page B1

Several major pharmaceutical companies are withholding important details about clinical drug trials, despite urging from federal regulators and medical-journal editors to be more forthcoming, according to a study published in this week's New England Journal of Medicine.

The study says that companies including Merck & Co., Pfizer Inc., and GlaxoSmithKline PLC are obscuring basic information -- including the names of some drugs under study -- in reporting on trials of drugs to treat serious or life-threatening diseases. Some of the drugs involved are already on the market, and the companies are seeking approval for new uses of them. In an editorial, the medical journal calls for investigators and patients to avoid participating in drug trials where companies take a secretive approach.

The push for more information comes after safety concerns over big-selling drugs -- including GlaxoSmithKline's antidepressant, Paxil, and Merck's painkiller, Vioxx -- appeared well after the drugs were on the market. For years, some drug companies kept secret the results of studies that reflected badly on their products and published only positive results. Critics of this practice said it helped to mask safety problems.

Last year, in an effort to encourage more disclosure, the editors of several of the world's top medical journals said they would refuse to publish any study that wasn't first registered at the federal clinical trial Web site maintained by the National Institutes of Health or in a similar public database.

The federal Web site for reporting on clinical trials --http://www.clinicaltrials.gov/ -- was created in 2002 after Congress, in 1997, mandated a publicly accessible registry of clinical trials of drugs and devices designed to treat serious or life-threatening diseases and conditions. By law, companies are allowed to register trials only if they provide the required information. The reports on the site concern drugs not yet approved, as well as some that are being investigated for secondary uses.

Investigators had until Sept. 13 to register their trials if they wanted to publish the results in major journals. The editors' policy appears to have worked well in some respects. From May through October of this year, the number of clinical trials registered at the government site increased 73% to 22,714, and the journal study found that the vast majority of entries complied with the editors' new standards.

But several large companies are providing information that is incomplete or vague, according to the study. Most notably, some companies don't disclose the names of the drugs they are studying. In a data field that asks for the name of the drug, the companies instead use terms such as "investigational drug."

The study said that four companies -- including Merck, Pfizer and Glaxo SmithKline -- were responsible for all of the non-specific entries. Some drug companies also provided scant information about what results their clinical trials are measuring. Novartis AG, for example, reported details about what outcomes it was measuring in reports on only eight of 239 trials, according to the study. Merck reported outcome details in nine of 46 trials. The study found that the fourth company, Eli Lilly &Co., failed to list the name of the drug in three out of 96 trials.

In general, the study, written by staffers of the federal Web site, found that smaller companies and non commercial researchers were better at disclosure than large pharmaceutical concerns.

Several of the large drug companies said they were meeting all federal requirements for disclosing trial data, but that they were leery of giving out too much information because of competitive concerns.

"We're not ready to give to all our rivals what we're doing," said Stephen Lederer, a Pfizer spokesman. Pfizer, like other companies, says it reveals all the clinical trial details on its corporate Web sites when trials are completed. Trials can take years to complete. Detlef Niese, vice president of clinical development at Novartis, said that patients in trials are given all the details about the trials, but that the company is concerned about providing public information that competitors "may want to copy."

A GlaxoSmithKline spokesman said that 95% of the company's listed trials met the tougher new standard of the medical-journal editors. As for the other entries, he said, "we are looking into any omissions.'' A spokesman for Lilly said, "We've met all the reporting requirements for the registry."

Jeffrey M. Drazen, editor in chief of the New England Journal, called the companies' concerns about disclosing competitive information "a smoke screen." He noted that other drug makers provided full and detailed information on their clinical trials. He also said that by not requiring companies to name the drugs being tested, the federal requirements had a "loophole.'' As a result, he said, companies "are meeting the letter but not the spirit of the law.'' The medical journals' requirements for disclosure are more stringent, and do require the name of the drug or procedure being studied.

In an editorial accompanying the study, Dr. Drazen wrote that it "makes moral sense" to provide complete trial information. "When patients put themselves at risk to participate in clinical trials, they do so with tacit understanding that their risk is part of the public record, not merely the secret record of the sponsor," he wrote.

The study credits Merck with amending many of its filings over the summer, after questions were raised about its disclosures. The company provided more details on the names of drugs being studied, boosting its compliance to more than 99%. However, Merck was less forthcoming with details about the outcomes of studies. It detailed information on what outcomes were being measured in only 20% of the trials. In a statement, Merck said it was reluctant to provide details on outcome data in early stage research trials because that information is"highly proprietary."

Merck's painkiller Vioxx was pulled from the marketplace last year after safety concerns were raised by a study showing an increase in heart-attack risk after 18 months of use. Earlier this month, the New England Journal published an unusual expression of concern about a 2000 Vioxx study it had published; the journal said it had discovered that data about three Vioxx patients who suffered heart attacks had been excised from a crucial study sponsored by Merck. Merck has said that the heart attacks occurred "after a pre-specified cutoff date."

In 2004, Glaxo SmithKline agreed to settle a lawsuit over unpublished clinical trials for $2.5 million and to publish summaries of all of its drug trials in a registry. In the suit, New York State Attorney General Eliot Spitzer accused the company of "repeated and persistent fraud" for concealing problematic issues of efficacy and safety when children took Paxil for depression. On settling, Glaxo said that it believed the state's charges were "unfounded.''

Auditor controla contas no hospital

DN 30.12.05

Os 31 hospitais SA vão ser transformados, a partir de sábado, em Entidades Públicas Empresariais (EPE), segundo o Decreto-Lei nº 233/2005 publicado ontem no Diário da República. De acordo com a legislação, será também criada a figura do auditor interno, que vai controlar a contabilidade destas instituições. Esta transformação visa, segundo o decreto, "uma melhor prestação de cuidados de saúde, através da optimização de recursos".

Das funções do auditor vai constar o "controlo interno dos domínios contabilísticos, financeiro, operacional, informático e de recursos humanos" dos hospitais. Designado para o cargo por um período de três anos, "deve fornecer ao conselho de administração análises e recomendações sobre as actividades revistas para a melhoria do funcionamento dos serviços".

O capital estatuário dos futuros hospitais EPE vai ser detido pelo Estado e pode ser aumentado ou reduzido por despacho conjunto dos ministros das Finanças e da Saúde.

Laboratórios levam Estado a tribunal

Mais um lóbi que vale a pena atacar.

DN 30.12.05

A Federação Nacional dos Prestadores (FNS) - que integra os laboratórios privados de análises - entrega hoje uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Lisboa como objectivo suspender o despacho do Ministério da Saúde que impõe uma redução de 5% no preço pago por cada exame. A decisão de baixar os valores pagos às clínicas convencionadas foi justificada pela tutela com a necessidade de reduzir a despesa do Serviço Nacional de Saúde. Os laboratórios alegam, no entanto, que é ilegal mudar as regras de acordos a meio da sua vigência. Em comunicado, dizem que esta redução traz grandes prejuízos para o sector e que "lesa, claramente, o interesse público". Isto porque, em 2003, "o sector convencionado foi responsável por 96,1%" dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica realizados no País.

quinta-feira, Dezembro 29, 2005

Tragicómico


Onde está o Wally?

Depois de António Meliço-Silvestre ter sido afastado do cargo de Encarregado da Missão Nacional da Luta Contra a Sida, o eminente professor da Universidade de Coimbra conseguiu que a Comissão Nacional e o Ministério da Saúde editassem um livro titulado "SIDA - da Estratégia à Acção (sic) 2003-2005", em jeito de presente de demissão.

O livro de 438 páginas não traz coisíssima nenhuma de novo e não é nada mais do que um apanhado de fotos e textos dele, proferidos em colóquios, conferências, fóruns, jornadas, etc. bem como alguns protocolos (pouquíssimos, felizmente) assinados durante o reinado curto mas desastroso do AM-S.

Se a herança não fosse tão criminosa pela inacção e pela conivência com a indústria farmacêutica, o Diário de António não deixaria de ser muito divertido, por causa da multidão de gralhas e frases pomposas. Algumas pérolas:

Prefácio
Pág 5: "A sociedade mobilixou-se e só assim foi possível apresentar, com algum orgulho e satisfação, os resultados conseguidos, ..."

Tomada de posse, Setembro de 2003
Pág 13: "E Portugal a arrastar-se com dificuldades na Europa dos quinze, numa crueza de números, que se calhar o não são, na hipotética vontade de um subconsciente colectivo de que o alargamento tão próximo da União Europeia, nos relegue, por vias burocráticas, para um lugar mais honroso, quiça a meio da tabela."
Pág 17: "É o Portugal confrontado com a sua história, na encruzilhada Atlântica e Europeia, que O marcou no passado e lhe condiciona o futuro."
Pág 18: "A SIDA é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores flagelos no Mundo de hoje, desencadeada por "partículas" de um Cosmos supostamente tresmalhadas."

etc. etc. durante quase dois anos...

Meliço-Silvestre com Cavaco

Do site Portugal Maior:

Contributo do António Meliço-Silvestre, Médico, Professor universitário:

"Portugal, em conjuntura tão desfavorável, precisa hoje, na Suprema Magistratura da Nação, de um Homem de fortes convicções e determinação.

E Cavaco Silva é o Homem certo, pelo enorme Sentido de Estado sempre patenteado à frente de um Governo que soube incutir confiança e orgulho ao Povo Português, pela força carismática que irradia segurança e saber, em consciência cívica superior assente em posições esclarecidas e fundamentadas em sólidas reflexões, apanágio do Universitário de excepção.

“As minhas ambições para Portugal”, o seu compromisso público com a Pátria, vai certamente abrir a “Janela de oportunidade de progresso”, com vistas para um futuro promissor dos jovens do nosso País.

Cavaco Silva será seguramente o elo de estabilidade e de rigor, cooperando e apoiando estrategicamente os outros Órgãos de Soberania Nacional, nesse desígnio último da definição das grandes prioridades Nacionais.

Só assim o Portugal da Europa poderá vencer, num desenvolvimento equilibrado, num pulsar de esperança, num hino à inovação."

Despesas no ambulatório com medicamentos não aumentam em 2006

Acabaram-se as benesses do anterior ministro, Luís Filipe Pereira, actualmente de volta no Grupo José de Mello (CUF).

Lusa 07.12.05

O ministro da Saúde anunciou [hoje] que a despesa do Serviço Nacional de Saúde com medicamentos no regime ambulatório não aumentará em 2006 e crescerá 4 por cento a nível hospitalar, o que a industria farmacêutica considera "penalizador".

O anúncio de António Correia de Campos foi feito na conferência "Investimento e Competitividade da indústria farmacêutica", em Lisboa, durante a qual o ministro revelou que pretende concluir o acordo com a indústria farmacêutica até ao final do ano. Este protocolo, que vigorará até 2009, visa conter a despesa do SNS com os medicamentos e ainda não foi fechado.

Contudo, o ministro assegurou que o crescimento da despesa no ambulatório (medicamentos comparticipados pelo Estado e vendidos nas farmácias) será de zero por cento. Nos hospitais, e tendo em conta que são as instituições que utilizam fármacos mais caros por serem inovadores, o crescimento será de quatro por cento.

Presente na conferência, o presidente da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), Gomes Esteves, considerou que esta não é a melhor notícia para o seu sector, tendo em conta a recente baixa de preços dos medicamentos, na maioria suportados pela indústria farmacêutica. Gomes Esteves afirmou que um crescimento zero na despesa com os medicamentos é "penalizador" para a indústria, mas congratulou-se por poder saber com o que deve contar. "As medidas administrativas neste campo são sempre difíceis e parece-nos que um crescimento zero, depois de uma baixa de preços dos medicamentos, é penalizador" para a indústria farmacêutica, disse.

António Correia de Campos anunciou ainda que, através deste protocolo, pretende criar um fundo para a investigação da indústria farmacêutica nacional. Esse fundo, especificou, contará com as verbas que a indústria teria de devolver ao Estado, sempre que ultrapassar o patamar definido no protocolo para o crescimento da despesa com os medicamentos.

O último protocolo a vigorar foi assinado em Janeiro passado e previa um tecto de crescimento de 7,5 por cento. Com a mudança de governo, o acordo foi rescindido.

Actualmente, o Serviço Nacional de Saúde gasta 2,8 mil milhões de euros com medicamentos comparticipados.

Kofi Annan sublinha importância acesso medicamentos mais baratos

Lusa 07.12.05

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, reuniu-se terça-feira com o presidente do grupo farmacêutico Roche, Franz Humer, para discutir o acesso a medicamentos baratos perante a ameaça da gripe das aves, informou a organização. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, adiantou que no encontro Annan reiterou a importância de garantir que as nações pobres tenham acesso ao tratamento para a gripe das aves em caso de pandemia que afecte os humanos.

Também apelou à generosidade da comunidade doadora para financiar a compra de reservas do medicamento Tamiflu para os países necessitados como prevenção perante uma possível pandemia. Annan destacou que "a melhor maneira de proteger os direitos de propriedade intelectual é assegurar que os países mais necessitados obtenham os medicamentos de que precisa a preços preferenciais".

Há dois meses, Kofi Annan nomeou o perito britânico David Nabarro coordenador da ONU para combater a doença, perante a possibilidade apontada pelos cientistas de que o vírus H5N1, que provoca a gripe das aves, mude e provoque uma pandemia humana.
...

Nova Mission Statement do GAT



Em Assembleia-Geral do dia 17 de Dezembro de 2005, o G.A.T. adoptou uma Missão alargada:

"O G.A.T. advoga mudanças legais e políticas que afectam positivamente a saúde, direitos e qualidade de vidas das pessoas que vivem com VIH. Considera-se que, sem acesso universal aos tratamentos e cuidados de saúde, não pode haver controle da incidência da pandemia e que o binómio tratamento/prevenções é a chave da resolução do problema.

O G.A.T. propõe-se adoptar documentos que reflictam as posições e propostas do grupo em relação aos assuntos relevantes, grupos vulneráveis, epidemiologia, custos dos tratamentos e diagnósticos, acesso e adesão, prevenção positiva e saúde sexual e reprodutiva das pessoas com VIH. O G.A.T. como grupo não se ocupa de prevenção primária, apoio psicossocial, nem fornece serviços pessoais.

Pretende-se também conseguir acesso rápido aos produtos médicos, testes, meios de diagnóstico que previnam ou tratem a infecção pelo VIH, ou melhorem a qualidade de vida das pessoas que vivem ou são especialmente vulneráveis à infecção.

O G.A.T. ocupa-se também de outras doenças associadas ao VIH, infecções oportunistas, co-infecções, efeitos secundários, toxicidades, doenças iatrogénicas e doenças que aumentam o risco de infecção pelo VIH.

O G.A.T. actua em Portugal mas pretende colaborar e apoiar esforços semelhantes nos países de expressão portuguesa e Europa."

Prevenção da infecção pelo VIH para e por seropositivos

Comunicação do Luís Mendão, membro da direcção do GAT, no VI Congresso Virtual da SIDANET:

Prevenção da SIDA – Um desafio que não pode ser perdido

Porto, FDSP, Quinta da Bonjóia, 14 de Dezembro de 2005

Nota Prévia
Esta comunicação não pretende ser ciência acabada nem panaceia. Não tem, nem é essa a missão dos que representam as pessoas que vivem com VIH, a forma de publicação científica sobre prevenção e epidemiologia, esse trabalho deve ser feito pelos especialistas competentes, que temos. Nós devemos contribuir com o nosso conhecimento específico e concreto dos problemas, experiência(s), com questões, sugestões e exigências.

Esta comunicação não representa posições completamente consensuais na comunidade a que pertenço. É um esforço dos que defendem o conhecimento, as decisões baseadas no saber, a avaliação de resultados e que, com outros, pretendem colocar na agenda da discussão nacional questões e propostas que possam contribuir para ultrapassar os vinte desastrosos anos de prevenção oficial sobre a infecção pelo VIH, em Portugal.

Centramo-nos no papel que as pessoas que vivem com VIH podem/devem ter nas políticas oficiais de prevenção, e na proposta de serem também alvos preferenciais das políticas de prevenção. Este papel será tão mais importante, quanto maior for a proporção de pessoas que vivem com VIH com acesso a cuidados de saúde e, logo, que conhecem o seu estatuto serológico para o VIH.

Não referirei também, porque por si só mereceria uma comunicação separada, o papel crucial da prevenção positiva feita (ou por fazer) entre pares, de iniciativa comunitária, não governamental, nem o subsídio pelas pessoas que vivem com VIH nos grupos mais atingidos pela pandemia (homens que têm sexo com homens, migrantes, minorias étnicas, trabalhadores do sexo, população prisional, consumidores de drogas, mulheres e jovens).

Esta intervenção assume um parti pris – não há estratégia eficaz de controlo da incidência da infecção VIH que não assente, simultaneamente, em prevenção, acesso universal aos tratamentos e cuidados de saúde de qualidade e programas de adesão adequados.

Introdução

Princípios gerais da Prevenção
Os programas públicos de prevenção da transmissão do VIH têm que ser baseados no conhecimento científico (conclusões de investigações replicáveis, revistas entre os pares, publicadas). Têm que usar e financiar o conjunto das mensagens de prevenção, técnicas e intervenções que demonstraram ser eficazes na redução das taxas de transmissão do VIH e/ou nos comportamentos de risco. O financiamento deve ainda ser assegurado para propostas inovadoras, baseadas em racionais claros e que possam ser avaliadas. A prevenção geral, dirigida a toda a população, também deve obedecer a estes princípios e tem que assegurar o acesso fácil aos meios de prevenção.

A consultar:
Os princípios da prevenção do VIH são 10, como os mandamentos:
www.astho.org/policy_statements/
http://www.cdc.gov/nchstp/od/hiv_plan/


Pequena recapitulação da prevenção dirigida
As intervenções de prevenção primária dirigidas a populações específicas vulneráveis são fundamentais para reduzir as taxas de transmissão do VIH. Têm que ser culturalmente adequadas e responder às necessidades específicas das populações a que se dirigem.
Precisam de informação completa sobre a sexualidade humana (podendo incluir linguagem e imagens explícitas), de informação rigorosa sobre o uso de drogas injectáveis, como evitar contrair o vírus, disponibilizar os meios adequados (preservativos, gel, kit de injecção completo e adaptado e informação sobre o uso). Para estas populações, não podemos misturar campanhas de dissuasão sobre práticas sexuais ou de uso de drogas, com as mensagens de prevenção de transmissão do VIH. A mensagem tem que ser clara, não moralista e passar a informação sobre como não contrair a infecção. A informação sobre as práticas de maior risco versus as de menor risco podem e devem ser descritas; mas não levar as pessoas objecto da prevenção a assumir que um risco menor é um risco nulo.

Estas campanhas, programas e intervenções não podem contribuir para o aumento da discriminação, estigmatização e marginalização dos grupos a que se dirigem; têm que ter exactamente o efeito contrário.


As pessoas que vivem com VIH como parte da solução
Desde o início da pandemia que os grupos mais atingidos e as pessoas infectadas se mobilizaram para fazer face à epidemia (sobretudos os homossexuais, nos EUA, Reino Unido, França, etc.). Este movimento teve um papel fundamental em pôr a epidemia na agenda pública e política, em exigir respostas, defender a saúde e os direitos das pessoas, mas também em apoiar as necessidades concretas de prevenção destes grupos. Os utilizadores de drogas injectáveis e as minorias étnicas tiveram mais dificuldade em se organizar, por razões que dispenso referir, embora muitas e importantes organizações tenham também aparecido.

O princípio GIPA
A importância deste envolvimento levou os países reunidos na Cimeira SIDA de Paris a aprovar o Princípio GIPA (Greater Involvement of People living with HIV/AIDS, maior envolvimento das pessoas com VIH), já de 1994, adoptado oficialmente por Portugal, que declara que as pessoas com VIH são essenciais na educação e cuidados e no delinear e implementar das políticas e programas capazes de responder, com sucesso, à epidemia.
A Declaração defende que a inclusão sistemática das pessoas que vivem com VIH protege os direitos humanos, diminui o preconceito, estigma e discriminação e melhora a saúde pública.

Consulta:
APN+ Position Paper GIPA Janeiro de 2004

Pontos essenciais na prevenção positiva
O princípio GIPA (nunca verdadeiramente implementado em Portugal) abre as portas para a necessidade de prevenção positiva.
Durante demasiado tempo houve muito pouca atenção, quer ao papel, quer às necessidades de prevenção das pessoas com VIH. A prevenção era feita para que as pessoas não infectadas o permanecessem e muitos pensavam (pensam) que as pessoas seropositivas não devem ter relações sexuais.
Ora a prevenção tem que ser para todos. As mudanças comportamentais são tão difíceis para os positivos, como para os negativos, como para os que não conhecem o seu estatuto serológico. Programas eficazes têm que aceitar o direito das pessoas com VIH à intimidade e à vida sexual. A criminalização não é a solução, muito menos a primeira.
A mensagem principal tem que continuar a ser, lembramos, quando se protege eficazmente nas práticas, protege-se o próprio e os outros, independentemente do estatuto serológico, conhecido ou não.
A prevenção positiva trabalha no contexto do direito das pessoas com VIH à saúde sexual, entendida para além da prevenção das ISTs, incluindo o direito à saúde reprodutiva e a uma vida sexual activa sem exploração, opressão e abusos.

Objecto
Focamo-nos só nas pessoas diagnosticadas com VIH e na transmissão sexual e parentérica. A prevenção da transmissão vertical é essencial, mas fica fora do âmbito desta discussão (apenas uma consideração: hoje não é aceitável não tratar as mães seropositivas, em nenhuma parte do mundo).

Princípio
Todos os actores no tratamento, nos cuidados e no apoio de pessoas com VIH devem ter conhecimentos apropriados sobre comportamentos sexuais e sobre consumo de drogas. Tal deve aplicar-se também a todos os que trabalham em serviços mais genéricos que contactam regularmente com as populações onde existem altas prevalências de infecção.

Nota: Em Portugal, nas consultas de infecciologia, nos hospitais de dia, nos CATs, nas carrinhas (tão poucas) de programas de baixo limiar, etc. onde estão os preservativos? Existe apoio sistemático e de qualidade à informação sobre práticas seguras? Pessoas seropositivas têm formação e são reconhecidas profissionalmente para fazerem aconselhamento e apoio entre pares?

Consulta:
Principles of HIV Prevention with positives
www.napwa.org


A situação portuguesa da epidemia e da prevenção

Epidemia
Depois de longos anos de negação oficial da dimensão da prevalência e incidência da epidemia, reconhece-se agora, pelo menos na generalidade, a gravidade da situação em Portugal.
Temos como dados mais relevantes (e inaceitáveis) a prevalência entre as grávidas da Grande Lisboa, 1,1%, a incidência nacional, aproximadamente 280 por milhão de habitantes/ano e os problemas relacionados com SIDA serem a primeira causa de morte dos homens na faixa etária dos 25-39 anos.

A partir de 1996 com a introdução da ART e o número real de mortes/ano desceu (pouco em Portugal) o número de pessoas que vivem com VIH aumenta continuamente e com uma taxa de incidência como a portuguesa aumenta ainda mais rapidamente. O aumento da prevalência é reconhecidamente um factor-chave para aumentar a incidência. Isto é, uma grande “pool” de infecção potencia a transmissão de VIH.

O aumento da sobrevivência e qualidade de vida das pessoas com VIH aumenta a probabilidade de relações sero-discordantes.

Numa análise muito grosseira e sem nenhum cuidado de rigor (que deveria ser feita), mas que pode permitir estabelecer prioridades e hipóteses de trabalho e lembrando que prevalências superiores a 1% são consideradas epidemia generalizada, calculamos que em Portugal a prevalência:
- Entre os homens que têm sexo com homens é 2-4%
- Entre os UDIs é de 10-16%
- Na população prisional é de 5-10%
- Na população de origem africana, cerca de 10 vezes superior à da população geral.
- Nos profissionais do sexo comercial muito alta, sem dados fiáveis e muito superior entre os travestis, transsexuais e homens (20-60%?).
- Dados fiáveis faltam entre os jovens homossexuais e heterossexuais, e outros grupos vulneráveis, diferentes grupos de migrantes, étnicos, etc.

Os dados da transmissão heterossexual estratificados por transmissão a partir de UDIs, entre grupos de migrantes, étnicos, em relações sexuais comerciais, de homens bissexuais para as mulheres, também não são conhecidos e são essenciais para controlar a progressão da epidemia na população geral.

Nota: sem um bom sistema de vigilância epidemiológica da infecção pelo VIH e o cruzamento com os dados da mortalidade de todas as pessoas infectadas (com garantias de confidencialidade dos dados pessoais), não teremos nem o retrato, nem o filme da epidemia, nem poderemos planear respostas eficazes para garantir o acesso universal aos tratamentos, à prevenção e aos testes e diminuir a incidência da infecção.

Prevenção
As campanhas, políticas e programas públicos de prevenção dos últimos 20 anos, quando existiram, só excepcionalmente foram avaliados independentemente, e nunca envolveram a comunidade no processo. Pensamos (mas também não foi avaliado) que, com excepção de algumas campanhas independentes da comunidade, o seu efeito se aproximou do zero. Os únicos programas com alguma eficácia (troca de seringas e tratamentos de substituição) tiverem origem fora da extinta CNLcSIDA e foram muito diminuídos no seu impacto por não incluírem avaliação contínua e independente (falta de cobertura da distribuição de seringas, racionamento, kit incompleto com efeitos devastadores na incidência da hepatite C, baixa cobertura dos programas de baixo limiar).

Temo que o discurso se fixe, agora, na prevenção de transmissão heterossexual de modo voluntarista, amador e sem impacto real.

Racional, factos e hipóteses para a prevenção positiva
Só há novas infecções por transmissão de VIH em relações pessoais sero-discordantes.
60 a 80% das pessoas que sabem ser seropositivas diminui os comportamentos de risco.
Os seropositivos eficazmente tratados são menos “infecciosos”.
Quanto maior a percentagem de pessoas que conhece estar infectada, maior a possibilidade de controlar a incidência. A despistagem, prevenção e tratamento nos grupos de grande prevalência é uma opção fundamental.

Para controlar o problema da transmissão de vírus resistentes são necessárias: prevenção e promoção da adesão e não dificultar o acesso aos tratamentos dos que são tidos na perspectiva dos médicos como não aderentes. Mesmo que o não fossem, a única opção de saúde pública com sentido é promover as boas práticas para a adesão (que existem).

Nota: que prevenção fazemos para os 12 000 doentes seguidos?

Comportamento sexual e transmissão
Precisamos de investigação séria sobre o comportamento sexual e de consumo de drogas das pessoas com VIH. Nos países que estudaram, a primeira conclusão é a de que entre as pessoas que conhecem o seu estatuto serológico positivo, 60 a 80% mudam para comportamentos mais seguros. Não é suficiente, necessitamos de conhecer cada grupo, e como melhorar os índices de comportamentos seguros, mas parece (há pelo menos alguns dados seguros para alguns grupos específicos) indicar que a transmissão tem uma de taxa incidência muito maior entre os que desconhecem o seu estatuto.

Nota 1: A taxa de transmissão de vírus resistentes, quase 10%, sem nenhuma prevenção estruturada entre os seropositivos, e considerando que a maioria das transmissões de pessoas em tratamento se faz com estirpes de vírus resistentes, indica também que ela acontece principalmente entre quem desconhece o próprio estatuto serológico. Mais, face ao que se conhece actualmente sobre primo-infecção (período de maior infecciosidade) e a não regressão para a estirpe selvagem, das pessoas infectadas com estirpes resistentes, parece – deve ser estudado – que muitas destas novas infecções com vírus resistentes aconteceria com desconhecimento do estatuto serológico por pessoas com comportamentos de risco.
Só por si seria uma indicação para aumentar o acesso efectivo aos testes, aos tratamentos e cuidados de saúde.

Nota 2: É exactamente na fase de seroconversão que a carga viral sobe mais e mais rapidamente e quanto maior a carga viral maior a probabilidade de transmissão. Estudos conclusivos sobre a correlação entre carga viral sanguínea e no esperma são necessários.


Promoção da saúde baseada em evidências e resultados

Recomendações
É necessário um conjunto claro e partilhado de objectivos para acção efectiva sabendo o que se está a tentar fazer, como e porquê.

Os focos devem ser: o ambiente social, a reorientação dos serviços, as comunidades e as redes sociais, sexuais e de consumo de drogas, os indivíduos e os casais. Com objectivos, métodos e referências publicadas (ou a publicar) que apoiam cada programa.

É necessário conhecer o estado do conhecimento sobre a infecciosidade das pessoas tratadas com sucesso, saber a percentagem das pessoas com virémia indetectável entre as que estão em tratamento e aumentar essa percentagem.

Garantir acesso ao tratamento (e à prevenção) para todas as pessoas diagnosticadas que têm indicações para tal.

Melhorar a adesão e reduzir a má prescrição médica.

Tudo isto não precisa de ser traduzido em mensagens públicas falsamente tranquilizadoras, mas deve fazer parte da política de saúde pública. Precisamos pôr em prática os princípios gerais e específicos de boas práticas (que existem) e continuar a investigação quando não são satisfatórios.


Recomendações avulsas e provocatórias (?) para criar condições para fazer eficazmente prevenção para/com as pessoas com VIH

Políticas
Regulamentar legalmente as drogas ilícitas, os migrantes clandestinos e o trabalho sexual.

Redução de riscos no consumo de drogas
Salas de consumo assistido nos lugares onde existe consumo público, com equipas de rua para trazer aos serviços de saúde os cerca de 50 000 consumidores problemáticos de drogas fora de qualquer serviço.

Cobertura das necessidades de programas de substituição de baixo limiar.

Heroína medicalizada para quem não responde aos outros programas.

Programas de prevenção da transmissão sexual para consumidores de drogas recreativas (incluindo os consumidores de álcool).

Disponibilização da substituição opiácea em meio hospitalar, sobretudo para os internamentos a partir das urgências.

Migrantes e minorias étnicas
Promoção da integração rápida e fácil no SNS, apoiada por programas de promoção de saúde de proximidade com equipas com qualificações adequadas nos bairros onde se concentram estas populações.

Nota: Tememos que a presença de carrinhas de testes VIH no meio da comunidade não seja o melhor meio para promover a adesão aos testes, devemos ajustar os programas (todos) aos resultados.

Políticas de saúde
Acesso e divulgação da profilaxia pós-exposição aos casais sero-discordantes, e trabalhadores do sexo.

Melhorar a performance dos CADs.


A jeito de conclusão
O GAT desenvolve actualmente um projecto global de aumento da literacia e preparação das pessoas que vivem com VIH, em tratamentos e cuidados de saúde, que nos parece fundamental, porquanto sabemos que as taxas de crenças e mitos relacionados com os tratamentos e também com os modos de transmissão do VIH são os que são.

Como diz o presidente do GAT, que é um migrante, citando Ghandi, “We must become the change we want to see”.

14 de Dezembro de 2005.

Prioridades de acção do GAT em 2006

No passado dia 23 de Dezembro, a direcção do GAT reuniu-se com o Coordenador da CNSIDA, Prof. Henrique Barros, para debater as prioridades de acção do GAT para 2006.

Reunião com a Coordenação da Luta contra a SIDA
23 de Dezembro de 2005

Agenda:
1. Definição de moldes efectivos de colaboração do GAT com a CNSIDA.
- Reuniões periódicas, calendário e agenda.
- Apoio a iniciativas do GAT:
i. Jornadas Terapêuticas em Março: "Novo Estatuto do Medicamento. Acesso a medicamentos antes da AEM."
ii. Colóquio em Abril: “Droga, Saúde Pública e Prisões. Recomendações e boas práticas internacionais. Situação Portuguesa”.

2. Prioridades e compromissos públicos da CNSIDA.
- Plano Nacional
- Plano da CE VIH/SIDA 2006-2009
i. Sistemas de vigilância epidemiológica VIH/SIDA e de mortalidade VIH/SIDA, utilização, confidencialidade e harmonização com os standards europeus.
- O papel da CNsida como promotora de reformas e recomendações.
i. Criação grupo parlamentar transversal VIH/SIDA.
- Cooperação com ONGs dos PALOPs.
- Participação na ONUSIDA/UNGASS.
- Contribuição nacional para o Fundo Global ATM.

3. Prevenção
- Salas de consumo assistido.
- Utilizadores de drogas endovenosas; as lacunas do KIT, cannabis terapêutica; acesso hospitalar à substituição opiácea; heroína medicalizada; equipas de rua. S.N.S. e a redução de riscos, substituição, material de injecção.
- Preservativos; recusa de entrada e distribuição de preservativos nas prisões.
- Campanha testes vs listas de espera 1ª consulta.
- Despistagem do VHC nas unidades móveis; discriminação e confidencialidade nos testes das carrinhas em bairros.
- Mulheres: vulnerabilidade e falta de informação.
- Profilaxia pós-exposição não ocupacional (PEP).

4. Terapêuticas e acesso aos medicamentos
- Linhas de orientação terapêutica (Guidelines) nacionais e participação da comunidade. Algoritmos terapêuticos mais baratos? Responsabilidade da CNsida? Limitação em 4% no aumento de custos com medicamentos?
- Acesso universal aos ARVs e desigualdade consoante os hospitais.
- Acesso universal e populações específicas:
i. Imigrantes legais e ilegais e minorias étnicas.
ii. Reclusos (seguimento durante a reclusão e após reclusão).
- Medicamentos não comparticipados importantes para a vida dos seropositivos.
- Transplantes para seropositivos.
- Reprodução assistida para seropositivos.

5. Adesão
- Boas práticas na promoção da adesão (Joaquim Urbano).
- Centros de terapêutica combinada.
- Adesão geral, boas práticas, definição de objectivos, reconhecimento profissional dos pares.
- Acesso aos ARVs, despistagem e programas de apoio à adesão para grupos vulneráveis.
- Literacia em Tratamentos (publicação/formação).
- Adesão e QoL.

A próxima reunião mensal está marcada para dia 15 de Fevereiro.

quarta-feira, Dezembro 28, 2005

Menos casos de sida no ano passado (?!)

Dream on baby...

DN 28.12.05

Há mais médicos por habitante e menos casos de sida diagnosticados no ano passado, comparando com 2003. Estas são as conclusões mais relevantes das estatísticas do INE para a área da saúde e as melhores notícias para a população.
...
O número de infectados com o vírus HIV no nosso País não pára de crescer, mas os 642 novos casos diagnosticados no ano passado são inferiores aos registados em 2003, uma descida de 22,7%.
...

segunda-feira, Dezembro 26, 2005

Salas de chuto não são assunto fechado



DN 22.12.05

Sampaio lamenta falta de coordenação entre ministérios no combate à droga

O Presidente da República defendeu ontem a necessidade de ver discutida a criação de salas de injecção assistida em Portugal. "Essa discussão não está fechada e deve estar sempre presente", disse Jorge Sampaio, após visitar o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT), sedeado em Lisboa. Para combater os números da incidência do HIV/sida entre os consumidores de drogas injectáveis, o Presidente considera necessário continuar a vigilância e insistir nas políticas de redução de danos e minimização de riscos (como a troca de seringas).

Afirmação que vem ao encontro das intenções do presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência, João Goulão, que já anunciou a vontade de ver criadas salas de injecção assistida - espaços onde os toxicodependentes podem consumir droga com a supervisão de técnicos.

Sampaio aproveitou para lamentar a falta de coordenação entre os diversos ministérios com responsabilidades nesta matéria em Portugal. "Coordenamo-nos mal e isso é uma pecha séria. Deve haver uma maior coordenação para haver maior eficácia", disse.

A aposta em políticas de substituição opiácia (como a utilização de metadona no tratamento da adição) é também, para o Presidente, urgente para combater os números da droga em Portugal. O País vive, segundo Sampaio, uma "situação peculiar". O consumo de heroína "está estabilizado, mas subiu o consumo de cocaína e cannabis. E há uma situação difícil do ponto de vista da relação entre os toxicodependentes e os infectados pelo HIV/sida. Somos o País que na Europa tem visto subir mais este número", afirmou.

Num dia dedicado à problemática da droga, Sampaio visitou o bairro degradado Quinta da Serra, no Prior Velho, acompanhado pelo presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT). Depois de ter ouvido a experiência dos Médicos do Mundo com a população, maioritariamente imigrante, o Presidente questionou a associação de moradores sobre o consumo de droga. Segundo a presidente da associação, Floresbela Pinto, a toxicodependência não é, hoje, uma realidade. Ainda assim, Jorge Sampaio alertou para a necessidade de o IDT restabelecer os protocolos que teve com a junta de freguesia de Prior Velho e de que resultou a prevenção primária do consumo de drogas no bairro.

Sampaio aceita salas de chuto



CM 22.12.05

O Presidente da República, Jorge Sampaio, revelou ontem abertura para a discussão da possibilidade de Portugal vir a instalar salas de injecção assistida, destinadas ao consumo de drogas.

As declarações de Jorge Sampaio foram feitas após um encontro com o director do Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência, Wolfgang Goetz, e antes de uma visita ao Bairro Quinta da Serra, Prior Velho, no concelho de Loures, um local problemático durante anos.

“Há algumas experiências-piloto [com as salas de injecção assistida] em vários países europeus. O debate deve estar sempre presente e os governos devem discutir essa situação”, declarou o Presidente da República aos jornalistas.

Quem também se mostra defensor desta medida é o presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência (IDT), João Goulão. “Há zonas de consumo de altíssimo risco, para o toxicodependente e para os que lhe estão próximos, em que não têm um mínimo de condições ou dignidade.”

Este responsável reconhece que as salas de injecção assistida são “uma medida polémica” que não foi implementada em Portugal, apesar do ordenamento jurídico,por falta de empenhamento político”. João Goulão sublinha ainda que as salas de chuto são um ponto de encontro com profissionais de saúde em que o pressuposto da redução de risco não fica apenas pela troca de seringas. “Passa também pela possibilidade de reabilitação do toxicodependente.”

O Chefe de Estado considerou ainda que existem, nos dias de hoje, novos desafios no combate à droga, como o alargamento da União Europeia, que representa novas fronteiras.

Após uma visita-relâmpago ao Bairro Quinta da Serra, no Prior Velho, Jorge Sampaio ouviu da representante da associação de moradores, Floresbela Pinto, 26 anos, que hoje não há problemas de droga no bairro. E justifica: “Os que se dedicavam ao tráfico foram apanhados pela polícia, estão presos, enquanto a maior parte dos consumidores já morreu.”

NUM MINUTO

SEM CONDIÇÕES
Actualmente vivem cerca de 1300 pessoas (300 famílias) no Bairro da Quinta da Serra, composto por barracas. Os principais problemas que afectam esta população são a falta de condições de habitabilidade, saneamento básico e ainda o desemprego, que afecta sobretudo os jovens, pouco escolarizados. Aliás, a falta de trabalho tem impulsionado a emigração para países europeus.

MÉDICOS DO MUNDO
A Associação Médicos do Mundo instalou-se no Bairro da Quinta da Serra há três anos, numa carrinha móvel. Hoje já têm instalações, onde desenvolvem trabalho na área da prevenção da toxicodependência, da sida e das doenças sexualmente transmissíveis.

APELO
Prestes a terminar o seu mandato, Jorge Sampaio apelou ao envolvimento de todos os parceiros sociais (autarquias, instituições, associações, voluntários, comunidade) no trabalho de prevenção da droga.

sexta-feira, Dezembro 23, 2005

Todos moçambicanos têm parente seropositivo ou morto pela SIDA

Lusa 21.12.05

O presidente moçambicano, Armando Guebuza, afirmou hoje que o impacto do HIV/SIDA em Moçambique é de tal ordem que "todas as famílias têm alguém que morreu de SIDA" ou está infectado por HIV, o vírus da doença.

Numa declaração a vários grupos sócio-profissionais sobre a situação da SIDA em Moçambique, Guebuza recordou que "há uns anos, os moçambicanos só ouviam que alguém morreu de SIDA, mas não sabiam de onde era essa pessoa, em que aldeia se encontrava".

"Mas hoje todas as famílias têm alguém que morreu de SIDA ou têm alguém doente de SIDA, já vemos muita gente com a doença", sublinhou Armando Guebuza. O chefe de Estado moçambicano afirmou ainda que o país já tem zonas, regiões e povoações em que "não há jovens e só se encontram velhos e crianças" por causa da pandemia.

Armando Guebuza pediu uma reflexão sobre o impacto das mensagens de prevenção da doença, sustentando que os números de infectados continuam a aumentar, apesar das inúmeras campanhas já realizadas. A discriminação resultante da doença e o seu estigma, sobretudo em relação aos órfãos, foram também referidos pelo presidente moçambicano que defendeu que referências como "órfãos de pais que morreram de SIDA" são também "uma forma de discriminação".

"Dizemos que esta criança é órfão de pai que morreu de HIV/SIDA e marcámos a criança, é uma criança diferente e até temos orfanatos de crianças vítimas da doença", insurgiu-se Armando Guebuza.

A última pesquisa governamental sobre o HIV/SIDA apontou um aumento de 13 para 16 por cento da incidência do HIV/SIDA entre os adultos moçambicanos.

quarta-feira, Dezembro 21, 2005

Há mais vida para além do infortúnio

Lusa 20.12.05

A vida tem agora outros horizontes para 180 dependentes de drogas duras que decidiram pedir ajuda ao único Centro de Terapias Combinadas (CTC) de Portugal após contraíram o vírus da sida e tuberculose.

"Sei que a minha esperança de vida continua curta, mas, ainda assim, é bem maior do que a sentida quando descobri a infecção pela sida", testemunha o antigo consumidor de heroína José, 36 anos, um dos utentes do CTC, que funciona no hospital de doenças infecto-contagiosas Joaquim Urbano, na zona Oriental do Porto.

As estatísticas sustentam a convicção de José: neste hospital, a taxa anual de mortalidade dos seropositivos com tuberculose está hoje reduzida a quase um terço da registada em 1998, passando de 55 para 20 cento.

"A tuberculose nos doentes com sida é mais difícil, reactiva-se mais facilmente, mas é curável, como se tem comprovado neste serviço", sublinha o médico João Semedo, presidente do Conselho de Administração do Hospital Joaquim Urbano.

José descobriu "por acaso" que estava infectado pelo vírus da sida em 2000, quando já era dependente da heroína e foi ao Hospital João Urbano procurar cura para a tuberculose que entretanto contraíra. "Sofri o choque da minha vida", recorda, amargurado, este homem que perdeu o pai aos 12 anos, consome drogas desde os 14 e vive agora com 149 euros mensais da Segurança Social, depois de deixar um emprego na construção civil, devido aos seus problemas de saúde.

Cinco anos depois de descobrir que era seropositivo, o ex-heroinómano como que segue, sem saber, o apelo contido num poema Manuel Laranjeira, escrito em momento de agonia:
"Espera aí vida, que ainda te não vivi". Já venceu a dependência da heroína com a ajuda de metadona, ficando-se pelos consumos de haxixe, continua a luta contra a tuberculose com terapêutica antibacilar e nunca facilita na toma dos retrovíricos, necessários para compensar a debilitação das suas defesas orgânicas pelo vírus da sida.

Conhecido entre profissionais de saúde como a "loja do cidadão toxicodependente infectado", o CTC difere dos vulgares CAT (centros de atendimento a toxicodependentes) porque valoriza, em pé de igualdade, as ajudas médica e social aos utentes. Enfermeiros, pneumologistas, infecciologistas, psicólogos, psiquiatras, odontologistas, assistentes sociais e técnicos psico-educativos integram a equipa do CTC.

"Chegamos a tratar de apoios da Segurança Social para os doentes ou até a levá-los ao Registo Civil para tirarem o bilhete de identidade", detalha o presidente do Conselho de Administração do Joaquim Urbano. A organização de actividades lúdicas e o tratamento da dentição, geralmente em muito mau estado, são também asseguradas pelo centro. "Ao tratar-lhes os dentes, estamos sobretudo a estimular a auto-estima de pessoas perfeitamente desestruturadas", observa João Semedo.

O retrato-robô do utente deste serviço aponta para um homem dos 25 aos 40 anos, dependente ou ex-dependente da heroína, com baixo nível de escolaridade, sem retaguarda familiar, desempregado, em alguns casos sem residência fixa e sobrevivendo do pequeno delito ou do apoio da Segurança Social.

Para muitos deles, "o melhor momento do dia" é a altura em que se deslocam ao hospital, onde podem conviver com companheiros de infortúnio e se sentem acarinhados e apoiados, diz João Semedo.

O CTC funciona todos os dias das 08:00 às 20:00 e José, que integra o primeiro de três turnos de atendimento, garante que nunca falha. "Tem de ser. Sei muito bem que tenho a vida amarrada a isto", admite este ex-heroinómano, que viu frustrarem-se várias tentativas de desintoxicação, quando ainda se julgava sem patologias infecciosas.

"Uma delas aconteceu em Barcelona onde, entre 40 toxicodependentes, era o único a falar português. E afinal, nem era preciso percorrer 1.200 quilómetros quando tinha o que precisava aqui à porta", diz o doente, que reside com a mãe numa modesta habitação da freguesia portuense de Campanhã.

José desloca-se todos os dias ao Joaquim Urbano de autocarro, com uma senha que lhe é dada pelo hospital, e o primeiro "tratamento" que faz é ao estômago, uma vez que o hospital garante o pequeno-almoço (ou o lanche nos turnos da tarde) a todos os utentes do CTC. Depois, recebe a senha de autocarro para o dia seguinte e desloca-se ao pavilhão de tratamentos para lhe serem administrados os retrovíricos, a terapêutica antibacilar e uma dose de metadona, que vai diminuindo ao longo do tempo.

"Nisso não facilitamos", assegura João Semedo, reconhecendo que esta é "a única forma" de garantir que a terapêutica é seguida, já que as múltiplas reacções secundárias provocadas pelos retrovíricos tentam os utentes a desistir.

Seguem-se as consultas das diversas especialidades, algumas de grupo, e o apoio social e psico-educativo, num persistente e nem sempre frutuoso trabalho. "São trajectos muito longos, mas sabemos que não pode haver pressas, nem milagres, nesta arte de tratar os doentes toxicodependentes. Uma pequena vitória, que é rara, dá muita satisfação e é um estímulo enorme para as equipas", afirma o gestor do hospital.

A enfermeira Susana Ribeiro, 30 anos, que no seu percurso profissional de seis anos nunca fez outra coisa senão lidar com doenças infecto-contagiosas no Hospital Joaquim Urbano, subscreve a opinião e nega o "desgaste" geralmente imputado a quem trabalha neste serviço.
"As dificuldades é que tornam o desafio mais estimulante", assegura.

Activistas denunciam abusos de direitos humanos

WE WILL NOT BE SILENCED ON CRIMES AGAINST US, PLWHA SAY
People living with HIV/AIDS start documenting Human Rights Violations

World AIDS Day 2005 saw a series of human rights violations against people living with HIV/AIDS, including murders of AIDS activists in Jamaica and Honduras. Today, a broad coalition of people living with HIV/AIDS has decided to collect documented events of social injustice, stigma and discrimination, criminalisation, (sexual) violence and other Human Rights violations involving people living with HIV/AIDS. The events will be analysed and the collection published on the occasion of World AIDS Day 2006.

Thursday December 1, 2005 was the 18th time the world celebrated World AIDS Day: a day where people from around the world express their solidarity and support for people living with HIV/AIDS. However, 25 years into the epidemic there is still little to celebrate.

Worldwide the community of people living with HIV/AIDS, our allies and all who care about us, have reacted shocked at the atrocities which happened around this 18th World AIDS Day.

In Jamaica prominent AIDS activist Steve Harvey was abducted and shot dead. Steve was a brave and committed activist, representing the interests of all people living with HIV/AIDS. In Honduras gay AIDS activist Amed Baraona was brutally stabbed to death. Amed was 25 years young.

In Swaziland - the country with the highest HIV-prevalence in the world - absolute monarch King Mswati III cancelled World AIDS Day by Royal decree. In Harare, Zimbabwe, police halted a World AIDS Day demonstration and arrested 164 participants. Five organizers were held until December 2.

"Keep the Promise" was the slogan of this World AIDS Day. The promise of providing 3 million people living with HIV with ARV by 2005. The promise of reducing the number of new infections. The promise of combating and reducing stigma and discrimination, the main fuel for HIV propagation. But in past weeks it has become clear most of these promises are hollow rhetoric. The most vivid example is in the 3 by 5 initiative. Sadly, "3 by 5" appears not to refer to treatment, but to mortality. In 2005, 3 million people died of HIV/AIDS. This year an estimated 5 million people became HIV-positive, more than ever in one year - and there appears to be no slowdown.

People living with HIV and their advocates have fought for 25 years for the right to live full, productive and healthy lives, they fight for social justice, tolerance and universal access to treatment and care. Yet these rights continue to be denied.

China has chosen to dose fuel the fire with kerosene, by first announcing detainees with HIV will be isolated in separate prisons, and subsequently proposing nation-wide mandatory testing.

In Europe, governments make the same mistake by repeatedly prosecuting positive people who had unsafe sex with consenting partners. Luckily some governments have turned back from this path, realizing criminalization of HIV transmission would greatly hamper their prevention efforts.

In South Africa, 1 in 9 people now is living with HIV/AIDS. Infection rates rose from 27.9 percent to 29.5 percent. Nevertheless, at her World AIDS Day speech, Health Minister Manto Tshabalala-Msimang claimed that South Africa is on the right path, and advised people living with HIV/AIDS to eat lots of vegetables and garlic.

These are just a few examples of violations towards people living with HIV/AIDS. But they are not isolated, they are just the tip of the proverbial iceberg. Everyday, everywhere, people living with HIV are being discriminated, stigmatised, violated, raped, murdered - sometimes by direct violence, but mostly by neglect and the unwillingness of the international community to provide anti-retroviral treatment universally.

In a message on World AIDS Day 2005 the Nairobi Think Tank called for the global movement of people living with HIV/AIDS to revitalize our ways of taking action in the global AIDS response. The events of World AIDS Day can only reinforce this call for a widespread radical mobilization of HIV positive communities.

In spite of all efforts AIDS is still far from a normalized disease. It seems the battle needs to be fought over and over again, but the global movement of people living with HIV/AIDS will never be silenced. We will not be silenced.

Background:
A revitalisation of AIDS Activism is needed in this time of increasing human rights abuses against PLWHA. A coalition of people living with HIV/AIDS, has taken the initiative to gather information on a wide range of human rights violations committed against people living with HIV/AIDS. The information will be collected and analysed in a Black book on HIV/AIDS and Human Rights and published on World AIDS Day 2006.

The database is expected to go online in January 2006 at www.gnpplus.net . More information on the Nairobi Think Tank is also available at this site.

Signatories:
African Network of Religious leaders living with and closely affected by HIV and AIDS (ANERELA+)
European AIDS Treatment Group (EATG)
Gay Men's Health Crisis (GMHC)
Global Network of People living with HIV/AIDS (GNP+)
International Community of Women living with HIV/AIDS (ICW)
International Council of AIDS Service Organizations (ICASO)
International Treatment Preparedness Coalition (ITPC)
Young Positives

domingo, Dezembro 18, 2005

Hong Kong stories - 2

WTO uses AIDS patients to cover up development round failure

The amendment to the TRIPS-agreement hailed by WTO members fails to ensure access to affordable medicines, say international AIDS organizations.

(Hong Kong, Friday 16 December 2005)
By making permanent the waiver adopted August 30th, 2003, WTO is blocking access to affordable medicines for countries with little or no production capacity. These countries will be denied the possibility of importing generic medications from countries with production capacity. Moreover, by removing incentives for manufacturers, generic production of recent and future medicines (including the most needed second-line AIDS treatment) will be strongly discouraged.

Health experts worldwide have denounced the TRIPS amendment as a bad deal, which will cripple an effective response to public health needs. "How can a system that requires order-by-order, drug-by-drug, country-by-country procedures be seen as an improvement?" says Mauro Guarinieri, chair of the Global Network of People living with HIV and AIDS (GNP+).

Pascal Lamy, WTO Director-General, Peter Mandelson, EU Trade Commissioner, Rob Portman, US Trade Representative, and Harvey Bale, director of the International Federation of Pharmaceutical Manufacturers, all herald the TRIPS amendment as a great success, claiming it is proof of the WTO taking into account the needs of developing countries.

In reality the WTO's decision of December 6th introduces in the agreement a cumbersome and more restrictive mechanism than the already existing flexibilities. The amendment goes against the primacy of health over trade, a principle that was unanimously approved in Doha by the same WTO.

AIDS organizations worldwide denounce the hypocrisy and gross exploitation of people’s needs and rights to health under the new agreement.

"Pascal Lamy and others wanted to make sure the issue was off the table before Hong Kong. And to use it to cover up the fact that the current talks are a complete failure," says Wim Vandevelde, board member of the EATG.

The countries endorsing this amendment include the same which committed to universal access to antiretrovirals by 2010. "What these countries are showing here is complete schizophrenia" says Guarinieri. "With this amendment they go against the grain of their earlier commitments. Moreover, some of them are also engaging in bilateral TRIPS+ negotiations, pushing for more restrictive provisions than those actually required by TRIPS."

"This is the same scenario we witnessed in Cancun where developing countries were caving in on health in the hope of getting benefits in other areas," says Khalil Elouardighi of ACT-UP Paris. "Benefits the developing countries never received."

WTO Members have until Dec. 1, 2007, to ratify the amendment by two thirds of its 149 members. This means that members still have the right to object and revoke this unfortunate, harmful and hasty decision.

AIDS organizations urge countries to make sure the primacy of health is not undermined by the current solution, to protect their citizens’ legitimate aspiration to enjoy full access to life-saving medications, and to turn down a solution that only serves the interests of rich countries and of the pharmaceutical companies.

Hong Kong stories - 1

Joint NGO Statement on Need for WTO Moratorium on Regional and Bilateral Trade Agreements and Policies Undermining Access to Health
---------
Hong Kong, December 17, 2005


The following NGOs call upon WTO Members and their trade negotiators to protect the public from the explosion of one-sided and harmful regional and bilateral trade agreements that impose TRIPS plus obligations on developing countries that undermine access to medicine.
These include but are not limited to:
1. Restrictions to the grounds for compulsory licensing,
2. Restrictions on parallel trade,
3. Controversial obligations to create exclusive rights to the test data used to register new drugs,
4. Extensions of patent terms beyond 20 years,
5. Obligations for drug regulators to enforce patents of dubious validity or relevance, and
6. Obligations to grant patents on second uses of medicines.

These regional and bilateral trade agreements are the product of very unequal power relations. They are a deliberate effort to undermine the multilateral trading system. They are contrary to the values expressed in the 2001 WTO Doha Declaration on TRIPS and Public Health. Unless the WTO can place meaningful restraints on such trade negotiations, consumers, including poor consumers, will not be protected from the effects of excessive and inappropriate intellectual property rules.

We ask that Members agree to a moratorium on any new bilateral and regional trade agreements that include provisions involving intellectual property rights and medicines, and that all WTO Members agree they will not enforce any provisions in such agreements that are contrary to the 2001 Doha Declaration on TRIPS and Public Health.

We can no longer tolerate public officials patting themselves on the back for laudatory declarations on access to medicines that are not backed up by actions, and which are not only ignored in practice, but which are actively subverted in these regional and bilateral agreements.

We ask these issues be specifically addressed in the spring meeting of the WTO that follows the Hong Kong Ministerial.

Signed (Listed alphabetically)
Act Up-Paris
ALCS (Association de Lutte Contre le Sida)
All India Drug Action Network
Consumer Project on Technology
Consumers International
Consumers Union
Diverse Women for Diversity
EATG (European AIDS Treatment Group)
Foundation for Consumers, Thailand
FTA Watch, Thailand
Health and Development Foundation, Thailand
International Peoples Health Council
MSF Access to Essential Medicines Campaign
Navdanya
Oxfam International
People's Health Movement
Peoples Health Network
Research Foundation for Science, Technology and Ecology
Thai Drug Study Group
The Global Network of People Living with HIV/AIDS (GNP+)
Third World Network
URFIG

terça-feira, Dezembro 13, 2005

Abstinência sexual como resposta à sida "é irrealista"

Publico 09.12.05

A abstinência sexual, defendida por vários grupos religiosos como a única resposta contra a propagação da sida, foi hoje considerada irrealista pelos participantes na 14ª conferência sobre a sida em África, que decorre em Abuja, na Nigéria.

Para os críticos esta é uma resposta “redutora e perigosa”, que, excluindo a promoção dos preservativos como forma de prevenção da doença, apresenta um perigo real para um continente que comporta dois terços das pessoas infectadas em todo o mundo.

A ex-mulher de Nelson Mandela, Winnie Madikizela-Mandela, surgiu na conferência como uma das defensoras da abstinência sexual. “Começamos por dizer, enquanto mães na África do Sul: existe um remédio para a sida. Esse remédio muito simples chama-se abstinência”, argumentou a activista, suscitando entre os presentes uma mistura de aplausos e palavras de indignação.

Uma jovem do Zimbabwe manifestou a sua decepção pelo facto de Winnie ter assumido essa posição, enquanto uma outra participante, de 30 anos, questionou Mandela sobre se considerava a sua proposta realista, acusando-a de estar “desligada com o que se passa” em África.

A escritora nigeriana e Prémio Nobel da Literatura em 1986, Wole Soyinka, foi outra das vozes que contestou a abstinência sexual como solução para a sida, afirmando que “o sexo faz parte da vida”. “Às vezes, certas pessoas dizem: ‘tratem de se casarem e encontrarão um parceiro para a vida’. Sabemos todos muito bem que esse é um cenário muito raro”, continuou Soyinka na sua intervenção, deixando um apelo à “responsabilidade individual”, que passa pela “capacidade de saber quando é necessário tomar medidas preventivas”.

Pelo lado da defesa da abstinência sexual, alguns dos presentes na conferência empunharam faixas onde se podia ler: “A abstinência é a resposta, não os preservativos”. Vários religiosos manifestaram também a sua posição a favor, a maioria de forma moderada, como Michael Kelly, um jesuíta sedeado na Zâmbia que defendeu a opção por “uma escolha responsável que permita a cada indivíduo adoptar um comportamento o menos arriscado possível”.

À margem da conferência, várias organizações não-governamentais (ONG) divulgaram uma declaração a condenar o programa norte-americano PEPFAR (Plano de Ajuda de Urgência do Presidente para o HIV-Sida), defensor da “abstinência e fidelidade”. Os signatários do documento lamentam que certos países africanos tenham começado a alterar a sua abordagem perante a sida sob influência dessa ideologia sustentada por igrejas evangelistas norte-americanas.

As ONG dão como exemplo o caso do Uganda, onde a abstinência ganhou recentemente adeptos, “em detrimento da promoção universal do preservativo”. As organizações consideram que essa abordagem do problema apenas contribuiu para aumentar a estigmatização sobre as pessoas infectadas em África, que, segundo a Onusida, atinge 25,8 milhões.

Ministro da Saúde confirma contágio de tuberculose

Lusa 12.12.05

O Ministro da Saúde admitiu hoje a possibilidade de mais casos de contágio de tuberculose no hospital de São João, no Porto, além de três confirmados, mas afastou a hipótese de encerrar o serviço de pneumologia.

"Temos a informação de que há três casos com suspeita de infecção por bacilo activo da tuberculose, é possível que venham a existir mais alguns que estão sob observação, de qualquer forma a situação não é grave porque é hoje facilmente tratável", afirmou Correia de Campos durante uma deslocação a Bragança.

O ministro indicou que o Ministério da Saúde está a acompanhar o caso, mas realçou que as decisões sobre a matéria são tomadas a nível da instituição (o hospital).

Questionado pelos jornalistas se está a ponderar encerrar o serviço de pneumologia, o alegado foco de contágio, Correio de Campos respondeu: "De maneira nenhuma".

Segundo o ministro, se a descoberta de casos de contágio por um paciente fosse critério para encerramento "tinham de encerrar todos os serviços de pneumologia do país onde há doentes tuberculosos".

"Imagine-se agora que íamos encerrar os sanatórios onde se descobriam tuberculosos activos, não é possível", afirmou, considerando que, se assim fosse, não teria sido possível lutar contra a tuberculose nos sanatórios portugueses entre as décadas de 40 e 70 do século passado.

segunda-feira, Dezembro 05, 2005

É tempo para "conscientização"

Time for Conscientização

Revitalising the Global Movement of People Living with HIV


Communiqué from the Nairobi Think Tank meeting of people living with HIV
28-30 November 2005

Twenty-one individuals living with HIV from around the world met in Nairobi
to brainstorm on ways to urgently revitalise the global movement of people
living with HIV.

The group came together to help capture issues being raised among HIV
positive people in many forums. Issues include what is perceived to be a
growing crisis as national, regional and global AIDS responses continue to
grow without meaningful active participation of people living with HIV.

A lack of coordination, shared goals and principles among organizations and
networks of people living with HIV, combined with institutional problems,
individual burn-out, and a lack of funding severely compromise the ability
of people living with HIV to take their rightful place at the centre of AIDS
responses. This has come at a time of increased human rights abuses of HIV
positive people and a time when AIDS responses are increasingly being driven
by ideologies that ignore the principles of the centrality of people living
with HIV.

Many HIV positive leaders have called for a revitalization in how HIV
positive people take action in AIDS responses – building on our past
successes, strengths and recognising the invaluable HIV positive
contribution to the design, delivery and evaluation of effective interventions.

The meeting proposed to inform a consultation process for people living with
HIV based on the urgent need for a widespread “conscientização” – a radical
mobilization of HIV positive communities worldwide.

This conscientização can be initiated through discussion and action based on
the following suggested core principles and focus areas for action:

Principles

Our responses should:

1. Be centred on the lives of people living with HIV
2. Take GIPA to a higher level of meaningful active participation
3. Be based on social justice and equality
4. Be focused on change
5. Respect and promote human rights
6. Respond to basic human needs
7. Promote and practice solidarity
8. Empower HIV positive individuals and groups
9. Be accessible, transparent and accountable
10. Be well coordinated, monitored and evaluated
11. Be built on our past successes and experiences
12. Respect diversity in approach
13. Invest in human resource needs and new leadership
14. Global action must be based on country realities
15. Scale-up now

Focus Areas for Action

The meeting expressed one immediate ‘non-negotiable’ demand to help secure
the active participation of HIV positive people in organizations working at
a global level on AIDS. The meeting stated that any organization working on
AIDS globally must have openly HIV positive staff and openly HIV positive
representatives on any boards, or similar governance structures, think tanks
or steering committees. To date there has been an unacceptable failure to
ensure this.

The meeting also suggested seven areas for urgent action to revitalise the
global movement of people living with HIV.

It is proposed these suggestions now inform an initial two month
consultation process – as part of an ongoing effort to revitalise the global
movement of people living with HIV.

The process will be developed and coordinated by a number of working groups
to ensure the views of as many networks and organizations of people living
with HIV as possible are incorporated.

The seven proposed areas are:

• Making Universal Access to quality treatment a reality
• The vigorous on-going promotion and defence of human rights
• Increasing the radical mobilization/conscientização of positive communities
• Reclaiming GIPA through guidelines, setting indicators and monitoring
• Organizational Development for local organizations of people living with HIV
• Urgent resource mobilization for local efforts of people living with HIV
• Increased transparency and inclusiveness and improved coordination in the
“global movement”

Ministério Público brasileiro e ONGs abrem acção civil para quebra de patente do Kaletra

Agência AIDS 01.12.05

Em uma decisão inédita, Ministério Público Federal e organizações de luta contra aids entraram hoje, dia 01, em Brasília, com uma ação civil que obriga a quebra de patente do anti-retroviral Kaletra por parte do Ministério da Saúde. A ação movida contra o Governo Federal suspende o monopólio da Abbott na fabricação de uma das drogas mais caras que integram o coquetel anti-Aids, distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e permite que laboratórios nacionais passem a produzir o medicamento.

De acordo com o Procurador da República, Peterson Pereira, responsável pela ação no Ministério Público, foram investigados abusos praticados pela industria farmacêutica Abbott e constatado que o licenciamento compulsório, atende não só a interesses públicos como pode acarretar uma economia de US$ 65 milhões, caso o medicamento passe a ser fabricado pela indústria nacional. “Isso que estamos fazendo é compromisso com a saúde dos portadores do HIV/Aids, além disso o Brasil tem condições legais de quebrar a patente do Kaletra”, afirma Pereira.

Sem utilizar a licença compulsória, o Ministério da Saúde firmou em outubro deste ano um acordo com a Abbott para redução do preço cobrado pelo Kaletra. Segundo o entendimento estabelecido pelo Ministério da Saúde, o preço unitário do medicamento passou de US$ 1,17 para US$ 0,63 e não foi necessário iniciar o licenciamento compulsório do Kaletra, porque o preço negociado é menor do que o praticado, caso o medicamento passasse a ser fabricado por laboratórios nacionais.

De acordo com os proponentes da ação, a explicação não é correta e o preço mais baixo não representa vantagem econômica para o País. O Procurador da República, Peterson Pereira, explica que o acordo impede a transferência de tecnologia e o desenvolvimento da industria nacional, que poderia estar investindo na produção da versão genérica do Kaletra. “O governo tem uma alternativa mais eficiente e que combate o alto preço do medicamento, que é a licença compulsória”, garante o Procurador.

Orçamento gasto com Kaletra
Jorge Beloqui é membro do Grupo de Incentivo à Vida (GIV), uma das organizações que assinam o documento. Segundo ele, é necessário que o poder público tome medidas para coibir excessos por parte da industria farmacêutica. Na opinião do ativista, “interesses secretos” colocam em risco a saúde de mais de 23 mil portadores da doença que utilizam o Kaletra na terapia anti-retroviral. “Não é só a esfera judicial. Aqui tem vidas em jogo”, ressalta Beloqui. Existem no Brasil 170 mil pacientes que utilizam anti-retrovirais, destes 23,4 mil são atendidos com o Kaletra.

Dados do Programa Nacional de DST/Aids mostram que o gasto com anti-retrovirais chega a R$ 1 bilhão por ano. Em 2005, só o Kaletra tomou 30% deste valor. “É a própria sustentabilidade do Programa Nacional que está em jogo. Como gastar tanto com medicamentos que poderiam ser mais baratos”, questiona o ex-coordenador do Programa Nacional de DST/Aids e atual consultor do programa estadual de São Paulo e da Organização Mundial da Saúde (OMS) para HIV/Aids, Paulo Roberto Teixeira.

A ação recebeu apoio de parlamentares, integrantes do Conselho Nacional de Saúde e 40 organizações não-governamentais que integram o Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual, da Rede Brasileira pela Integração dos Povos. O documento foi encaminhado a um juiz de 1ª instância que irá examinar o pedido e proferir uma liminar.

Segundo o documento encaminhado pelo Ministério Público, se a decisão for favorável, os direitos da Abbott ficam suspensos e laboratórios nacionais podem começar a investir na produção do medicamento. Mas favorável ou não, caberá recursos para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região. “Caso a ação seja favorável, vamos entrar com pedidos para quebra de patentes de outros medicamentos onerosos para o Programa Nacional de Aids”, projeta a advogada da organização Conectas Diretos Humanos, Eloísa Machado.
(...)

domingo, Dezembro 04, 2005

Uma tendência perigosa



HIV names reporting gaining in popularity
D.C. and Md. among handful to use codes, risking funds

By LOU CHIBBARO, JR.
Dec. 02, 2005
NATIONAL NEWS washingtonblade.com

In the 1980s, when many feared that AIDS could be spread through
casual contact, gay and AIDS activists considered the idea of
reporting the names of people who tested positive for HIV to
government health departments to be out of the question.

Agreeing with activists that an HIV diagnosis could lead to
discrimination and hostility, health departments in most of the states
shunned names reporting procedures and embraced the concept of
anonymous HIV testing programs.

Now, more than 20 years later, the trend is going in the opposite
direction. Thirty-nine states have adopted systems of confidential HIV
names reporting similar to the names reporting procedures that have
been in place for nearly a century for other sexually transmitted
diseases.

New York and Illinois were the latest states to adopt a names
reporting system, with the Illinois system set to take effect in
January. Georgia adopted a names reporting system in December 2003.
Officials there said the new system did not lead to a decrease in the
number of people being tested.

To the surprise of some activists, AIDS organizations that for years
have objected to names reporting have quietly accepted the changes.

"I have to honestly say the sky has not fallen," said Ronald Johnson,
executive director of the New York City-based Gay Men's Health Crisis,
which became the nation's first AIDS advocacy group in the early
1980s.

Johnson said GMHC did not support a names reporting system when the
New York State Legislature adopted the system with the support of
Republican Governor George Pataki. But he said his group was
pleasantly surprised when it became clear that names reporting
procedures did not lead to a decrease in the number of people getting
tested for HIV at GMHC's facilities or at other testing sites in New
York.

Phill Wilson, executive director of the Black AIDS Institute, which
monitors trends in HIV and AIDS among African American gay men
throughout the country, said his group has observed a similar trend.

"The real question has been, if you move to names reporting, will
people not get tested?" Wilson said. "What we have found is that has
not happened. People have not been deterred from getting tested
because of names reporting."

When the AIDS epidemic burst on the scene in the early 1980s, the U.S.
Centers for Disease Control and Prevention persuaded the states to
report the names of those diagnosed with full-blown AIDS to state
health departments, which in turn, submitted information about cases
to the CDC.

The decision to adopt names reporting for full blown AIDS did not
trigger widespread objections in the early years of the epidemic
because those being diagnosed were already severely ill, and most died
soon after their diagnosis.

The confidentiality issue surfaced several years later, when
researchers discovered the virus that caused AIDS and developed a test
for the human immunodeficiency virus, or HIV, for both the sick and
for individuals who had not yet developed symptoms.

With gay men discovered to be among the groups at high risk for AIDS,
gay and AIDS activists led efforts to keep information surrounding HIV
testing confidential and in many instances anonymous. Activists
strongly opposed a names reporting system for HIV.

1990s brought new challenges

In the 1990s, the development of new and effective drugs that have
largely halted the onset of full-blown AIDS created a new set of
problems for tracking the disease, CDC officials have said. Counting
only AIDS cases was no longer useful for tracking the course of the
epidemic, experts said, because the epidemic consisted mostly of
people with HIV.

When the CDC called for improved data on the number of HIV cases, in
addition to the number of AIDS diagnoses, state health officials
developed a system of encoding the names of persons who tested
positive. That system became known as a "unique identifier system"
because it incorporated into the coding process some personal aspect
of the person being tested, such as a partial date of birth.

Currently, six states including Maryland, as well as the District of
Columbia have unique identifier systems for HIV reporting. Virginia
has a names reporting system.

Five states have a hybrid system that includes both a coded system and
a names-based system. In those states, HIV cases are initially
reported by name and are later converted to a code after public health
officials gather demographic information from the individuals that
tested positive.

The CDC, while not officially opposing the unique identifier system,
has said it fails to meet its certification standards for HIV case
reporting because it is less accurate than the names based system in
tracking the reach of the epidemic. According to CDC officials, the
unique identifier system often leads to duplication in counting cases
for people that move from state to state.

In recent years, state health officials have also said the unique
identifier system is far more costly and time consuming to administer
than the names reporting system.

Earlier this year, the CDC upgraded its support for a names reporting
system by changing its earlier position of "advising" states to adopt
it to "recommending" that they adopt the names system, according to
CDC spokesperson Jessica Frickery.

The CDC's stronger backing for names reporting came at a time when
Congress is poised to change the formula for doling out federal AIDS
funds in a way that could cut off millions of dollars in funds for
unique identifier states and the District of Columbia.

Under the current system, federal AIDS funds — including funds from
the Ryan White CARE Act — are based on the number of reported AIDS
cases. The new system, expected to go into effect in 2007, will base
the allocation of funds on the number of reported HIV cases.

Theoretically, if the CDC doesn't recognize HIV cases reported under
the unique identifier system, states using that system would be
counted as having only full blown AIDS cases, which they now report
through a names system. Under the new Ryan White funding formula, they
would have far fewer cases than states that use a names reporting
system for HIV cases and would likely receive millions of dollars less
in federal funds.

D.C. would be among the jurisdictions considered to have only AIDS
cases, even though D.C. has the nation's highest rate of HIV
infections.

The Department of Health and Human Services, which operates the Ryan
White program, has yet to disclose details on whether unique
identifier states will lose all or some funding under Ryan White. But
AIDS activists and state health departments have begun to respond as
if the new policy will result in the loss of millions of dollars in
federal AIDS funds if they continue with the unique identifier system.

Michael Montgomery, the openly gay chief of California's Office of
AIDS, has called on state officials to consider changing from a unique
identifier system to a names reporting system.

"HIV and AIDS were such a heavily stigmatized disease for populations
that are not power groups in our society," the Associated Press quoted
Montgomery as saying in July. "But we now have laws in place to
protect people from those forms of discrimination," AP quoted him as
saying.

`I have seen the light'

The National State & Territorial AIDS Directors, for which Montgomery
serves as an officer, has recently announced it, too, is considering
support for HIV names reporting as long as strict confidentiality can
be assured.

AIDS organizations in other states, including California and Illinois,
that once opposed names reporting, have also jumped on the names
reporting bandwagon, saying that system provides more accurate data on
the status of the nation's AIDS epidemic.

"I have been a longtime opponent of names reporting," said veteran D.
C. AIDS activist Carl Schmid, director of federal affairs for the AIDS
Institute, a national group. "Now I have seen the light. I feel as
long as confidentiality is assured, names reporting is acceptable and
even preferable."

In D.C., the Gay & Lesbian Activists Alliance has expressed strong
opposition to a names reporting system, saying the unique identifier
system adopted by Mayor Anthony Williams was needed to insure that
people would continue to come forward to get tested for HIV.

GLAA spokesperson Rick Rosendall said the small group of vocal,
longtime activists remains opposed to a names reporting system.

Gay D.C. Councilmember David Catania (I-At-Large) has also expressed
opposition to a names reporting system for the District, on the
grounds that the D.C. HIV/AIDS Administration was incapable of
administering a names systems due to understaffing in its epidemiology
unit.

Marsha Martin, the newly hired director of HAA, said Catania has told
her he would consider supporting changes to a city law that now
requires D.C. to use the unique identifier system if he sees
improvement in HAA's HIV surveillance and epidemiology procedures and
staffing.

Martin said she has taken steps since taking office two months ago to
rebuild HAA's HIV surveillance unit through a possible relationship
with George Washington University's School of Public Health.

© 2005 The Washington Blade A Window Media Publication

Onde estão as cobaias?

Será?

CM 04.12.05

O Infarmed não arquivou informação obrigatória sobre ensaios de remédios

Em seis meses, o Infarmed (Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento) só recebeu 97 comunicados de ensaios clínicos. A maioria dos doentes que testam novos remédios sofrem de cancro, doenças infecciosas (sida, em particular) e, outras, do sistema nervoso central e cardiovascular.

Segundo o Infarmed, não é possível quantificar o número de doentes dispostos a testar novos medicamentos, embora as estimativas apontem para duas mil pessoas. Isto porque “os dados só ficam disponíveis um ano após a conclusão do ensaio no último centro de investigação que nele colaborou”.

Questionado sobre o facto de só a partir de Março terem iniciado a construção da base de dados com este tipo de informação, o Infarmed alega que a lacuna se deve à falta de uma “Comissão de Ética para a Investigação Clínica cuja regulamentação começou a ser publicada este ano”.

INSPECÇÃO ESTRANHA
“Não se poderá afirmar que, face à anterior legislação, o Infarmed estivesse à margem da realização dos ensaios clínicos”, esclarece ao CM por escrito Fernando César Augusto, inspector-geral da Inspecção-Geral da Saúde (IGS). Significa que, mesmo antes de Agosto de 2004 – data de publicação da lei actual –, os testes de medicamentos em humanos eram obrigatoriamente comunicados ao Infarmed. O IGS adianta que, em dois anos, só registaram dois processos referentes a queixas.

Dados nada surpreendentes para Mário Jorge, presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública. “Os ensaios são muito rigorosos. Se pecarem, é por excesso e não por defeito.” Justifica que “há leis de protecção “, mas admite que “a população portuguesa tem um baixo conhecimento do trabalho científico e da linguagem clínica”. “Não há ensaios, nem procedimentos médicos isentos de riscos”, conclui.

HOSPITAIS PÚBLICOS DOMINAM
A maioria dos ensaios de medicamentos em humanos fazem-se nos hospitais públicos, onde decorrem 72 por cento das investigações. As unidades de saúde privadas garantem 22 por cento dos testes, os hospitais SA completam quatro por cento, o dobro das Instituições Particulares de Segurança Social.

Este tipo de investigação obrigatória e não ressarcida para o controlo de qualidade e de segurança dos remédios tem maior predominância na região de Lisboa, seguida do Norte do País. O Infarmed revelou ao CM que, desde Maio de 2005, foram comunicados “53 ensaios autorizados no âmbito do Decreto-Lei n.º 94/97 e 44 pedidos de autorização de ensaios clínicos no âmbito da Lei n.º 46/2004 [que revoga a anterior e toma o Infarmed como autoridade sobre Investigação Clínica]”.

No entanto, as pessoas dispostas a participar nos ensaios devem assinar um termo de aceitação com conhecimento informado de todos os procedimentos.

RESUMO
ENSAIOS CLÍNICOS
Ensaios sistemáticos com remédios em humanos. Desde Maio de 2005, os laboratórios que comunicaram ao Infarmed maior número de testes são: GlaxoSmithKline, Schering Plough Farma e Pfizer.

ACEITAÇÃO
Todas as pessoas dispostas a realizar estes ensaios devem assinar um termo de aceitação e de conhecimento informado dos objectivos da investigação e do médico responsável.

DUAS QUEIXAS
O Infarmed diz nunca ter recebido queixas de ensaios. A Inspecção-Geral de Saúde registou dois processos disciplinares, nos dois últimos anos, um dos quais resultou da instrução do processo de inquérito.

Faro é o terceiro distrito com mais casos de infectados

Lusa 30.11.05

O distrito de Faro é o terceiro do país em número de casos notificados de infecção pelo vírus HIV/Sida, segundo dados oficiais hoje divulgados pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve. Segundo a ARS do Algarve, o número de casos notificados aumentou entre 20 a 30 por cento de 2003 para 2004, tendência que se mantém para este ano.

Dados do Centro de Vigilância Epidemiológica indicam que depois de Setúbal e Lisboa, Faro é o terceiro distrito do País - em quarto está o distrito do Porto - onde se registaram mais casos de infecção de vírus da Imunodeficiência Humana (VIH/Sida). Já a médica Helena Massena, do Centro de Aconselhamento e Detecção do vírus da Sida (CAD), adiantou à agência Lusa que na região algarvia em 2005 já foram diagnosticados "o dobro dos casos de 2004", sendo a grande maioria de novos infectados notificados são pessoas heterossexuais.

"O número de novos casos registados desde 2000 são de transmissão por via heterossexual", informou a responsável no CAD do Algarve, adiantando que os casos relacionados com injecções - drogados [???? tanta delicadeza...] - também aumentou mas em menor escala do que no âmbito dos heterossexuais. Os programas de troca de seringas e distribuição de preservativos e a sensibilização junto das populações toxicodependentes são alguns dos factores para que os casos de Sida não aumentem à escala que estão a crescer junto da população heterossexual.

Os adolescentes que iniciam a relações sexuais cedo e mudam várias vezes de parceiro também são um dos grupos de risco [hello!!! não há grupos de risco, só comportamentos de risco!!] que por "vezes usam preservativo, mas outras vezes não", refere a médica Helena Massena. Também o número de testes que se realizam anualmente no CAD "têm aumentado, assim como a proporção de resultados positivos", lê-se numa nota de imprensa.
(...)

Daniela Mercury indignada

CM 04.12.05

A cantora brasileira Daniela Mercury está “indignada” com a proibição de cantar no concerto de Natal do Vaticano, que ontem se realizou, na Cidade do Vaticano, na presença do Papa Bento XVI. A decisão prende-se com o facto de a artista ter participado numa campanha de prevenção da sida que defendia o uso do preservativo.

Declarando-se “surpreendida e indignada” pela forma como o assunto foi conduzido pelo Vaticano, a cantora, que é embaixadora da UNICEF no Programa de Luta Contra a Sida, diz que não vai deixar de defender a causa. “A minha voz não poderá ser calada, porque esta é uma questão de vida e não uma lei”, disse numa entrevista à TV Globo.

“Defendo algo em que acredito profundamente. Não faço isso por mim, mas pelas gerações futuras”, acrescentou a ‘rainha do axé’.
(...)

Activista jamaicano assassinado

HUMAN RIGHTS WATCH
Jamaica: HIV/AIDS Activist Steve Harvey Mourned
(New York, December 1, 2005)

Human Rights Watch mourns the death of Steve Harvey, a leading Jamaican HIV/AIDS activist who worked tirelessly to defend the health and human rights of people living with and at high-risk ofHIV/AIDS.

Harvey, 30, was found dead early in the morning of November 30. According to Jamaican police, at least four assailants forced their way into Harvey’s home when he returned from work around 1 a.m. They tied up Harvey and two people staying with him, stole a number of their possessions, and abducted Harvey in the company car. Harvey was found with gunshot wounds in his back and head in a rural area miles from his home.

For more than a decade, Harvey was a leader in the struggle to defend the health and human rights of people living with and at high risk of HIV/AIDS. He worked with Jamaica AIDS Support since 1997, and represented the interests of marginalized people and people living with HIV/AIDS in Jamaica and throughout the region.

“Steve Harvey was a person of extraordinary bravery and integrity, who worked tirelessly to ensure that some of Jamaica’s most marginalized people had the tools and information to protect themselves from HIV/AIDS,” said Rebecca Schleifer, researcher with the HIV/AIDS and Human Rights Program at Human Rights Watch and author of a recent report on anti-gay violence and HIV/AIDS in Jamaica. “I have seen the impact of Steve’s work firsthand, and been inspired by his courage and capacity to reach out to and make a profound difference in the lives of Jamaicans affected by HIV/AIDS. His death on the eve of World AIDS Day gives us one more reason to pause and reflect on the significance of activists’ work in the fight against AIDS.”

As Kingston coordinator of targeted interventions for Jamaica AIDS Support, Harvey was responsible for ensuring that the most marginalized of Jamaicans—gay, lesbian, bisexual and transgender individuals; sex workers; prisoners—were ensured access to HIV/AIDS information and services. For his extraordinary talent and hard work, he was chosen as Jamaica’s representative to the Latin America and Caribbean Council of AIDS Service Organizations. He was also a registered delegate to the People’s National Party conference.

“Steve Harvey’s death is an enormous loss,” Schleifer said. “But it is essential that his murder does not succeed in intimidating other human rights workers. It is vital that the Jamaican government condemns this brutal crime, and brings the perpetrators to justice.”

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Enter your email address below to subscribe to Blog do GAT!


powered by Bloglet